Amazonas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Amazonas pode ter outros significados, para chechecá-los, consulte Amazonas (desambiguação).


Amazonas
Bandeira do Amazonas
Bandeira do Amazonas
Brasão do Amazonas
Brasão do Amazonas
Lema Temos índios
Hino Tem isso?
Gentílico Ribeirinho, madeireiro, morador da palafita, bicho do mato, boi bumbá
Localização
Localização do Amazonas
Região Todo do Brasil
Capital Matagal
Cidade mais importante Zona Pirata de Manaus
Estados limítrofes Acre, Calypsoville e Ney Mato Grosso
Governo
Governador Um veinho
Partido PROS-E-CONTRAS
Características geográficas
Área Muitoe spaço pra ser desmatado ainda
População Lenhadores, Americanos, ribeirinhos e alguns animaizinhos hab. Num sei
Densidade 1 trilhão de árvores por Km²
Clima Chuva
Indicadores
Analfabetismo 0,9% ascima do cem. 23/04/2017
Mortalidade infantil 87654567890000% 23/04/2017
Expectativa de vida 3 meses 23/04/2017
IDH ooó 23/04/2017
PIB R$ R$0,50 23/04/2017
-20%% do nacional
PIB per capita R$ R$1,50 23/04/2017


Cquote1.png Experimente também: Pará Cquote2.png
Sugestão do Google para Amazonas
Cquote1.png Lá é muito calor e chove o tempo todo Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Amazonas
Cquote1.png O Pará é melhor Cquote2.png
Amazonense sobre o próprio estado.
Cquote1.png How Much? Cquote2.png
Empresário americano sobre Amazonas
Cquote1.png Calor infernal, usei até protetor Cquote2.png
Diabo sobre Amazonas
Cquote1.png C'est combien? Cquote2.png
Empresário francês sobre Amazonas
Cquote1.png Wieviel? Cquote2.png
Empresário alemão sobre Amazonas
Cquote1.png Amanhã fará cerca de 495,7ºC no Amazonas, a menor temperatura do ano... Cquote2.png
Garota do Tempo sobre clima do Amazonas
Cquote1.png Amazonas? Isso não existe! Cquote2.png
Terra Média sobre Amazonas
Cquote1.png É uma cilada, Bino! Cquote2.png
Juvenal Antena alertando Bino sobre os perigos de se tentar ir ao Amazonas
Cquote1.png Fica perto daquela cidade bonita, a Turquia! Cquote2.png
Carla Perez sobre Amazonas
Cquote1.png O encino é o mais melhor do país! Cquote2.png
Estudante Amazonense sobre Amazonas
Cquote1.png A cidade perdida fica bem ali, perto do povo da cobra-grande Cquote2.png
Indiana Jones com medo sobre Amazonas

Amazonas é o pior maior estado brasileiro, fazendo fronteiras somente com regiões inóspitas como os estados do Acre, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Grão-Pará, Santa Cruz, Vila Xurupita e Terra Média. "Amazonas" na língua indígena local quer dizer "Xoxota" ou "xana mesmo", pois é um lugar quente, fedorento, úmido e muito fodido. Fica longe de qualquer lugar habitado, o que sempre faz os moradores de fora pensarem o que realmente estão fazendo por lá, pois é um grande polo turístico para pessoas estranhas que veem alguma diversão visitar o meio de uma floresta cheia de mosquitos e gente pobre.

História[editar]

Panorama de todo desenvolvimento de uma metrópole amazonense da qual seus habitantes tanto se orgulham.

De acordo com o Tratado de Tordesilhas (1494), os burros dos portugueses ficaram só com o Rio Grande do Norte enquanto a Espanha teve direito a todo restante da América, o que incluía o atual Amazonas. A floresta amazônica foi um dos primeiros territórios que os espanhóis foram explorar, pois haviam lendas de que lá existiam índias extremamente fáceis, pois seus maridos índios sempre estavam chapados demais embebedados de ayahusca (que posteriormente substituiriam por pinga mesmo), e assim essas índias davam fácil para qualquer explorador. Logo, o nome do estado provém desse costume dos primeiros exploradores da região frequentarem prostíbulos indígenas, daí o nome "ama zonas".

Apesar de todo território do Amazonas estar oficialmente integrado a uma suposta capitania portuguesa denominada de "Estado do Maranhão e Grão-Pará", os portugueses nada faziam por Amazonas, deixando toda sua exploração para os britânicos e espanhóis fazerem, assistindo de camarote seus rivais morrerem todos de febre-amarela, cólera ou malária enquanto tentavam descobrir o paradeiro do Acre.

No início do século XIX, a Cabanagem teve papel fundamental na criação do estado do Amazonas, pois até então, toda a Amazônia era apenas o enorme Grão-Pará, mas durante a revolução separatista, os habitantes de Belém se espantaram com tamanha passividade e preguiça do povo do interior (atual Amazonas), e decidiram expulsá-los da revolução, criando assim o Amazonas para tentarem serem independentes sozinhos.

O primeiro esboço de algum tipo de desenvolvimento a chegar ao Amazonas só ocorreu em 1890, época em que estourou o Ciclo da Borracha, quando a economia mundial subitamente aumentou em 230.000% a demanda por borracha e leite de burra, graças às pederastias de Henry Ford, o que criou uma corrida de desocupados que foram para o meio da floresta tirar leite do pau e criar as primeiras habitações do estado.

Em meados do século XX, quando a borracha natural já havia sido substituída pelo silicone na fabricação de dildos ao redor do mundo, e o estado do Amazonas atravessava um grande declínio, o Brasil governado pelos militares, famosos por considerarem a floresta amazônica apenas um empecilho que deve ser destruído em nome do progresso, criaram a famosa Zona Franca de Manaus, incentivando que diversas indústrias fossem povoar a região para fabricar todo tipo de produto genérico numa tentativa de copiar as indústrias semi-escravistas da China.

Mas com o fim da zona franca no século XXI, nada mais sobrou para o estado de Amazonas, então para se sustentarem, eles começaram a fomentar uma inveja pelo Pará e criaram uma rivalidade com o estado vizinho que na verdade pouco se lixa para eles.

Clima[editar]

De dia o maior inimigo do Amazonas é o Sol, ele queima a cachola com seus habituais 147ºC pela manhã, com picos ao meio-dia de de 100x10³ºC e a noite apenas 300ºC, sempre sem vento, pois estes se recusam a passar pela região. Resumindo, quente pra caralho. É assim, você pega uns minutinhos de sol e câncer de pele instantâneo.

No Amazonas existem 4 estações como em todos os lugares: Calor, Mormaço, Quentura e Chuva.

Economia[editar]

Típica cena do Estado.

A poderosa economia amazonense baseia-se na dança do boi-bumbá, tirar leite do pau e agradar turistas, pois sabe-se que amazonense é o povo que mais paga pau de gente rica.

Em virtude de sua inutilidade na economia nacional, o governo federal precisa tratar o Amazonas como café-com-leite, criando assim a famosa Zona Franca de Manaus a qual os amazonenses tanto se orgulham e acham que isso os tornam as pessoas mais afortunadas do mundo.

Tem-se também articulado ações de venda do estado do Amazonas (algo que não deu certo porque não há quem quisesse morar ali), mas toda hora surgem rumores de que os Estados Unidos desejam comprar o Amazonas, mas sempre que chegam mais perto e olham aquela infestação de barquinhos capengas e povo preguiçoso e mau educado, eles desistem da ideia.

Na atualidade, os dois fatores econômicos que dão orgulho de ser amazonense, que são a industria de curumim (fazer menino) e a industria da corrupção. A venda de barcos também ajuda, já que não tem asfalto lá ... não se sabe como norte-americanos, tipo o Sylvester Stallone, pisariam nessa terra.

Política[editar]

A política amazonense é uma das mais diversificadas do Brasil. As principais ideologias políticas representadas são as dos: Pedófilos; Traficante; Espancadores de mulher; Seguidores do Maluf; E cheiradores de pó (com campanha baseada em distribuição de cupons para sorteio de reforma da residência).

Um exemplo de absurdos acontecem sempre a cada quatro anos, quando todos candidatos a governador, inicialmente agem como se estivessem se candidatando à prefeito de Manaus, esquecendo todo o restante do estado, prometendo absurdos como que nos três primeiros meses de mandato irá recapear toda cidade, construir mil creches, comprar várias (o número não foi anunciado) de carretas que serviriam como lan-house e postos de saúde, aumentar a arrecadação, diminuir em 25% o IPTU e governar a cidade de dentro de um ônibus (segundo ele para ir onde os problemas estivessem).

Depois de eleito, todas essas promessas são esquecidas pelo povo.

População[editar]

Duas índias amazonenses rivais (uma azul e outra vermelha) que são o principal motivo de haver tanto turista nesse estado.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Gente Estúpida (IBGE - 2010) e da banda Restart (2011), a população do Amazonas é de 0 habitantes, ou seja, no estado amazonense não há civilização, não foi povoado ainda, então lá você pode gritar bem alto, assustar os vizinhos que não existem, fazer discursos inteligentes e eruditos de Wikipédia com ênfase em história e geografia, que ninguém vai escutar para reclamar e mandar você tomar semancol, não tem problema pois lá é um deserto verde cheio de árvores como as areias brancas do Saara.

Se você for bom wikipedista, não leve nada a sério o que está escrito acima senão você se torna tão bom burro e ileso ou as burrices podem te morder.

O Amazonas é o estado com maior número de parentes do Evo Morales por m². É incrível, andar no Amazonas e andar na Bolívia é a mesma coisa, com a única diferença de que na Bolívia se anda, enquanto no Amazonas se navega. Mas vai notar as mesmas caras e o mesmo sotaque de gente matuta.

80% da população amazonense é composta de índios, 13% de caboclos vendedores de peixe, 3% de galerosos (quer dizer gangues no sotaque indigente), 3% emos-cabocos, e apenas 1% de imigrantes na maioria que são as pessoas civilizadas que vieram para gerar desenvolvimento nesse buraco. Sem esse 1%, o estado estaria mais lascado do que já é.

Moradia[editar]

Em Amazonas não existem prédios, sequer casas. Os poucos edifícios que podem ser considerados apartamentos ou casas no estado, estão em Manaus, mas não pertencem juridicamente ao estado de Amazonas, sendo aqueles prédios um enclave de diversas nações ali instaladas como embaixadas. Sendo assim, todos amazonenses vivem em casas de palafitas, ideais para resistirem à cheia do rio. Os mais práticos já preferem logo morar em casas flutuantes e poupar muita preocupação.

Educação[editar]

Para os amazonenses, preservar a natureza é só não cortar árvores. Foda-se cagar e mijar no rio.

Existem duas instituições públicas de nível superior no Estado do Amazonas. A UFAM e a UEA. Ambas foram criadas com o intuito de abrigar estudantes de outros estados menos afortunados que perderam todas suas vagas em sua terra natal, e que tem notas suficientes pra conseguir uma vaga nas universidades públicas amazonenses, pois a população selvagem amazonense não constitui 0,000001 % da cadeiras ocupadas de lá.

Só depois que esse povo se lascou tanto, é que foram surgir as cotas universitárias no estado, o que facilitou a vida dessa povo a ingressar nas universidades.

A Macumba também está presente na educação amazonense, sendo obrigatória em todas as universidades.

Religião[editar]

A dança da chuva, a zoofilia, e o ato de comer gente (Canibalismo) são os principais rituais executados no quintal do Brasil Amazonas. Mas a religião dominante é boi-bumbá, e todo habitante amazonense precisa optar por louvar um boi azul ou um boi vermelho, o qual cada um, dependendo de interpretações livres, são considerados Deus ou Diabo, precisando adorar um e odiar outro.

Todo amazonense considera seu estado especial tudo que o estado tem são por eles considerado as maiores ou as menores coisas de todos os universos e que só existe no seu estado.

Esportes[editar]

Existe uma imensa variedade de esportes a serem praticados no Amazonas, e nenhum deles é o futebol, pois se existe alguma equipe futebolística nesse estado, isso surpreenderia qualquer um, pois jamais se ouviu falar de alguma.

Os esportes realmente praticados são: Derrubamento de árvores; Caça de mico-leões-dourados; Tiro ao alvo com flecha; Tiro ao alvo à arara-azul; Pique-esconde com as índias; Corrida de trator na floresta; e Pega-ladrão.

Lazer[editar]

No Amazonas existe todo o tipo de festa, como Boi-Bumbá, Ciranda, Festa do Cupuaçú, Festa do Café, Festa do Leite, Festa do Café com Leite, Festa do Café com Leite sem Açúcar, Festa do Caju, Festa do Açaí, Festa do Grande-Deus-Tambaqui-Das-Profundezas-Do-Rio-Negro, Festa do Aniversário do Zeca, Festa do Açaí com Farinha, Festa da Festa da Mandioca, Festa do Amazonino, Festa da Imitação dos paraenses...

Toda cidade amazonenses está obrigatoriamente na margem de algum rio, importante ou não, e lá sempre tem habitantes mergulhando e se divertindo em suas águas infestadas coliformes fecais fresquinhos advindos das casas de palafita que infestam as margens de todos rios doe stado, e ainda pode se divertir fazendo aposta de quem faz mais barulho com som automotivo na orla.

Ver também[editar]