Aragoiânia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Aragoiânia é um município de Guiáz um bairro de Goiânia que mais parece uma roça, acabou desmembrado em 1958 tornando-se apenas mais um dos dormitórios da capital de Goiás, especializado em fornecer burros de carga mão-de-obra desqualificada pra parte rica da capital. Ganhou autonomia municipal em 1958 quando Goiânia foi cercada com arame farpado e a então Aragoiânia ficou do lado de fora da porteira.

História[editar]

Dizem ser a praça de Aragoiânia, mas claramente é só algo cenográfico feito em estúdio. Cadê as pessoas?

Tudo começou quando em 1940 alguns árabes se perderam no caminho de Meca e acabaram chegando por ali. Fundaram uma feirinha com a melhor muamba da periferia de Goiânia, com tudo do bom e melhor que fora roubado ou furtado dos casarões da capital goiana. Essa prática perdura até hoje, e é até um orgulho cultural de Aragoiânia. Em 1946 fundaram a tal da Mesquita de Santa Luzia e meia-dúzia de casas. Assim surgia uma das mais tradicionais, desgraçadas e pobres periferias de Aragoiânia.

Somente em 1958, após um jogo de truco apostado (e, naturalmente, roubado), Aragoiânia foi elevada a status de município. Embora, no final das contas, os goianienses que acabaram até satisfeitos por se desfazerem desse buraco que só servia pra comer verbas de segurança pública.

A cidade já teve inúmeros nomes diferentes, durante muito tempo a população local lutou para conseguir o nome mais tosco e idiota possível para a sua cidade. No início, devido a grande quantidade de jumentos (pessoas) e gado, frequentemente os caipiras pisavam na bosta de vaca, e seguindo essa tradição, chamaram a cidade de Malhadouro. Posteriormente, decidiram mudar o nome da cidade para Rosália, para homenagear a esposa do prefeito que dava para todo mundo da cidade. A cidade também chegou a ser chamada de Biscoito Duro porque era a péssima e única refeição servida nos barzinhos da cidade para os viajantes que se aventuravam na perigosa e traiçoeira viagem de Goiânia a Rio Verde.

Mas, seguindo a mundialmente famosa tendência de goiano conseguir a incrível façanha de bolar um péssimo nome para sua cidade, um caipira semi-analfabeto propôs a mudança do nome da cidade para então Aragoiânia, pois a cidade fica no meio do caminho entre Goiânia e o Rio Araguaia. O curioso é que ninguém de Goiânia vai para esse rio, e vice-e-versa. Com esse nome, Areagoiânia orgulhosamente ganhou o concurso goiano de Nome de cidade mais imbecil que um goiano possa inventar.

Geografia[editar]

Aragoiânia está espremida entre Guapó, Abadia, Aparecida, Goiânia e Hidrolândia. A área do município é tão pequena, que a área do município de Guapó quase está dentro da cidade. Para ir a Aragoiânia é preciso passar pelo Madre Germana, o lugar mais perigoso do Planeta. Por isso, fizeram um viaduto para que os moradores pudessem passar com menos perigo.

População[editar]

Durante o dia, a população de Aragoiânia é formada por velhos desocupados, desempregados e cachaceiros. Durante a noite, a mal-de-obra desqualificada que trabalha em Goiânia aumenta a população. Lá ninguém usa os nomes próprios, só apelidos: Mexerica, Cabrito, Toba, Tomate, Coró, Maizena, Sabonete. É a cidade que tem a maior creche do Planeta, pois a creche é inclusiva e fica nas próprias ruas e praças da cidade. As mulheres são muito feias, o que explica a existência dos vários salões de beleza da cidade. Na verdade, deveriam-se chamar de Salão do Retoque, pois apenas estica o cabelo das gordinhas que acham que um cabelo esticado faz milagres. Os homens são feios, uns muitos gordos e outros muito magros que quase não são vistos. Geralmente são cornos e adoram jogo de truco onde apostam o topa.

Política[editar]

A cidade não tem administração pública. Lá é tão ruim que nem o prefeito mora na cidade. A única coisa pública que tem em Aragoiânia é a vida dos outros. Todo mundo sabe a vida de todo mundo.

Economia[editar]

A economia da cidade é baseada num Lixão que recebe o lixo produzido na região metropolitana, mas não recebe os lixos produzidos pela própria cidade. Os lixos da cidade ficam na beira da rodovia e servem de alimentos para os urubus. A moeda principal da cidade é o Fiado. Basta você ir a qualquer lugar, sem dinheiro ou cartão, e falar a palavra mágica: Fiado!

A escassa economia local é baseada no que o povo vai parasitar em Goiânia durante o dia. Também há algumas filiais do Habibs e outras coisas típicas de pobres, como bares fuleiros e motéis a céu aberto que cobram 15 reais a meia-horinha

É conhecida como a cidade do biscoito-duro, pois os comerciantes locais, já sabendo que jamais veriam a cidade prosperar, decidiram pelo menos tentar tornar a cidade famosa pelo o que tem, por mais ridículo que fosse, e assim Aragoiânia virou a capital mundial do biscoito duro.

Cultura[editar]

Em Aragoiânia não tem cultura, apenas cú-nas-alturas. Antigamente tinha o ranchão de palha, em que os homens saiam para encontrar as putas, mas nem precisava sair, pois elas estão por toda a cidade. As pessoas mais famosas e conhecidas de Aragoiânia são os doidos: Zé Oi, Muié do Botinha, Dama da Noite, Maria Jurit, Dió, Vanizona. O passatempo preferido dos habitantes da cidade é ficar na porta de casa falando mal dos outros ou ir para a casa dos outros para falar mal dos outros. O povo é tão fuxiqueiro que quando morre alguém sai alguém anunciado que o morto morreu, como se os outros quisessem saber.