Alexandre Nero

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-sound.svg.png Alexandre Nero
Alexandre nero.jpg
Posando de simpático
Nome Alexandre Nero Vieira
Origem Curitiba Bandeira do Brasil Brasil
Sexo link={{{3}}} Masculino
Instrumentos
Nuvola apps kcmmidi.png
Vários
Gênero MPB
Influências Roberto Carlos
Nível de Habilidade Alto
Aparência Coroa galã
Plásticas Nenhuma
Vícios
Nuvola apps atlantik.png
Nenhum
Cafetão/Produtor
Crystal Clear action bookmark.svg.png
link={{{3}}} Rede Globo

Alexandre Nero (13 de fevereiro de 1970) é um dos incontáveis atores que infestam a televisão brasileira atuando em novelas horríveis.

Vida[editar]

Nasceu em Curitiba, mas ainda na juventude mudou-se para São Paulo. Como tinha um forte sotaque que o diferenciava claramente dos paulistas, começou a sofrer bullying e decidiu voltar para o Paraná nos anos 90. Como todo guri retardado e vagabundo de antigamente, Nero sonhava em ter uma banda e fazer sucesso com sua música. Como era solitário e ninguém gostava dele, teve que se contentar em gravar um CD sozinho. Assim, em 1995 saiu Camaleão, seu álbum de estreia, que não vendeu porra nenhuma.

Globo[editar]

Começou atuando em 1998, interpretando figurantes aleatórios no cinema. Estreou na televisão somente em 2007, quando a Globo o contratou para encher linguiça na série Casos e Acasos, que era tão ruim que nenhum ator famoso queria participar. A partir de então, fez mais uma cacetada de papéis irrelevantes na emissora, até que finalmente conseguiu destaque em 2014, quando interpretou o famoso Comendador da novela Império. Dizem que as taxas de suicídio no Brasil subiram consideravelmente após a morte do personagem, que por algum motivo desconhecido, tornou-se adorado por todo mundo.

Atualmente[editar]

Desde 2001, Nero concilia a profissão de ator com a de cantor, sendo o líder da banda desconhecida Maquinaíma. Pouca gente sabe, mas ele também sabe tocar vários instrumentos e compõe suas próprias músicas. Já chegou inclusive a se apresentar no especial de fim de ano do Roberto Carlos, o que não é lá grande coisa, levando em consideração que até mesmo a tosca da Anitta fez isso.