Alto Rio Novo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Alto Rio Novo é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
A pastelaria tem 5 mesas... às vezes lota, por incrível que pareça!

Sciences de la terre.svg.png
Nuvola apps core.png Atenção, caro editor dessa joça!
Não se escreve artigo em primeira pessoa. O que você acha ou pensa não interessa, então não escreva eu acho, eu penso, etc.
Alto Rio Novo Cidade fantasma
Bandeira.jpg
Bandeira
vamos pro zoca
Hino NUNCA NEM VIMOS
Local Bandeira do Brasil Brasillink={{{3}}} Espírito Santoperto do nada (cuparaque)
Idioma toles (tolo, atolo)
Geografia
Clima frio que só a desgraça
Locais de referência ZOCA
Economia Tráfico de Drogas e Lavagem de dinheido
Produtos exportados Frango assado
Política
Governo
Nuvola apps core.png
PCC
Atual prefeito
Nuvola apps core.png
ERA PRA SER O DIDI
Vice-prefeito
Nuvola apps core.png
eRA PRA SER O dIdI PMDB
Mídia
Cidadãos ilustres
Crystal Clear action bookmark.svg.png
Matheus (ele nem mora aqui)
Esporte símbolo futebol, quase disputamos a serie z
Santo local Santo do Pau Preto


Alto Rio Novo é uma cidade impressionante: primeiramente, ninguém sabe onde fica, e quem sabe não conta. Todos os que já moraram lá e escaparam de algum linchamento reclamam muito da cidade, mas não conseguem ficar longe dela... por mais que tentem. Essa cidade não é reconhecida nem regional, nem estadual nem tão pouco mundialmente, porque não há o que se falar de pessoas indecentes que tentam todos os dias mudar as coisas pra pior, mesmo que alguns desocupados continuem falando bem delas.

Possui "grandes centros turísticos", como a "belíssima" praça da cidade (que fica em uma enorme ladeira, qualquer idiota que tente andar de bicicleta lá acaba morrendo batendo na parede de alguma "loja" que fica abaixo). Um lugar impressionante onde, acreditem, tem só um posto de gasolina. Tambem tem uma quadra poliesportiva (concreto bruto no chão riscado com tinta) muito aconchegante.

A cidade não tem apelidos porque é aparentemente nova. Tanto é que inclusive alguns padres, médicos e até juízes à beira da falência se mudaram pra lá recentemente.

Personagens[editar]

Entretanto, a população é formada por muitos homossexuais desprovidos de aceitação. É de se esperar que os mesmos usem de todas suas artimanhas para driblar o preconceito que "supostamente" seria sofrido com revelação de seu lado "feminino/masculino", usando máscaras e de toda ignorância para passar uma imagem aceita pelas pessoas de mente-fechada. Já que "nessa" pequena cidade a mente da população é do tamanho de um amendoim, não se deram conta de que giramos em torno do século XXI.

Cabe então a essa "grande-classe" imigrasse para Vix, no intuito de cair na farra a ponto de sair do armário. Pronto para ofuscar o brilho alheio, direito a perucas, sapatos, seios postiços e de quebrar um macho para apresentar a seus futuros parentes.

Não se pode esquecer-se da grande massa "cult-evangélica". Seus domingos são regados de muito louvor, cada membro tem a responsabilidade de averiguar a roupa do irmão. A Igreja passa a ser um grande desfile de moda à real sentido de oração. Nada convencional, os pastorezinhos realizam suas festas e manifestações, juntamente não se pode esquecer-se do principal atrativo, o grande e único "rodízio de irmãs".

Reza a lenda, que os bons homens desta pacata cidade sofrem de uma peste, que atende por nome "disfunção erétil". Essa classe seleta se concentra no grupo dos "fodões".

Contamos também com a classe feminina que por falta de emprego, ou não, usam de seu corpo para adquirir favores, bens e status. Aonde encontra- las? Ônibus destino UNESC e Castelo Branco.

História[editar]

Desde sua emancipação, a cidade está nas mãos de duas famílias, os Soares de Oliveira e os Caldeira. Em todo tempo como cidade, os cofres públicos e o patrimônio destas famílias passaram a ser uma coisa só, mas não cabe a mim entrar nestes pormenores, cada povo tem os governantes que merecem. E os rio-novenses não demonstraram merecer coisa melhor.

Hoje o cidadão mais conhecido é o TUNIQUINHO DOS TECLADOS, vindo de tão tão distante, com suas famosas frases "CAPEETA, EU VOU MATAR TODO MUNDIO NESSA DISGRAÇA..." é um dos melhores instrumentistas da região, ganhando assim, de MAGUINALDO E jULI FRANci, sua maior feita foi vestir de soldado do exército e fazer blitz na cidade, formando assim, 73 km de fila de carros. Tem também o Felipe Picolé (qué picoé), vindo de outro planeta, esbange seu talento em vender picolés (picoé, é assim que ele fala). Se o picole é 1,25 e pedimos 2, o valor é 2,70. Tem também o João pequenude, que entra nas lojas e não fala nada. Pra sair a noite tem esplendidas lanchonetes como a do marcelo que demora tres anos e cinco meses pra fazer um x total.

Sobre o povo, temos figuras folclóricas, uma senhora com mais de 70 anos de idade, mas que trabalha todos os dias, de domingo a domingo, e não há relatos de um dia em que ela tenha tirado para descansar. Neste mesmo barco, vem outro senhor, que deve ter a mesma idade e de além de manter sua venda aberta todos os dias, ainda tem fôlego para ser entregador de jornais.

O famoso rio que nomeou a cidade passa literalmente pelo meio da cidade.

População[editar]

Mas o que mais impressiona em Alto Rio Novo é o tamanho da mentalidade do povo, parece outro planeta, a juventude deste lugar tem o pensamento e aspirações do tamanho de Alto Rio Novo mesmo. São tão patéticos que fazem este tipo de demonstração de inveja para qualquer um a ponto destes "qualquer-uns" acharem que são importantes.

Nesta situação, vemos a criação de personagens, que em outros lugares se tornariam folclóricos. Como a turma dos "Fodões" rio-novenses, são feios, burros, pobres e mesmo assim são invejados.

Imigração para os EUA[editar]

Os habitantes de Alto Rio Novo também possuem o costume mineiro de imigrar ilegalmente para os EUA, onde são tratados como "chicanos" e vivem na marginalidade, em bairros pobres.


A situação é a mesma, limpar privada nos EUA por 5 anos, Comendo-o-Pão-Que-o-Diabo-Amassou-com-o-Rabo, para juntar dinheiro e ter um pouco mais de status social que antes não tinham. Resultado: Esses retardados gastam tudo o que tem e voltam a ser os mesmos merdas de sempre querendo voltar pros EUA.

Os coiotes fazem a festa, estes são os únicos que enriquecem com a imigração para os EUA, e apesar de serem criminosos, tem status social maior do que pessoas que trabalharam honestamente para conseguir o que tem.

Não se vê em Alto Rio Novo, jovens que pensam em ganhar a vida avançando nos estudos. Universitários fazem parte de uma pequena elite.

Cquote1.png Eu não perco tempo estudando, vou juntar dinheiro e ir pros EUA, ficar lá uns 3 anos, chegar aqui e comprar um carro, espetar o cabelo e pegar um monte de mulher. Se o dinheiro acabar eu volto pra lá de novo.
Típico jovem mineiro local sobre falando sobre suas aspirações.

Se há algo lucrativo nesta cidade, com certeza é tudo que esteja ligado a Indústria do Status, é impressionante a fatia do orçamento que o rio-novense investe nisto, ter uma loja que venda roupa que seja considerada grife se mostrou um negócio muito lucrativo, mesmo diante das dificuldades econômicas enfrentadas pela população.

Em nenhum lugar roupa custa tão caro como em Alto Rio Novo. Mas como tudo no capitalismo segue a lei de oferta e procura, não é de se assustar que o vestuário seja tão caro, rionovense que se presa não usa roupa de marca obscura, mesmo que isso valha seu salário do mês inteiro.

Outros gastam a metade de seu salário em casas de meninas nada honestas em Colatina (belo eufemismo para o Classe A).

Apesar de parecer engraçado, este hábito da sociedade rio-novense revela uma triste realidade, os jovens desta cidade estragam suas vidas pelo status. São capazes de abandonar amigos, família e arriscar suas vidas para viverem como ilegais nos EUA. As aspirações destes, muitas vezes passam longe de dar uma vida melhor para a família ou ter uma fonte permanente de renda, ir para os EUA se torna algo para tão somente alimentar o próprio ego, tudo não passa de apenas um desejo de autoafirmação e de ser respeitado pelos futuros falsos amigos.

Ver Também[editar]