Despoesias:Um homem chamado cu

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Despoesias.png
Bocage-2bus.png

Este artigo é parte do Despoesias.

O seu Cancioneiro/Romanceiro livre de conteúdo.

Em 1920, dia 5 de janeiro
Perto de Varsóvia, um pouco mais ao sul
Nascia um nobre rapaz
Um homem chamado Cu

Cu nasceu em uma família pobre
Desde o começo, era, Cu, sofrido
Mas era feliz e gente boa
Por todos era, Cu, conhecido

Mas nem todos pensavam isso
Na escola era, cu, zoado
Aos 15 consumiu cocaína
Começou o Cu, a ficar drogado

Aos 16, seu pai faleceu
Em seu último desejo, um pedido ele deu
Ele disse que criou Cu ateu
Mas que na verdade ele era Judeu

Cu chorou ao ver a morte do pai
Mas seu último desejo, Cu o fez
Parou com as drogas e virou, Cu, judeu
E venceu na vida, pelo menos nessa vez

Em 1939, dia 5 de janeiro
Cu, 19 anos completou
Trabalhou duro o ano inteiro
Mas no final, ele se ferrou

Um alemão, a Polônia invadiu
E Cu se alistou, bem ligeiro
Embora não tão forte
Era, Cu, um guerreiro

Na guerra, Cu sofreu
A felicidade, Cu não encontrava
Só tinha sua arma e uma foto da família
Toda noite, o Cu, da mãe lembrava

No final do ano, Cu foi capturado
E acabou parando no Gueto
Mas conseguiu fugir
Virando, Cu, um justiceiro

Matava Nazistas com ódio
Um assassino letal, igual Cu niguém nunca viu
De Munique, a Roterdã e a Paris
Até que Cu fugiu

Cu imigrou com sua família
Para uma cidade no norte da Turquia
Até que foi recrutado um dia
Para uma operação na Normandia

Tinham que garantir que a invasão funcionasse
Eles queriam ganhar a batalha
Eles precisavam que cu espionasse
Mal sabia Cu, que era uma cilada

O soldado que recrutou Cu, era agente duplo
E armou para Cu, que se fodeu
Cercado e sem esperança, Cu continuou lutando
E como um herói, Cu, morreu

Essa morte foi impactante
Ecoou por todo o leste europeu
Sua família e seu colegas o enterraram com honras
E sua mãe, pelo Cu, sofreu

Mas se morreu pelo seu povo, Cu estava certo
Pois a guerra acabou com o céu nascendo azul
E ninguém nunca se esqueceu
Da história de um homem que se chamava Cu.