Desreceitas:Pastel de vento gourmet

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Dinheiro-kledir 1.jpg Gostou? Comprei em Cannes...

Este artigo é rico e seu autor só compra coisa chic. Seus advogados estão de olho em você, então não vandalize! Pobre? Tenho nojo de pobre, tudo o que tem é feito de prástico...

Vamos, meu bem, eu cansei dessa roupa.

Receita.jpg

Este artigo é parte do Desreceitas, a sua biblioteca de receitas e fórmulas

A gourmetização também atingiu o popular pastel de vento chinês. Agora ele deixou de ser xing-ling e se tornou um pastel de vento gourmet. Desafortunadamente, não é pra qualquer pessoa e sim pra quem tem bala na agulha. Os ingredientes são caros, mas o resultado é formidável e agradará a todos.

Ingredientes[editar]

Como falado no parágrafo inicial, os ingredientes são nobres, então o preço pode parecer alto para os pobretões.

Para a massa[editar]

Este petisco foi eleito pela revista francesa Le Gourmet Viadón como a melhor receita do ano de 2021.
  • 3 xícaras de farinha de trigo dos Alpes Suíços, especificamente na cidade de Saint Moritz. Os cereais dessa cidade são cultivados e colhidos por freiras católicas cegas e pernetas. A título de curiosidade da perfeição dessa farinha, os grãos são selecionados por meio do aroma, já que tais freiras possuem um olfato aguçado, logo, apenas grãos perfeitos são escolhidos e depois moídos por pés macios e sedosos de mulheres virgens importadas da Suécia.
  • 1 xícara de água pura e cristalina dos fiordes noruegueses de Bergen, engarrafadas em potes artesanais feitos com cristal de quartzo da Tchéquia, que mantêm o frescor da água norueguesa.
  • 1 colher de chá de óleo essencial de raflésia fedengosa da ilha de Bornéu.
  • Na receita normal de pastel é opcional colocar uma dose de cachaça para dar "cocrância". No pastel gourmet, usa-se uma cachaça 51... anos envelhecida em barris de cedro canadense. Contudo, na falta dessa iguaria, pode-se usar um uísque 21 anos ou mais, envelhecido em barris de carvalho português. Necessitar-se-á apenas de uma colher de sopa de cachaça ou uísque.
  • 1 colher de sopa de sal azul do Chade. A título de curiosidade, esse país africano no cu do deserto do Saara não possui mar, muito menos água, o que faz um sal azul nesse país ser tão raro.
  • Na massa original de pastel não vai ovos, mas na massa de pastel gourmet, é necessário um autêntico ovo de dodô, ingrediente imprescindível para que a massa dê liga, fique perfeitamente crocante e derreta na boca. Sem o ovo de dodô, não adianta nem fazer a receita, pois não dará certo.

Para o recheio[editar]

O ingrediente do recheio do pastel de vento gourmet. Não, não é a mulher, nem a roupa dela e nem o matinho...

Para o recheio do pastel de vento gourmet, é preciso fazer um blend com vários ventos diferentes e assim conquistar aquele sabor tão precioso, que combina com um vinho sauvignon blanc francês da safra de 1945.

  • Ventos gélidos e puros da Antártica (não a cerveja merda brasileira!) captados por esquimós legítimos que foram parar sem querer no continente, do outro lado do planeta.
  • Ventos quentes, desérticos e aromatizados com areia 100% natural do deserto do Atacama e os cactos do gênero Cactus cactus, espécie endêmica da região.
  • Ventos nórdicos e bárbaros da Groenlândia, coletados por ursos polares, em conjunto com os mesmos esquimós, por meio de seus gases intestinais que saem filtrados. Depois que são colhidos com garrafas delicadamente enfiadas nos ânus desses animais, passam por um processo de refinação e são exportados para todo o mundo. A título de curiosidade, o vento nórdico e bárbaro de urso polar é o terceiro produto mais exportado pela ilha.

Modo de preparo[editar]

Devem-se colocar os ingredientes da massa em uma tigela feita com fezes tratadas de morcego-branco do Serengeti e secadas ao sol do solstício de 1969, ano que o povo Xikungunha de Rodésia, bravos guerreiros, mataram toda a população tribal de Xakalaka. Misturar bem os ingredientes até formar uma massa sólida que não grude nas mãos.

Em uma superfície enfarinhada, jogar a massa e amassá-la bem com um rolo de mogno, até formar uma massa bem fina, com cerca de 2 milímetros de altura. Com essa massa, cortar pedaços retangulares do tamanho desejado com uma adaga de bismuto vietnamita.

Após o corte, deve-se recheá-los com a mistura de ventos nobres. Porções da mistura do vento devem ser succionadas por velhas nômades descendentes de incas de Cochabamba e sopradas dentro do pedaço de massa, o qual deve ser fechado imediatamente para que a mistura de vento não saia.

Após o selamento, basta fritar em uma panela feita de ouro 18 quilates com óleo puro de papoula afegã, esperar secar sob a luz refletida de um topázio magenta de Minas Gerais e servir aos seus convidados, que se enfartarão com um petisco exótico e incomensuravelmente delicioso.

Caso algum dos convidados seja carioca, para evitar que ele comprometa a integridade do pastel passando ketchup por cima, ofereça um molho de blend de cogumelos italianos do gênero Boleto com trufas brancas colhidas por dachshunds voadores sob os carvalhos cuja madeira foi usada no barril para envelhecer o uísque 21 anos, temperado com mel de flor de laranjeira da ilha de Curaçao, vinagre de xerez, envelhecido no mesmo barril que o uísque, e orégano cultivado em hortas orgânicas de senhoras gregas e regado com água aromatizada com tâmaras da Palestina protegidas pela oração e o poder da fé de muçulmanos da Bósnia.

Ver também[editar]