Amaporã

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Com 20 metros de comprimento, este laguinho compõem o famoso parque estadual de Amaporã.

Amaporã é um parque estadual que alguns Macacos (Amaporenses segundo o governo estadual do Paraná) chamam de cidade. Com uma população de 5 mil habitantes, forma o parque estadual mais vazio e deserto de todo o Paraná.

Cidade[editar]

No meio de muito pó e com um nome que praticamente diz: "cidade pequena e caipira" essa é Amaporã.

Com ruas de chão, a cidade já adquiriu apelidos como "Pântano do Paraná", "Cidadezinha pequena", "Porra Nenhuma", "Crechelândia", "Bar do zeca" e "Onde judas perdeu as botas". De longe se pode ver uma cidade com uma pastelaria, uma padaria talvez, algumas casinhas e um bar que é o único lugar que presta por lá.

A população de 5 mil entediados passa o dia interior se revezando entre olhar a grama crescer, dormir e ir para a Igreja. Formando uma seita religiosa feita de zumbis ou uma cidade de Zumbis mesmo.

O restante todos estão carecas de saber: o prefeito é um garçom, o secretário da educação é um Jumento, literalmente, e só há creches no município.

Problemas[editar]

O maior problema da cidade, além do isolamento e da radiação de cidade caipira, é a escassez de mulheres. Conta-se que em vários anos vivendo na cidade as mulheres acabaram se confundindo com os homens. Por isso mesmo o sindicato das mulheres barbadas do Brasil indica que 90% de suas empregadas vem de Amaporã.

A prefeitura não vê solução para esse problema, afinal a prefeitura fica localizado dentro de um lixeiro perto do "estádio" de futebol do time da cidade, que não passa de um terreno baldio onde vão construir futuramente a prefeitura. Justamente por isso, muitos homens (ou mulheres, fica difícil distinguir) vão em direção ao Bar para esquecer.

Esse bar foi o melhor benfeitor da cidade pois estimulou a reprodução e o nascimento de mais amaporenses. se bem que você não sabe a diferença quando está bêbado.

Como o bar é o único lugar que um Amaporense vai, o mesmo virou o banco da cidade.

Economia[editar]

Economia? Sequer existe dinheiro por lá!