Afuá

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Afuá
""
Bandeira de Afuá.png
Bandeira
Aniversário 20 de agosto
Fundação 20 de agosto de 1890
Gentílico afobado
Lema Nem sei se tem algum
Prefeito(a) Não disponível
Localização
Localização de Afuá
Estado link={{{3}}} Pará
Mesorregião Ilha dos Búfalos
Microrregião Furos dos Brejos
Municípios limítrofes Não disponível
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma Não disponível
Densidade hab./km²
Altitude metros
Clima Não disponível
Fuso horário UTC
Indicadores
IDH
PIB R$
PIB per capita R$

Cquote1.png Você quis dizer: Município vai Afundar? Cquote2.png
Google sobre Afuá
Cquote1.png O que é que tem de bom lá? Cquote2.png
Qualquer um sobre Afuá
Cquote1.png Boa pergunta! Cquote2.png
Afuaense sobre a pergunta acima

Afuá, estando longe de um movimentado centro urbano por, no máximo, meia horinha de um simples barquinho "pô-pô-pô" saído de Macapá (capital do grande estado do Amapá) e de, no mínimo, por volta de 10 anos de Belém (capital da Judéia do estado do Pará), Afuá é uma das muitas cidades perdidas dentro da maior ilha pluvial do mundo, a Ilha do Marajó, localizada no meio do Amapá e do Pará (pegando um pedacinho do Maranhão, mas isso pouco importa).

Apesar de sua proximidade com a capital amapaense, sua troca-troca comercial com a mesma, compra de produtos e serviços por lá e total dependência em tudo com ela, tal município perdido no meio do nada com coisa nenhuma ainda é de posse do Estado do Pará, que a governa com mãos-de-ferro, sendo que ela só é visitada pelos governantes de lá (governadores, deputados, senadores e pessoas que realmente mandam em alguma coisa) quando se aproximam as épocas das campanhas eleitorais (mesmo assim a população ainda tem coragem de se denominar paraense).

História[editar]

Bear Grylls tentando chegar em Afuá (até que foi bem fácil para quem já foi à Ilha de Lost).

Pouco se sabe como foi que alguém, que se diz um ser humano e com QI superior, ousou por os pés naquele lugar, bem na frente do Rio Afuá, e resolveu fixar moradia como se tivesse chego no melhor lugar do mundo. Fontes mais confiáveis informam que isso aconteceu no exato momento em que uma pessoa, que não conseguiu utilizar-se direito do seu GPS quando tentava chegar ao Acre de barquinho, ficou perdido em um lugar mais fim de mundo possível do que o próprio estado que non ecziste (se é que isso pode acontecer).

Assim que tal pessoa verificou que não tinha mais escapatória sair dali, resolveu logo criar a sua simples choupana (tal qual a da casa da Marimar) e ali viver para toda a eternidade (MWAHAHAHAHAHA!), ou pelo menos até alguém sentir falta dele e resolver procurá-lo em algum lugar. É claro que isso nunca iria acontecer, pois ninguém iria chegar, de novo, acidentalmente no Afuá, como se lá fosse o lugar mais badalado do mundo e o mais destacado no Mapa Mundi. Acabou que tal ser foi esquecido, sendo redescoberto quando, mais um idiota, apareceu por ali, mas, dessas vez, ele não estava perdido (Ou não).

Tratava-se de Pedo Bear Bear Grylls, um valente desbravador de terras esquecidas pelo homem e que nem Indiana Jones teria coragem de meter o pau pé. Chegando nesse lugar e vendo que ali havia uma grande fonte de larvas de tronco de carnaúba, resolveu fixar residência também, sendo vizinho do já esquecido morador. Para sinalizar que ficaria ali para sempre, ele fez o que todo bom descobridor faria em terras novas, edificou uma Igreja, sendo essa a de Nossa Senhora da Conceição nem sabia que Bear fosse religioso.

A primeira vista da cidade de Afuá (claro que a Igreja sempre recebe um destaque especial em qualquer cidade).

Com uma igreja construída em um lugar que nem uma escola tinha, mais povos ribeirinhos começaram a aparecer por lá, atraídos pelo badalar dos sinos e quermesses, já que tudo por ali era novidade. Não demorou muito para que uma leva de pobres (como se os ribeirinhos assim não o fossem) tomaram conta de toda a cidade, que teve que se estruturar tal qual uma cidade de grande pequeno ínfimo porte deve ser, com ruas, quadras, escolas, puteiros e regras de educação elementar que se praticam naturalmente.

Já com mais gente do que estava acostumado, Belém deu (ui!) sinais de que havia percebido uma pertubação a mais nas terras da Ilha do Marajó, mandando alguns de seus caboclos capangas para o meio do mato e saber o que é que estava acontecendo nas partes da Ilha próximas ao Amapá. Chegando lá os soldados viram o contingente de indigentes que haviam se unido, informando ao governador sobre a nova cidade que havia aparecido, que se denominava "Afuá" sabe-se lá porquê.

Vendo que tal grupo poderia ser uma mão na roda nas épocas eleitorais, o Pará logo mexeu os seus pauzinhos para fixar Afuá como um território seu, mesmo que ele esteja simplesmente dentro do Amapá e pareça pertencer mais às Terras Tucujús do que à Cidade das Mangueiras. Como o poder de uma cidade era maior do que a de um Território Federal, acabou que o Pará ganhou o poder sobre a terrinha e hoje toma conta de tudo por lá (pelo menos indiretamente, pois todo mundo sabe que, quem realmente manda por ali mesmo, são os povos de Macapá, sem eles, Afuá nem sequer existiria).

Geografia[editar]

Por ser um território tão vasto quanto uma caixa de fósforo cheia, com quarenta palitos queimados, para que as verbas do Governo Federal não se percam, os governantes da cidade resolveram criar uma expansão territorial para o meio do mato, o que está sendo um total FAIL, pelo simples motivo de Afuá se encontrar em um solo úmido e de fácil alagamento, sem falar do dano ambiental que isso causa para a Mata Virgem, que já deixou de ser a muito tempo nesse local. Mesmo assim, o IBAMA faz vista grossa e os poderosos vão detonando com tudo por ali, como se fosse a Casa da Mãe Joana (e depois falam que a culpa de tudo o que acontece no mundo é da Natureza).

Por estar localizada na beira do Rio Afuá, a cidade nada mais é do que uma grande vila ribeirinha que conseguiu crescer.

População[editar]

Uma das pavimentadas ruas de Afuá, o que explica, e muito, o fato de lá não se aceitarem carros e nem motos.

Afuá possui um pouco mais de 31.000 habitantes, que só se encontram no município uma vez por ano durante o Festival da escrotice do Camarão, já que todos eles se mudaram para as favelas de para Macapá em busca de trabalho.

Apesar de ter muita gente morando por ali, a cidade está em total queda de moradores, nada mais justo, já que quem gosta de morar no meio do mato é onça e não ser humano. Como a cidade não dá nenhuma infra-estrutura essencial para a moradia de sua população, o povo tende a migrar. Mas para onde eles migrariam? Para Macapá, que fica a alguns minutos dali, ou para Belém, que fica à ânus anos? Claro que para Belém Macapá, que atua como um verdadeiro coração de mãe para os pobres afuaenses, acolhendo-os com todo o carinho possível. Assim, todos os habitantes se mudaram para Macapá para morar nas favelas do bairro Perpétuo Socorro.

Transportes[editar]

Afuá e seus únicos meios de transportes sobre rodas, as bicicletas.

É um lugar em que, por decreto-lei, ninguém pode ter um veículo automotivo sequer, por mais simples, estreito e pouco poluidor que seja, o que é mais do que óbvio, haja visto que lá não há ruas estruturadas para receber qualquer meio de veículo motorizado (nem mesmo motos é permitido ter alí, para a tristeza dos mais aventureiros).

O povo todo se locomove por meio de bicicletas ou, no máximo, à pé, já que tudo por ali é mais próximo um do outro do que os dentes de alguém saudável (se a pessoa pelo menos escovar os dentes, claro!). Se alguma viva alma resolver aparecer com algumas dessas novidades tecnológicas motorizadas, é capaz de toda a cidade entrar em um feriadão prolongado, já que a maioria da sua população nunca sequer viu uma moto (imagine então se um carro resolvesse aparecer por ali, daqueles tipo tunado de Velozes e Furiosos, o povo ficaria doido).

Você não tem bicicleta para conhecer toda a cidade de Afuá? Basta contactar um "bicitaxi", que ele te leva para onde quiser. Mas você também pode andar pela cidade inteira e, em menos de meia hora, completar todo o percurso por ela e sem nem suar.

Turismo[editar]

Assim como em muitas cidades de beira de rio (em suma, cidades ribeirinhas em geral), Afuá também conta com os benditos festivais anuais que acontecem todo o ano, para obter fundos para a prefeitura local, antes que a mesma leve todos à falência com o uso indevido de dinheiro público com o aterramento de áreas inaterráveis.

Um desses festivais (senão o único dali) é o comentado Festival do Camarão, que nada mais é do que uma grande Festa da Boa Vizinhança no meio do nada. Apesar do nome ser Festival do Camarão, a última coisa que se vê por ali é o bendito crustáceo, que passa longe quando o assunto é se aparecer nesses locais movimentados pela pobrada generalizada. Nesses festejos tem-se de tudo, venda de comidas típicas, bebidas típicas e dorgas em geral (também típicas). Sem falar que ainda tem os concursos de belezas de Miss e Mister Camarão, para escolher o crustáceo mais bonito de todos. Além disso, ainda tem os duelos desumanos que os citadinos promovem entre camarões para saber aquele que morre mais rápido é o mais forte e mais outras tosqueiras em geral.

Além do Festival do Camarão ainda acontecem os festejos à Nossa Senhora da Conceição, que ainda chamam mais atenção do que esse festival herege.

Desde o começo ao fim do artigo, o Festival do Camarão continuou sem nenhum Camarão em vista (êta povo que não sabe escolher nome direito).