Ariel (satélite)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Ariel é um dos cinco satélites principais de Urano, reconhecido por sua população dominante de sereias.

Descoberta[editar]

Espectro de Ariel visto pela Voyager 2.

Ariel foi descoberto em 24 de outubro de 1851 por William Lassell, astrônomo reconhecido e renomado por seu interesse em Urano e pela completa falta do que fazer da vida. Ariel foi descoberto ao mesmo tempo que Umbriel, e por isso os dois possuem muitos dados semelhantes, já que era chato ter que inventar diâmetro, massa, composição e tudo mais para dois satélites sem importância.

Nomenclatura[editar]

O motivo do nome "Ariel" é bem elementar, uma vez que se ficou combinado de usar nomes de personagens dos contos subversivos de Alexander Pope da Walt Disney. John Herschel que sempre teve um lado florido reprimido, era do tipo que usava o batom e os sutiãs da mãe escondido, não teve dúvidas em 1852 em colocar no satélite o nome da protagonista de sua obra predileta A Pequena Sereia. A personagem trata-se de uma sífilis sílfides, também conhecidas como sereias.

Características[editar]

Ariel, lembra muito uma bolha de sabão devido a grande concentração de sabão em pó em sua atmosfera.

Ariel é repleta de características marcantes. A sua superfície é recoberta por vastas montanhas de roupa suja, o seu manto é composto por vários broches do Sebastião[1] fundidos e a composição de seu núcleo ainda é desconhecida.

O satélite é coberto por um oceano global de sabão em pó Ariel, onde é possível encontrar as formas alienígenas que lá vivem, como o atum verde e as sereias.

A sua atmosfera, embora tênue, de acordo com as informações da Voyager 2 é formada por trilhões de bolhas de sabão.

Há muito tempo atrás Ariel abrigou uma raça de sereias, mas que devidos a problemas climáticos quase todas se viram forçadas a se mudarem para a Terra onde decidiram matar seu povo utilizando suas canções hipnóticas. Os terráqueos contra-atacaram e inventaram os iPod e impediram a extinção de sua raça, pois agora todos estavam sendo controlados pela mídia escutando coisas como RBD e Tokyo Hotel a mais de 80 decibéis, deixando de escutar qualquer tom do melodioso canto das sereias, que se viram obrigadas a retornarem para Ariel.

Com a invasão dos Klingons as outrora abundantes sereias de Ariel foram quase completamente extintas, não tendo sobrado nenhuma para ter sido fotografada pela Voyager 2 quando passou por lá em 1986.

Nota[editar]

  1. Sebastião é aquela lagosta vermelha do desenho A Perquena Sereia