Âmbar

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Âmbar é uma resina fóssil mineralóide de jujuba semi-comestível. Gema de origem vegetal é uma gosma fóssil de árvores que comumente é confundida com mel.

Características[editar]

Cquote1.png Fudeu! Cquote2.png
Mosquito sobre Âmbar

Âmbar são espécies antigas de pastas de dentes fossilizadas solúveis em álcool, éter, clorofórmio e ácido sulfúrico. É muito usado para confecções de armas populares de MMORPG

O âmbar, se esquentado a 3000°C é usado como matéria prima de Super Bonder.

A gema apresenta um índice de defração de 1,55, sua dureza varia entre 2 e 3 na Escala Ritcher e a massa específica é de 1,05 mols por quilômetro quadrado. A sua fórmula química é C100H165O1Ca0.

História[editar]

O âmbar é uma resina de antigas árvores da Era Terciária Paleozóica, que se defendiam dos ataques de outros pokémons usando o âmbar para deixar seus predadores imobilizados pela eternidade.

Os humanos usam o âmbar como adorno, porque não é toda pedra que tem um mosquito transmissor de dengue de 5 milhões de anos. Os egípcios já usavam o âmbar em 3200 a.C., quando untavam as biscates dos faraós mortos em âmbar derretido para preservar seus corpos pela eternidade.

Acredita-se que os astecas usavam o âmbar derretido para moldarem dildos de diversos tipos, já que para a época plástico e silicone ainda não existiam como resina maleável.

O Mago Merlim popularizou o âmbar na Europa, pois usava a pedra e suas propriedades elétricas para pregar pegadinhas no pessoal do castelo.

No século XIII, a Ordem Teutônica proibiu o comércio de âmbar, devido a resina ser um afrodisíaco cigano que estimulava a sensibilidade anal.

No século XX, o cientista, cineasta e comediante Steven Spielberg, usa o âmbar para extrair de pernilongos fossilizados o DNA dos dinossauros para recriá-los na ilha de Fernando de Noronha.