A Night at the Opera

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Were-Only-in-It-for-the-Money.png Este artigo se trata de um álbum

E com certeza tem uma cópia pirata no camelô da esquina.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

Certificação Vendas
Diamond2.png
Este álbum/single recebeu disco de Diamante por
vender mais de um milhão de cópias pirateadas

Cquote1.png Uma noite na ópera? Que nada, prefiro o Google Chrome Cquote2.png
Nerd sobre ópera


A capa original de A Night at the Opera.

A Night at the Opera é o único álbum mais fodástico, mais fantástico, mais sensacionástico da banda Queen. Depois do lançamento de Sheer Heart Attack, que de tão ruim seu sucesso até hoje é esperado, os integrantes da banda resolveram largar de ser idiotas e tocarem sons que prestem. Daí surgiu esse álbum que é aclamado pelos posers como um dos melhores álbuns de rock para se jogar fora de todos os tempos.

História[editar]

Cquote1.png Não é viadagem, é perfeccionismo mesmo Cquote2.png
Freddie Mercury inventando desculpa esfarrapada sobre as gravações

O álbum foi gravado nos melhores estúdios de fundo de quintal na Inglaterra. Sua produção é reconhecida como uma das mais regadas a viadagem da história da música, afinal os instrumentos foram gravados em estúdios diferentes, nem no Village People tinha essa frescura toda. A mesma coisa aconteceu com as gravadoras, em cada país uma diferente e ninguém se decidia sobre quem iria divuulgar o álbum, que chegou a número de 4 e ganhou tripla platina, três vezes mais idiota e nonsens).

Entre os poucos destaques do disco está "Bohemian Rap and Soda", uma música sobre a vida reprimida do vocalista bigodudo e que foi composta por ele após horas e horas de cheirar muito cimento, BoRap é uma mistura louca de pop, folka, ópera, berros, muitos berros, e não quer dizer porra nenhuma.

Todos os integrantes do Queen conseguiram fazer canções, mas como todo mundo só lembra do Freddie Mercury, isso não faz diferença.

Integrantes[editar]

Sobre as faixas[editar]

Death on Two Legs (Dedicated To…)[editar]

Primeira faixa do álbum, trata do quanto a banda era agradecida pelo seu antigo empresário, falando coisas singelas como por exemplo se ele não tinha vontade de se suicidar, além de oferecer sua bunda para um beijo de despedida( Ai!! essa bunda tá com gosto de P...).É caracterizada pela sua abertura de piano (Mãos de punheta.)

Lazing on a Sunday Afternoon[editar]

Com muita falta de vontade de fazer uma faixa de verdade, os membros da banda resolveram pegar o primeiro comercial que eles viram numa rádio e botar no LP.

I'm in Love with My Car[editar]

A faixa mais pesada do álbum( não idiota, ela não é gorda), trata do sentimento de um nerd por seu querido carro, sendo que ao invés de comer sua namorada, ele prefere passar a mão no carro, alisar o cano de descarga, passar a língua no carburador...

O tal mencionado carro.

You're My Best Friend[editar]

Música feita pelo único Gay que não cantava Porra nenhuma na banda. Se não colocasse nenhuma música dele, ele ameaçava se afogar num copinho de Coca-Cola.

'39[editar]

Nesta canção, que mais parece música sertaneja, fala-se sobre aposição sexual favorita de Freddie, porém, por motivos óbvios, o nome foi maquiado.

Sweet Lady[editar]

Musica que so tem um solo bobo e sem graca feita pela caichinhos dourados da banda

Seaside Rendezvous[editar]

Revelações dos encontros íntimos entre os integrantes da banda.

The Prophet's Song[editar]

Se você não estiver sob efeito de LSD, maconha ou outras drogas, não conseguirá ouvir esta porra até o final. Ligue o som estéreo no máximo e foda-se ouça.

Love of My Life[editar]

Disparada, a música mais gay da história. Ela conta a história do bofe de Freddie Mercury que falou que ia dar o cuzinho e nunca mais voltou, a bicha ficou tão triste que escreveu uma música falando que seu coração estava partido e que queria que seu amor voltasse para casa.

Good Company[editar]

Pela primeira vez, um cavaquinho é usado por uma banda de rock. Falar o quê?

Bohemian Rhapsody[editar]

Palavras são insuficientes para definir esta música, seis minutos, 37 gêneros musicais diferentes e Mais de oito mil vozes.

God Save The Queen[editar]

Cansados de tanto fazerem música, os Queen resolvem deixar para Brian Gay tocar o hino da Inglaterra sozinho.

Relançamento[editar]

Bach feliz por estar em uma noite na ópera.

As más línguas dizem que esse mesmo disco ganhou um relançamento em 1991, mas como ninguém viu ou ouviu falar, nem vale a pena comentar sobre ele.

Músicas[editar]

Lado A:

  1. Death on Two Legos (Dedicated to Denmark)
  2. Hazing on a Monday Afternoon
  3. I'm Losing My Car in Rio
  4. You're My Bestial Friend (música que trata sobre um possível pacto com o demo)
  5. 69
  6. Sweet Shop Lady
  7. Seaside Rendezvous (Uma música romântica com buzinas, chupação de cu e muito mais)

Continuação do lado A (Lado B):

  1. The Muppets Song
  2. Bofe of My Life
  3. Good Timpany (se conseguir ouvir esse disco até o fim)
  4. Bocetian Rhapsody
  5. God Fuck the Queen (Beethoven Sex Pistols)

Clipe[editar]

Confira o clipe da música Bohemian Rhapsody, cantada pelo cover italiano de Freddie