Alcmeão

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cquote1.png Das coisas invisíveis têm clara consciência os deuses, a nós enquanto humanos, nos é permitido apenas conjecturar.
Alcmeão sobre explicando porque vai extrair teu pulmão esquerdo
Busto de Alcmeão, note seu semblante maníaco que deseja arrancar teus rins em nome do conhecimento medicinal.

Alcmeão de Crotona (em grego: Ἀλκμαίων, Alkmaiōn, século V a.C.) foi um grande cheirador de gatinhos e maníaco da Grécia Antiga, e um dos maiores discípulos das pederastias de Pitágoras. Ficou conhecido, digo "mais ou menos" conhecido (você o conhecia? Não né!) por ter sido o primeiro necromante que se tem notícia, pois tentou criar zumbis a partir da extração do cerebelo de cadáveres (ele tentou usar costelas também).

Biografia[editar]

Alcmeão era só mais um comedor de churrasco grego casual qualquer que acreditava que Poseidon criou a vida materializando-a a partir da água.

Trabalhava como nutricionista quando se inscreveu para a escola de Pitágoras em busca de maconha barata. Lá descobriu o sonho de sua vida, que era o de viver na mais completa vagabundagem passando os dias pensando em como os pássaros voam ou no porque sentimos dor. Vagabundo nato, se tornou um dos principais discípulos do mestre Pitágoras com quem aprendeu a ver os ângulos dos triângulos.

Tornou-se o primeiro perito do IML da história da humanidade a pedidos de Pitágoras, após reparar que Alcmeão não sentia nojinho de uma barata saindo do olho de um cadáver semi-decomposto.

E assim, Alcmeão passou o resto de sua vida trancafiado num porão em Crotona dissecando corpos tentando criar o Frankstein (mas só conseguiu um Edward Mãos de Tesoura).

Alcmeão morreu de circunstâncias desconhecidas, apesar dos escritos de Aristóteles sugerirem que Alcmeão morreu engasgado com um caroço de feijão.

Filosofia[editar]

A filosofia de Alcmeão era puramente aplicada à medicina, uma vez que os assuntos de "lógica", de "metafísica", de "ontologia", de "epistemologia", e de debate sobre existência de Deus já estavam ocupadas por filósofos muito mais brilhantes. Sobrou para Alcmeão ficar falando de apendicite, hemorroidas, cranco mole, o pus das espinhas e todas essas coisas da fisiologia, a qual descobriu toda estar ligada ao cérebro (sim! Foi Alcmeão que descobriu a roda para a medicina).

Ele ainda descobriu a cura de diversas doenças ao focar-se em seus sintomas. Para dor de cabeça, receitava a amputação da cabeça, pois sem cabeça não há dor de cabeça, problema resolvido. Para unhas encravadas, receitava a amputação do dedo, pois sem o dedo não há a dor de unha, problema resolvido. Para a cegueira, receitava arrancar os olhos de todo mundo que pode ver, pois a doença é a visão, problema resolvido.

Foi Alcmeão que inventou as pílulas contra o hipocondrismo, feitas da mais pura farinha de arroz medicinal.

Alcmeão em sua morbidez maníaca de ficar dissecando corpos, desenvolveu um rico estudo de anatomia que vai desde as trompas de eustáquio até o saco escrotal. Gostava de fazer cortes transversais de tudo quanto é parte do corpo em pessoas vivas só para descobrir que se um homem ejacular no interior do útero de uma mulher fértil, ela terá grandes probabilidades de ganhar uma pensão futuramente.

Alcmeão ainda considerou estado de saúde pleno aquele em que uma pessoa está apta a dar uma pirueta enquanto come farofa.

Ainda assim, para Alcmeão, havia um grupo de seis doenças das quais considerava incuráveis:

  1. Morte
  2. Zumbizemia
  3. Fungo venéreo
  4. Magos Level +5
  5. Síndrome Afro-ilusional Caucasiana
  6. Amor

Para todas as outras doenças Alcmeão recomenda diferentes combinações entre benzetacil, paracetamol, chá de erva cidreira, amputação e elixir que restaura completamente HP e MP.

Uma das poucas coisas que fez fora da área medicinal foi a sua teoria da existência do Lado Iluminado da Força e do Lado Negro da Força de acordo com a quantidade de fezes de galinha encontrada no sangue, o que torna o universo, em essência, bipolar, um mundo de bom-mau, direito-esquerdo, masculino-feminino, repouso-movimento, reto-torto, e luz-sombra.