Aimorés

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Aimorés é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Todos os telefones começam com o mesmo prefixo (4 primeiros números iguais).

Sciences de la terre.svg.png


Aimorés é uma cidadezinha na divisa de Minas Gerais com Espírito Santo com incríveis 15 quarteirões de comprimento e 4 de largura, formando quase um retângulo perfeito que acompanha a ferrovia Vitória-Minas. Sempre foi uma cidade muito pacífica, famosa por no passado ter tido um índice de morte por assassinato um pouco elevado (média 50 vezes maior que o de qualquer outra cidade).


Origem[editar]

Outra obra do arquiteto que planejou Aimorés.
Diz a lenda (Não a lenda da índia Lorena chata), a muito tempo atrás um meteoro caiu na área conhecida como "baixio" que fica do outro lado do Rio Doce, trazendo fragmentos de um outro planeta e junto também veio as bactérias que se desenvolveram e com sua evolução formaram os primeiros habitantes da cidade de Aimorés que foram os índios Aymoré (Não é o biscoito!). Esta tribo de índios era pacata e todos eram muito preguiçosos, nunca saíram para lugar nenhum, também naquela época a Pedra Lorena ainda era filhote e somente um pedrinha de amolar machado. Com o passar do tempo os maconheiros do cerrado acharam este buraco no meio da floresta. Como era no meio do nada, foram fumar um baseado lá. Outros macoheiros acabaram descobrindo o lugar e expulsaram os índios Aymoré, e quando já ia se formando um polo do tráfico internacional de drogas, 150 anos atrás, a polícia de Governador Valadares descobriu e acabou com a festa. Porém, a estrutura já estava tão boa que resolveram fazer uma cidade lá. Como era no meio do nada resolveram fazer a ferrovia Vitória-Minas passar por lá, para escoar o minério de ferro e atropelar um monte de gente, matar milhares deixando a peste negra no chinelo e aleijar outros tantos, e a cidade foi crescendo em volta da ferrovia.

Geografia[editar]

Aimorés se localiza em um grande buraco, o que faz ter uma temperatura média de 43º no inverno. A cidade é sede de treinamento para aqueles condenados ao fogo no mármore no inferno. Dizem que os residentes de Aimorés quando vão para o inferno, eles vão usando blusa de frio. Lá é tão quente que nos poleiros dos galinheiros, frango vira galeto com a temperatura ambiente. Quando sua amada pedir para você falar alguma coisa quente no ouvido, fale bem baixinho: "Aimorésssss"... Lá ja houve diversas fábricas de cerâmica, devido ao fato de não ser necessário ter que gastar com forno lá. Por sua proximidade com o Rio Doce, a cidade alaga apenas 8 vezes por ano em média.

Economia[editar]

  • PIB: Fica tudo com a prefeitura
  • PIB per capita: Cada um ganha o pão de cada dia, mas o pão que o diabo amassou!
  • Habitantes: Tirando os que morrem de morte morrida ou matada, tem aqueles que vão embora enquanto ainda podem... Na época da tribo dos Aymoré tinha cerca de 250 mil habitantes, hoje em dia é difícil estipular a quantidade de habitantes pois não tem quase ninguém nas ruas devido ao sol quente.

Lazer[editar]

A única forma de lazer da cidade.

Atualmente, assim como em todo Leste de Minas Gerais, a única forma de lazer em Aimorés é nadar ou tentar se afogar nas águas do Rio Doce, mas isso quando havia mais água lá, pois por causa da hidrelétrica quase toda a água foi desviada, assim como o dinheiro dos cofres públicos são desviados. Pode-se também, fazer um tour pelos vários pontos turísticos, que se resumem em: Instituto Terra, Betel, Matriz "conhecido como morro do casqueiro, na falta de um nome pior" e tem o Parque Ambiental lá na Mauá, mas o bairro Mauá fica em Baixo Guandu??? Recentemente alguns novos pontos turísticos foram introduzidos (hehehe) na cidade: os mirantes do Rio Doce. São ótimos para quem gosta de levar picadas de mosquitos transmissores de Dengue, Febre Amarela, Malária, Câncer de Próstata, Peste Negra e outras doenças do tipo. Recentemente nesses mirantes foram constatadas práticas de um novo esporte: Suicídio à Distância e Arremesso de Cadáveres, além destes mirantes serem usados como motel do outro lado da meia noite e ponto para fumar maconha e pedra de crack e é claro, é um ótimo lugar para os mijões de plantão.

Instituto Terra[editar]

O Instituto terra foi criado em homenagem a Sebastião Salgado (quem é ele mesmo?), construído em lugar nenhum, carrega em si vários animais selvagens (cachorros perdidos, pardais e etc). Há também, 1% da população morando por ali, alguns moradores dizem que lá faz frio (Devido a sua localização: meio do nada). Muitos dos moradores acreditam que exista alguma maldição naquelas bandas. Estudos recentes realizados pelo CPETIA (Centro de Pesquisas Especiais Totalmente Idiota de Aimorés)(e que tem uma base secreta aberta ao público no Instituto Terra) descobriram que existe um habitante para cada 895 pardais atropelados nas ruas anualmente. O Instituto também é responsável pelas raras chuvas da cidade e região.

Betel[editar]

O morro do Betel (conhecido como "terra vermelha" e suja-pés pelos mais intimos).Há existencia de internet por lá, por vários moradores dessa terra de luxo saberem escrever. Geralmente descem de lá, com a intenção de distribuir mangas e/ou bicicletas no centro da cidade (vulgo: rua central), ou então conseguir alguma moeda para ajudar as crianças conseguir jogar CS em alguma casa que tenha computador. A maioria de suas crianças fazem 2ª série, mas a outra maioria não estuda por que geralmente estão ocupadas jogando numa Lan House perto de sua casa. Todos os anos quando ocorre o ritual sagrado de evocação da chuva (vide Instituto Terra) desce uma quantidade absurda de lama do morro do Betel, o que leva a crer que em breve se chamará XupaPika ( grande baixada vermelha em tupi-guarani), visto que por ano desce aproximadamente 198.768.356 m³ de terra. Sabendo dessa possível mudança geográfica, a prefeitura está construindo quadras esportivas tortas no morro, para que no futuro, quando for uma baixada, essa diferença seja sanada pela troca de inclinação do morro.

Matriz[editar]

O morro da Matriz (vulgo: "Casqueiro") é conhecido por ser habitado por cidadões dignos (de pena). Lá se tem os mais finos gostos músicais (Ex: O abcdário da putaria, Negô Drama e afins). É também, o point de encontros para "comprá os baguulho, doooido" e pra "dá uns rolê na casa da muié, véééi". Ou então se encontrar "com os bonde, doido" pra comer "aquele churrasco" na casa do "neguim firmeza". Um fato interessante de se destacar sobre o Morro do Casqueiro é que por volta de 1794 era um antigo cemitério asteca, e por conta disso também é conhecido como morro do chupa osso. De acordo com pesquisas realizadas pelo CPETIA nesse morro existe maior concentração de de gente que pensa que é bandido, ainda mais os mais novos, também conhecidos por aprendizes de traficante "malokeiro" do que a cidade de São Paulo. Há boatos que o Pentágono estaria planejando um teste de uma nova arma quimico-nuclear nessa nobre área da cidade.

Novidades[editar]

  • Em 1993, Aimorés ganhou sua primeira referência em um mapa;
  • Em 1996, Aimorés ganhou seu primeiro (e único, até agora) sinal de trânsito;
  • Em 2008, Aimorés ganhou seu primeiro telefone;
  • Em 2009, Aimorés ganhou sua primeira televisão;
  • Em 2010, Aimorés recebe seu primeiro turísta (estava apenas de passagem para Vitória).