Abumi-guchi

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Representação artística de um abumi-guchi, pichado em um templo japonês por um mangaká entediado.

Abumi-guchi é mais um daqueles yōkais secundários e sem importância alguma da mitologia japonesa, cuja única função é tornar as lendas contadas pelos anciões mais emocionantes e maneiras, entretendo os pentelhos e evitando que os mesmos fiquem fuçando na casa até encontrarem as coleções escondidas de hentais com as Sailor Moons e com a Yuna, do Final Fantasy X.

Assim como a maioria dos seus companheiros inventados, os abumi-guchis não possuem características próprias, eles herdaram os mesmos traços que outros 150 yokais, como o fato de possuírem o corpo cheio de pelos e darem um rolê por aí no período da noite, para pegar e comer os jovens que estão transando nos carros ao invés de estarem trabalhando para dar uma vida melhor para seus avôs.

Lenda[editar]

Não existem muitas informações sobre os abumi-guchis na cultura popular, na verdade não existe absolutamente nenhuma informação, já que estes yokais foram criados na pressa apenas para servirem como pano de fundo em alguma historinha inventada, e o cara que os criou não estava com muito saco para criar uma biografia completa para eles. Nem mesmo a Wikipédia em inglês possui alguma informação sobre eles, ou seja, eles não tem mesmo.

Porém, como essa é a Desciclopédia, onde podemos escrever qualquer merda desde que fique minimamemte engraçado e não idiota, vou inventar alguma coisa, apenas para esta seção não ficar vazia e sem conteúdo nenhum. Tudo o que virá em seguida é conteúdo fictício, mas isso não importa muito, já que os abumi-guchis não existem mesmo e não irão reclamar.

Um abumi-guchi de lvl. 5 vagando pela grama, esperando para ser capturado por algum treinador pokémon.

Os abumi-guchis não são apenas yokais feios pra cacete que ficam vagando por aí sem rumo com o único propósito de assustar os outros, na verdade, eles são pokémons fantasmas, almas de soldados da tropa imperial japonesa, que, em sua intimidade, eram furries, já que a vida nos campos de batalha não proporciona muitas mulheres, apenas um monte de vacas, bois, gambás e a tua mãe. Quando estes soldados morriam, seja lá por qual motivo, eles não conseguiam nem subir e nem descer, por não estarem prontos para abandonar suas atividades rotineiras homossexuais que tanto lhes agradava, eles permaneciam na Terra por influências de mãos misteriosas, mas sem um corpo, seus espíritos acabavam tornando formas peludas de bichinhos peludos.

Os abumi-guchis que passam mais do que uma eternidade vagando pelo Planeta Terra, consegue bater a meta de assustar 1000 pessoas e aparece em uma novela da Rede Globo, digievolui para Tony Ramos.

Futuro[editar]

Após a transformação, além do corpo peludo, os soldados recebiam uma dose de espírito demoníaco, que fundia-se com seus espíritos naturais. Não podendo mais participar de nenhuma atividade do mundo humano, e muito menos conseguindo descansar no mundo dos espíritos, os abumi-guchis separaram-se e passaram a vagar por aí, sem um rumo fixo, dedicando-se a aparecer apenas para pessoas isoladas nas ruas de Tókio e, de maneira mais esporádica, em guerras e batalhas importantes dos daimyos. Não que fossem úteis, mas pelo menos conseguiam dar apoio moral, aparecendo do nada e matando de susto os poucos soldados do exército aliado.

Além de divertirem-se com as mortes nos campos de batalha, as guerras também serviam como fonte de alimento para os abumi-guchis, já que abusando de seus espíritos demoníacos, eles possuem a capacidade de absorver as almas daqueles que caíam em batalha com flechadas no joelho. Mas os caras absorvidos não viravam abumi-guchis, felizmente.