Anastasia Romanov

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
St Basils Cathedral-500px.jpg РУССКАЯ ВОДКА

Estin artigovski é russki!

Ele não sente frio.

Smirnoff.gif


Para outras Anastásias, ver Anastásia

Sua Alteza Imperial Soberana das Mil Terras Sorridentes e Coloridas da Rússia, A Grã-Duquesa Anastásia Romanov ou Великая Княжна Анастасия Николаевна Романова (Velikaya Knyaginya Anastásia Nikolaevna Romanova depois da transliteração) para os íntimos, foi a última princesa filha do último czar, Nicolau II e sua esposa, a czarina Alexandra, que por serem tão incompetentes acabaram perdendo todo o poder que tinham e matando a si mesmos.

Anastásia nos seus primeiros dias de vida já com cara de esnobe

Infância[editar]

Anastásia nasceu em 18 de Junho de 1901, sendo a décima-terceira filha dos czares. Como eles já estavam de saco cheio de ter filhas mulheres propuseram à Dercy Gonçalves que ficasse com a pirralha, mas como ela falou que só aceitava a criança se tivesse uma grande recompensa, eles tiveram que ficar com mais uma menina inútil para a linha de sucessão, junto com suas irmãs com nome de vodka.

As irmãs Orloff, Natasha, Smirnoff e Anastásia.

A medida que foi crescendo, Anastásia foi ficando cada vez mais má e mimada mas os seus pais trouxas diziam que ela tinha que ser uma garota humilde e bondosa, mesmo ela sendo filha do cara mais rico e poderoso do planeta (e também o mais burro e bigodudo). Uma prova da doçura de Anastásia foi quando jogou uma pedra na cara de sua amada irmã Komaroff, porque esta se recusou a dar-lhe uma bala. Em 1904, depois de muita reza e simpatia, nasceu mais um membro da família Nicolau (só que dessa vez homem), chamado Alexei, que por ser o tão esperado varão era o novo queridinho da América Rússia enquanto suas irmãs não passavam de inúteis que nada tinham a oferecer ao povo russo.[1] Porém, como tudo saído de dentro da estúpida czarina, o príncipe tinha uma doença séria chamada hemofilia, que fazia que cada vez que ele ficasse excitado seu pênis sangrasse. Como o bebê parecia se excitar só por respirar, Alexandra e Nicolau temiam que seu filho nunca subisse ao trono e a dinastia Romanov se acabasse (como eles adivinharam que isso ia acontecer?) Para curar Alexei, a imperatriz contratou um amante curandeiro chamado Rasputin, que pareceia ser sagrado já que conseguia parar as hemorragias do menino. Até hoje ninguem sabe como ele conseguia, mais há teorias de que seu kilometrico pênis tinha poderes mágicos que foram os responsáveis pela salvação de Alexei (e da czarina Alexandra também, que foi curada de sua conhecida frigidez).

  1. Isso porque, por serem descendentes do czar, que por sua vez era representante de Deus, as mini-czarinas não possuíam bocetas.

Morte[editar]

Depois de seus pais fuderem geral com a Rússia e deixaram todo mundo morrendo de fome enquanto cagavam em privadas de ouro, o povão resolveu se revoltar e invadir o grande palácio. A família imperial foi presa quinhentas vezes e pediu ajudas a parentes de casas reais na europa, mas estes eram tão invejosos do poder abundante e das filhas gostosas que tinham que resolveram deixar que seus amados parentes se fudessem.

Em 1918, depois de meses e meses sendo estruprada, Anastásia foi assassinada junto com sua família por um cara de bigodinho chamado Yakov Yurovski, que resolveu matar todo mundo porque Anastásia tinha se recusado a dar pra ele.

Falsos Rumores de Sobrevivência[editar]

Anna Anderson e Anastásia eram idênticas!

Depois do grande massacre, muitas doentes mentais mulheres clamaram ser a última Grã-Duquesa pra conseguirem tirar a Rússia dos caras de bigodinho e conseguirem a imensa fortuna dos Romanov. A mais louca famosa foi Anna Anderson, uma escrava trabalhadora polonesa que como todas as outras, queria viver no mais puro luxo. Muitos trouxas da família de Anastásia acreditaram que aquela mulher era a herdeira do trono, e até o fim de seus dias mantiveram essa crença (isso apenas mostra como essa família conhecia a sua querida Anastásia!).

Em 2007, um grupo de drogados arqueólogos encontraram dois corpos que pareciam ser dos filhos mais novos do czar da Rússia. Resultado? Eram, mas como os russos são burros, botaram o nome de Maria no túmulo em vez de Anastásia, e para acobertar o erro diziam que Anastásia já havia sido encontrada em 1991 (mesmo que ela era quase uma anã e o corpo que meteram como sendo dela tinha quase 20 cm a mais que ela).

Até hoje, há muitos idiotas interessados na fascinante história da última princesa russa e de sua família, a mais corrupta podereosa dinastia real que já houve.