A Barata Humana

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desinopselogo2.png

Este artigo é parte do Desinopse, a sua coletânea de filmes rejeitados.

Deesnider.jpg Este artigo só pode ser coisa de MONSTROS!

Estrague este artigo que eles vão avançar e te comer! Nos dois sentidos!
Para não despertar a fúria deles, melhore este artigo, tá?

AGORA CORRE!!!

Eis a barata que causou tudo, enquanto se infectava com a radioatividade

A Barata Humana é um filme cult, do gênero terror/drama/suspense/aventura/ação/romance/pornô de 1992, dirigido pelo mestre da nojeira David Cronenberg que também criou o roteiro, a trilha sonora e foi responsável pelos efeitos especiais. Causou um grande espanto na época. Recebeu vários prêmios.

Sinopse[editar]

O cientista e entomólogo Robert Roatche era um grande estudioso de baratas. Junto com as moscas, as baratas eram seus animais preferidos e dentre seus fetiches, eram os de masturbar uma barata. Sua maior pesquisa era a menina dos olhos do RR (Grupo de Pesquisadores de Baratas) e tratava da habilidade que estes insetos possuem. Animais resistentes à radioatividade, as baratas sempre impressionaram o cientista Robert Roatche. Nas pesquisas, Robert Roatche descobriu que a radioatividade não atinge as baratas porque seu exoesqueleto capta a radioatividade. Toda a radioatividade fica em sua casca, armazenada. A radioatividade gruda em sua casca como um chato gruda em um saco.

A mutação estava completa

Após trabalhar toda a manhã em sua pesquisa baratológica, Robert Roatche foi para a cozinha, que fica próxima ao laboratório, comer/tomar uma sopinha de batata. Robert ingeria sua sopa tranqüilamente na cozinha, pensando em sua importante pesquisa. Uma de sua baratas ficou grudada em sua calça durante a pesquisa. Esta barata era, justamente, a barata viciada em radioatividade, a barata mais radioativa do laboratório. Para sua infelicidade, esta barata foi a mosca que pousou em sua sopa. Sem perceber que o asqueroso inseto radioativo estava em sua sopa, Robert engoliu o inseto sem perceber nada a não ser uma estranha coceirinha na garganta e um gosto de pilha alcalina.

Após terminar sua refeição, Robert voltou ao seu laboratório. A coceirinha na garganta e o gosto de elemento X aumentavam cada vez mais. Para tristeza geral da nação, ele não virou um super-herói. Poderia ter virado o Homem Barata ou algo do tipo, mas ao invés disso foi se transformando aos poucos em uma barata. Quando estava no laboratório, Robert se olhou no espelho e viu que antinhas estavam nascendo em sua testa. Inicialmente ele achou que fossem chifres e já ia brigando com sua mulher mas depois percebeu que pelos estranhos nasciam em suas bochechas e um novo par de pernas aparecia. Foi o suficiente para Robert ficar doido e desmaiar.

Alguns dias desmaiados (E sua mulher nem percebeu. Tinha razão o cientista ao desconfiar da mulher) e o estrago já estava feito. Robert havia se transformado por completo em um ser metade barata e metade homem, um baratomem. Agora, aliando inteligência de barata e loucura de um homem doido, Robert faria loucuras pela cidade.

Ficha técnica[editar]

  • Título original: The Roach
  • Gênero: Ficção científica/terror dramático
  • Ano de lançamento: 1992
  • Direção: David Cronenberg
  • Roteiro: David Cronenberg
  • Estúdio: Megadrive Studio
  • Tempo de duração: 77 minutos

Elenco[editar]

Por mais que tentasse, Robert não conseguia vomitar a barata. Ele regurgitou até o jantar da quarta feira passada mas a barata continuou em seu estômago
  • Steve Steven: Robert Roatche/Barata Humana
  • Sharon Stone: Esposa vagabunda
  • Joseph, a barata: Barata radioativa que causou todo o estrago

Curiosidades e premiações[editar]

  • Joseph, a barata, apesar de aparecer apenas por 3 minutos, recebeu o prêmio do Oscar de melhor ator coadjuvante.
  • A atuação de Joseph agradou os críticos do mundo todo. Foi a atuação mais sincera que o cinema já viu.
  • Nenhuma barata se feriu durante a produção deste filme.

Ver também[editar]