Ampére

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Ampère? Cquote2.png
Google sobre Ampére

Panorâmica. E o quico? Olhe atentamente e verá um OVNI no horizonte.

Ampére é uma medida uma cidade um feudo paranaense que congelou na revolução industrial e por ter um grande índice de fábricas, grileiros e mafiosos, se acha um local industrializado, lá pras bandas do sudoeste que também serve de antena para estudos de minhocas do solo paranaense, o que tem haver com medida de ampéres você já vai saber. Ampére antes de patobranquelosnces e franciscobeltroninos (se escrevi errado corrige imprestável amigo), irem para lá por não aguentar mais a família na cidade de origem, o mesmo aconteceu com os catarinas, e também com alguns gaúchos que foram para lá, e o lugar nem era lá muita coisa senão um grande matagal, e as características de cidade são recentes.

Mais

Mas o que é que tem de mais nessa cidade? Bom, tem vida inteligente, e agora chegamos na parte dos ampéres mas, antes digamos que a atividade agrícola é uma trombada de várias coisas por vários pequenos produtores. Cquote1.png E o ampére, desgraçado?! Cquote2.png Calma. Unidade de corrente elétrica que é ampére não tem muito a ver, também nada tem a ver com o sobrenome francês pois não tem nenhum francês por lá nem na curta história da cidade. Nessa cidade, o último censo acusou déficit da população graças o grande volume de barnabés bêbados que se matam ultrapassando o limite de velocidade e de quantidade de pessoas dentro de um veículo como 30 palhaços entram em um mini-cooper, pedófilos que matam a pedradas jovens concubinas, aids causada pelo grande índice de estupros, cólera, gripe espanhola, e assassinatos que ocorrem nos poucos eventos festivos no interior.

O rio Ampére que da nome ao município como nome porque o que se media aí é um tipo de minhoca, que vive no mesmo rio, sua reprodução é estimulada pelo número de cadáveres e camisinhas no leito do rio. As minhocas são sinônimo de solo saudável, mas acharam melhor não batizar com um novo nome, tanto a prática quanto o lugar para não chamar a atenção porque... foram aí detectadas minhocas estranhas e desconhecidas no meio científico.
Imagem inédita de algumas das minhocas verdes que morreram no granizo.
As minhocas detectadas não tinham mutação genética provocada ou coisas assim, elas eram verdes e com bolhinhas diferentes ao longo do corpo, depois de alguns estudos foi determinado que eram alienígenas. Pois nem pare de ler, mané! Acreditaram então na palavra de um senhor com cara de Mestre Kame (e não menos tarado afinal ficou com o pênis enroscado no aparelho de uma garota no prostíbulo motel da cidade) que havia recebido a visita de um ser no estilo eu sou seu amigo e desconfiou quando ele veio com aquelas coisas verdes e gosmentas mas, ao perceber que elas não se reproduziam facilmente, não se acasalavam (???) com as minhocas nativas e morriam facinho no clima terrestre, nem ligou mais, e ainda pegou algumas para comer.Há rumores também que ao morar nessa cidade, você só consegue pensar em quantos ampères são o suficiente pra te matar, pois um suicídio elétrico é melhor do que passar o resto da vida nesse feudo.

Veinho corajoso, ou burro sei lá mas, foi assim que descobriram que a torre usada por aviões que alguns moradores chamavam de antena, ficou com a radiação do eu sou seu amigo e ela quem tinha a capacidade de detectar minhocas a kilômetros de distância, tudo podendo ter haver com as tais verdonas estranhas, mas ninguém além do anfitrião do extraterrestre tinha coragem de comer aquilo. Bom, não tenho mais nenhuma minhoca para informar mais nada sobre a origem do nome de Ampére.

Mais atividades

Ampére também tem aquela coisa que se espalhou como praga em todo meu Paranã que é o artesanato, em geral entre uma ou outra coisa útil, é aquele monte de bugiganguinhas para entulhar a casa. Depois dessa descrição majestosa, que ninguém fale mal do artesanato do meu Paranã que leva no beiço.

Entretenimento

Pela população fudida de baixa renda, sobra os bailões do interior (Linha São Paulo, Sta. Paulina, XV, XVI, Colina Verde e é claro PinhAnal do S. Bento), risca-faca onde se paga pra entrar e se reza pra sair com todos os membros. Para os jovens alcólatras e maconheiros pobres, restam os bares, a praça, as escadas, valetas, cemitério, AA, e vagabundear pelo mercado de diplomas faculdade local ou qualquer outro lugar 'moquiado' onde não seja acordado no dia seguinte com um balde de água na cara pelo conselho tutelar e procurar pela tão sonhada carga de 78kg de maconha que caíra no rio Ampére enquanto uma mula fugia da PM. Para a burguesia hipócrita (tanto velha quanto juvenil), há os restaurantes que monopolizam o comércio de comida e subornam a vigilância sanitária, para não descobrirem o índice de salitre na comida, e os clubes onde são realizados os bacanais, bailes e orgias GLS pela nobreza.

Títulos

A 'cidade' também se destaca por ter títulos no Guinness Book como o feudo com maior número de fofoqueiros e corruptos por metro quadrado, e por ser uma das poucas cidades que ainda possui a "Política de Cabresto" com candidatos conspirando contra a população e cortando a própria boca para virar a "eleição". Mas isso já é outra história.

A agricultura como já dito (e nem vão as minhocas mais no meio que já tem sua sessão), são pequenos produtores de alimentos variados, ou seja, a perfeição, se não entendeu o contexto e acha que eu falei bobagem vá pra outro lugar qualquer fora do Paranã. A parte de turismo de ampére, falando nisso, não é porra nenhuma porém a parte industrial é importante e, agora nem estou mais com saco para os detalhes, se quiser vá fazer um avisita à cidade e passe na casa do Kame mas, só a casa que o veinho foi abduzido pra sempre já morreu.