A Outra

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de A Outra (novela mexicana))
Ir para: navegação, pesquisa
Speedy González.jpg Sí, buelo...

Esta es más una de las porquerías que viénen del México, como la Televisa, El Chavo del Ocho, Thalía y Moderatto. Lo autor está en una cantina en Monterrey comiendo tacos con jalapeño y guacamole.

Televisainferno.jpg
Nesse artigo tem pé da Televisa, então é muito chato! Mas se tu é mexicano... Isso é muito retardado, o guri que assiste é Chaves e Chapolin! Não sabe fazer nada!

Pague o aluguel.

Cquote1.png Você quis dizer: A Usurpadora Cquote2.png
Google sobre A Outra

Cquote1.png Mas sei também, que o fedor tem uma porta de saííída... Cquote2.png
Tema de abertura no SBTosco sobre A Outra

Cquote1.png Você quis dizer: A Usurpadora Cquote2.png
Google sobre A Outra

A Outra (La Otra no México) é uma novela da Telebiba exibida no Brasil pelo SBesTeira em 2004 e pela CNTosqueira em 2009/2010.

A história é bem besta, mas quem assiste gosta por que esquece a brochice, o salário baixo, as mamatas do Senado... De qualquer modo, não assista, pois pode estragar sua inteligência.

A Outra

Ficha técnica[editar]

  • Novela de Evita Perón
  • Adaptação de Carlos Santana
  • Supervisão de texto: Wisin e Yandel
  • Direção: Hugo Chávez

Sinopse[editar]

Carlota Guillén (Chatira Yadhira Carrillo - você nunca ouviu falar, né?) é uma puta de bordel que trabalha em Santiago de Quero Tarado Querétaro, uma cidade dos Estados Unidos Astecas Mexicanos. Todos a confundem com sua irmã gêmea sósia Cordélia Pantanal Portugal, malvadona, que trai seu marido (Aldo de "A Feia Mais Brega") com Adriano, um quarentão esquisito que só faz papel de vilão nas novelas tequilosas, e o pior, SEMPRE COM O MESMO VISUAL, de bigode e óculos de grau, vide Amanhã é para Sempre.

Carlota, sempre boazinha e sofredora como convém ao gênero, é internada num convento pela mãe, perde a irmã no parto do sobrinho, é dada como morta pelo amor de sua vida(que acaba se casando com sua sósia má), na segunda fase (outro clichê: novela com duas fases), se casa com um velhinho brocha, mas ele morre logo após o casamento e ela jura nunca mais amar, já que seus casamentos sempre dão pra trás, se decepciona por ter votado em prefeito corrupto, é demitida em virtude da crise mundial, descobre que tem 15 minutos de vida, mas depois descobre que é pegadinha do Mallandro (que, aliás, também anda batendo cartão na CNTraço), e por aí vai.

Um dia, Adriano mata Cordélia em um barranco. Carlota compra passagens para o voo da Gol de ônibus, mas acaba não indo e é dada como morta quando o bendito sofre um acidente onde morre todo mundo. Ao encontrá-la, Adriano resolve trocar uma pela outra. Carlota entra na casa de Aldo Álvaro e imediatamente o conquista com seu perigo, também deixando sua filha remelenta feliz. Depois, ele descobre que "é a outra e não você" (dã, se é a outra, não pode ser a uma). Detalhe: TODOS confundem ambas (claro, são interpretadas pela mesma atriz).

Temos também uma velha malvada e rica chamada Bernarda Paraguai Portugal, com seu amante mais jovem Bárbaro Romano, um bando de crianças catarrentas que fazem um clubinho, um padre pra aconselhar a mocinha (toda novela mexicana TEM QUE TER um padre cuja vilã conta as maldades em segredo de confissão enquanto ele faz cara de espanto), um cara que foi atropelado pelo mocinho e acabou brocha... Ah, problema, não vou ver o resto da novela pra te contar.

Os executivos da Televisa pretendem fazer um remake (novidade, a Televisa só sabe fazer remake) chamado A Uma.

Ver também[editar]