Araripina

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Araripina
"Capital do Gesso (grandes merdas)"
Bandeira de Araripina.png
Bandeira
Aniversário 11 de setembro
Fundação 11 de setembro de 1928
Gentílico araripinense
Lema
Prefeito(a) Não disponível
Localização
Localização de Araripina
Estado link={{{3}}} Pernambuco
Mesorregião Desertão Pernambucano
Microrregião Aspirina
Municípios limítrofes Araripe, Salitre, Ouricuri, Ipubi, Trindade, Marcolândia, Caldeirão Grande do Piauí
Distância até a capital 10 Km de Petrolina quilômetros
Características geográficas
Área 1.847 km²
População 82.520 hab. est. 2007
Idioma Não disponível
Densidade 39,98 hab./km²
Altitude 622m metros
Clima infernal, mas em julho venta Cfa
Fuso horário UTC -3
Indicadores
IDH 0,698 (em alguns lugares, chega a 0,08... Em outros, chega a -5) PNUD/2000
PIB R$ Não se sabe, mas estima-se que 110% está nas mãos do de-bitch-do (dePUTAdo, sacou? haha) IBGE/2002
PIB per capita R$

Cquote1.png Venha para Araripina porque: É Rapariga, É Cabaré, É Bagaçêra, Muita Mulher Cquote2.png
Slogan da cidade
Cquote1.png Tem certeza que aquilo é uma pomba? Cquote2.png
Caminhoneiro sobre as atrações turísticas
Cquote1.png Seus bestas, vocês ainda vão votar em mim. É só fazer um São João e um Carnaval mais ou menos. Cquote2.png
Prefeito sobre seus eleitores jegues
Cquote1.png Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! Cquote2.png
Tiazinha sobre levar um tiro na testa
Cquote1.png Araripina? Prefiro assistir o filme do Pelé! Cquote2.png
Chaves sobre morar em Araripina
Cquote1.png Porque no te callás!! Cquote2.png
Presidente da Espanha sobre prefeito de Araripina
Cquote1.png Na União Soviética, o prefeito se candidata a VOCÊ!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Araripina
Cquote1.png É uma cilada, Bino! Cquote2.png
Pedro sobre Araripina
Cquote1.png Houston, we have a problem! Cquote2.png
Astronauta sobre Araripina
Cquote1.png Onde fica? Cquote2.png
Qualquer um sobre Araripina
Cquote1.png Esse é o maior São João do Brasil!! Dá um close nessa sandália que esqueceram no chão! Cquote2.png
Reporter sobre tanta coisa que tem para dizer sobre Araripina
Cquote1.png Perdi as minhas botas lá... (As meias perdi em Ouricuri) Cquote2.png
Judas Iscariotes sobre Araripina
Cquote1.png Uma cidade onde a galerinha apronta altas confusões que até Deus duvida!! Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Ararpina
Cquote1.png در هر ماه و اهدای نشان مشارک Cquote2.png
Osama Bin Laden sobre Araripina

Araripina é um município brasileiro do estado de Pernambuco. Localiza-se a uma latitude 7º34'34" sul e a uma longitude 40º29'54" oeste, ou mais precisamente no final de Pernambuco, não havendo mais nada depois dele.

História[editar]

Araripina constituía um distrito de Ouricuri e tinha a denominação de São Gonçalo, mas foi emancipada para se tornar a "vadia do sertão" (as vezes amenizado para "princesa do sertão"), um título que muito orgulha os dignos cidadãos desse bravio principado. O distrito de São Gonçalo foi criado pela Lei Municipal de 1 de julho de 1893, contando na época com 8 ou 10 casas e a capelinha de Nossa Senhora da Conceição, primeira e única padroeira do lugar.

A emancipação política veio somente em 1928, quando as bordas do meio do nada precisavam ser definidas e um pedaço e inútil passou a ser considerado um município próprio, ainda com o nome de São Gonçalo. O nome foi modificado só em 1943 para não confundir com a cidade do Rio de Janeiro, que pelo menos é acessível. O nome "Araripina" significa no dialeto indígena local "arara no pino".

Geografia[editar]

Um dia normal em Araripina após uma chuvinha.

Araripina se insere totalmente na bacia hidrográfica do rio Brígida (que também é nome de um mercantil desse lugar maravilhoso). O Brígida se mantém aceitavelmente limpo apenas porque o famoso riacho de São Pedro que também corta a cidade é que foi canalizado para virar esgoto. Durante as chuvas o terreno de toda a cidade é invadida pelas suas límpidas, incolores, insípidas e inodoras águas, tornando possível a tradicional e sagrada cerimônia do "Lava-pés e salvem-os-móveis".

O solo é composto de gesso, areia, terra, gesso, gesso e gesso.

A vegetação de Araripina é um ecótono dos biomas cerrado e caatinga, caracterizando-a como uma zona peculiar. Embora isso exista só nos livros, porque na prática tal vegetação nem existe mais... As fábricas de gesso já queimaram tudo nos fornos, mesmo... Sobraram as belas e aprazíveis "algarobas" (ou "pés-de-pau" como são carinhosamente chamados por esse pitoresco povo)...

Clima[editar]

O município apresenta quatro estações únicas: verão, seca, mormaço e quente.

Economia[editar]

Caminhões extraindo nos morros de Araripina.

Araripina tem sua economia totalmente baseada na produção de gessom e acham isso tão grandes coisas que até colocaram o apelido de Capital do Gesso nessa corrutela. Por autoproclamar-se "terra do gesso", o araripinense médio acha que isso já basta para encher a barriga da família de comida, o orgulho de um povo e a libertação do espírito do homem.

É uma das cidades que mais geram emprego, pois como simplesmente não existem cestos de lixo na cidade dobrou a procura pela vaga de gari na Prefeitura Municipal (que ocupa cinco quarteirões e é composta por funcionários cultos e prestativos). Aliás, não há necessidade dessa enfadonha tarefa chamada "reciclar lixo", os aterros são fonte de subsistência para milhares de famílias abnegadas e sem apego a bens materiais.

Política[editar]

Um ponto forte da cidade e que lhe confere um charme ímpar é a sua prefeitura, que sempre solta um grande foguetório imbecil que é protagonizado por políticos toda vez que conseguem calçar impressionantes 30 metros de rua lamacenta, asfalto este que derrete na primeira chuva.

População[editar]

Com 82.000 habitantes, mesmo localizado no meio do nada onde não existe porra nenhuma, é uma das maiores cidades de Pernambuco. Compõe-se principalmente por imigrantes paraibanos, cearenses, paulistas, paranaenses, gaúchos, cariocas, indianos e alguns seres pré-historicos, todos que por não terem conseguido nada em seus buracos de origem (incompetência, burrice, ganância, entre outros) vieram tentar a sorte em uma região pouco explorada.

As barangas mulheres no geral usam roupas curtas, geralmente mostrando a barriga para atrair o macho e cintos na barriga, que costumam chamar de saia. Nas regiões mais afastadas podem confundir-se com bolivianas pois usam os cabelos pintados de amarelo e brincos gigantes do estilo "lustre", sem falar nas pernas machucadas com cicatrizes de picadas de insetos. No centro da cidade as fêmeas também costumam pintar o cabelo de amarelo e costumam fugir da água (estudos indicam que a água possui efeito avassalador sobre a aparência e principalmente o penteado delas - é normal que não tomem muito banho por conta disso, formando uma agradável mistura de suor e poeira pelo corpo). Se você prestar bastante atenção quando for a qualquer lugar na cidade só verá gente feia. Nunca se viu uma mulher bonita nessa cidade.

Os homens das regiões mais afastadas usam bonés (TomBoy) preferencialmente branco, bigode de cobrador, bermudas de plástico e andam em bicicletas de aro circular. Os machos da região central andam em carros ou motos e usam uma mistura indígena para manter o cabelo em pé, assim como também usam outras coisas para manter outras coisas em pé, já que injetam na veia remédio de cavalo para parecer mais forte, e entre os efeitos colaterais desta droga injetável está a impotência sexual, o hábito de frequentar academia, de comprar camisas coladas e a voz fina. Os homens, além disso, costumam enfeitar os próprios carros para impressionar outros homens e poder levá-los pra cama, já que as mulheres não estão nem aí pra essas merdas todas de aro, roda, mola e neon.

Educação[editar]

Araripina é o único lugar do mundo onde professores com Mal de Alzheimer e idade superior a 127 anos dão aulas, a FAFOPA (não confundir com farofa) é um exemplo disso, pois nunca aposentou um professor, mesmo os falecidos, tanto que até algumas professoras já esqueceram até o lugar de fazer as necessidades fisiológicas e acabam fazendo nas calças e se alimentando com raspa de parede, triste mais é a educação de Arapina.

É a cidade nordestina que melhor paga seus professores. Professores decentes babões chegam a ganhar até entre 12 e 15 mil reais de salário para ir para carreatas de vermelho, invadir emissoras de rádio para mentir, coçar o saco, dar aula.

A parca educação oferecida em todo município resulta neste fato notório de que muitos cidadãos são conhecidos por sua hospitalidade, pois como não há o que mostrar na cidade os cidadãos se transformam logo em estúpidos, mal-educados e sovaquentos. Portanto, se pedir algo para alguém usando "por gentileza, você poderia..." o cidadão de Araripina além de não lhe responder vai sair correndo a passos largos amedrontado por não ser acostumado a boa educação.

Quanto à universidades, a população nem sabe o que porra é "Oxford", e isso se deve à falta de bibliotecas na cidade, pois quando pensam em criar uma ela logo se tornam criatórios eruditos de traças.

Saúde[editar]

As pessoas de Araripina são as mais saudáveis do mundo pois não adoecem durante a noite que é o horário de fechamento das farmácias e postos de saúde da cidade ficando assim, proibido o achaque noturno. Ficar doente nesta cidade é um grande problema, pois se você tiver algum acidente, por exemplo, provavelmente irá morrer enquanto espera eternamente por um médico em qualquer hospital que seja, uma vez que o hospital mais próximo com UTI ou atendimento de urgência fica pertinho, algo em torno de 130 km de distância, ou seja, o futuro é a morte.

Outra prova que o araripinense tem saúde de ferro é não existe linha de ônibus na cidade, algo proposital, pois a prefeitura não quer ter tratar uma população de obesos com problemas coronários, forçando a todos para sempre estarem caminhando ou pedalando em bicicletas, mal alimentados e sem McDonalds, não havendo obesos.

Transportes[editar]

Os moto-taxistas em sua esmagadora maioria são educados, prestativos e respeitosos das regras mínimas de cidadania e de trânsito bem como os motoristas em geral (mas só os educados em Oxford). Porém, não sabem diferenciar direita e esquerda, ou sempre olham as coisas através de um espelho, ou seja, se lhe disserem que algo fica a direita, jogue uma moeda e se der cara vire a esquerda e se der coroa vire a direita. Ao se deparar com um semáforo, tenha muito cuidado, pois em Araripina as três cores tem um significado diferente do habitual: verde: espera um pouco que vai passar uns carros e umas motos com tudo; amarelo: arranca que ainda dá pra passar; e vermelho: que é isso?, momento de passar como se estivesse verde mesmo...

Outra peculiaridade que torna essa simpática cidade em mina de progresso é o fato de não existirem calçadas para pedestres. As calçadas foram tomadas por mesas de aconchegantes e doces botecos enfumaçados, o que obriga o pedestre e motorista a confraternizarem-se no meio da rua junto a pivetes e vaqueiros em cima de pangarés.

Ruas de Araripina, que aliás, onde se é possível cultivar uma horta devido a grande concentração de terra presente nas mesmas e adubo deixado pelos pangarés.

Os postos de gasolina são flex: 40% gasolina e 60% H2O.

Comunicações[editar]

O serviço mais avançado em Araripina é a internet! Geralmente cai nos finais de semana, deixando a população à beira de um ataque de nervos, voltando-se então ao vício pitoresco de fazer-se presentes nos mais diversos bares da cidade. O abastecimento de energia funciona assim: choveu, apagou.

Araripina é sede de um conglomerado de comunicação com o sugestivo e pomposo nome TV Araripe que conta com: cidade cenográfica, setor de efeito visuais, aparato de cobertura externa, broadcasting simultâneo via internet, núcleo de teledramaturgia, closed captions, abrangência em todo território nacional (desde que esse vá de Nascente à Trindade), telejornal e link com outros países. O chato é que a única coisa a se transmitir é o vexatório público dançando no pé do palco, todos com as respectivas caveiras completamente chapadas, nas festas de São João.

Existe também um jornaleco muito utilizado nas escolas na disciplina "Vai escrever errado assim na p*ta que o pariu !!". Quando há excedente na tiragem esse jornal de qualidade duvidosíssima é utilizado como papel higiênico pela população (e depois dizem que esse povo ecologicamente correto não recicla).

Cultura[editar]

Na entrada da cidade localiza-se o monumento conhecido por ser um dos mais ridículos do mundo. O único Cristo Redentor chapado do mundo. Sempre atrai muito a atenção

Conhecida por ser berço de bandas que fazem músicas que elevam o espírito humano e 'honram' o intelecto através de poesias e refinado aparato de letras e melodias, sendo os principais exemplos as canções "Moleca 100 Vergonha" e "Mala 100 Alça", que lindos nomes, sempre cantando sobre bebedeira, chifre rolando solto e quejandos. Uma baixaria de envergonhar a Dercy Gonçalves mas que por uma estranha razão é o orgulho da peãozada dessa bizarra localidade. Tais grupos "artísticos" são mantidos, claro, pela Prefeitura Municipal e devem se apoiar na Lei Rouanett...

Não existem bibliotecas, cinemas, shoppings, hospitais com UTI, centros de lazer, salões de beleza, casas de espetáculo, bancos 24 horas, galerias, creches, jardins, lojas de conveniência, clínicas médicas de ponta, pinacotecas, parques, bazares, rádios comunitárias, danceterias, zoológicos, centros de pesquisa, museus, clubes recreativos, casas de cultura ou teatro... o que faz de Araripina uma das vilas mais atrasadas e inóspitas do universo. Curiosamente os filhos dessa terra acham isso normal.

Os alunos das escolas araripinenses também sabem que são o futuro da nação e cuidam de emporcalhar, digo, enfeitar as praças colocando seus respectivos nomes nos bancos utilizando corretivo branco, proporcionando, assim, um mosaico artístico inigualável, comparável, no mundo, apenas ao Parque Güell, de Antonio Gaudí.

O ponto culminante da cultura araripinense é o "Ararifolia" onde as pessoas se liberam (dançando "não se reprima, não se reprima") cheirando inocentes e saudáveis agentes tóxicos e deixando os logradouros com uma esfuziante fragrância daquela substância orgânica expelida pelos rins, popularmente conhecida como mijo. A cidade então fica famosa por oferecer o pior e mais caro São João do mundo, gastando sempre mais de 7 milhões pra nada!

Religião[editar]

Em Araripina é sempre uma nova igreja para os trouxas fiéis a cada esquina.

Lazer[editar]

O cidadão desse glorioso burgo é um dos mais ativos do Brasil. Não consegue descansar nem nos finais de semana quando seus ouvidos são invadidos sem cerimônias por: carros anunciando que o "Araripina da sorte vai mudar a sua vida", crentes das mais ramificadas correntes religiosas tocando ininterruptamente sua campainha para "mudar sua vida", cretinos bebendo nos bares da cidade com o carro que papai comprou, motos com o cano de escape modificado arrancando pelas avenidas, uma feira escandalosa parecida em muitos aspectos com Sodoma e Gomorra, vizinhos ouvindo Aviões do Forró e cantado como querubins celestiais essas inocentes melodias sobre chifre, puta e cabaré.