Arquivologia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Arqueologia Cquote2.png
Google sobre Arquivologia
Cquote1.png Experimente também: Biblioteconomia Cquote2.png
Sugestão do Google para Arquivologia
Cquote1.png Arqui o quê? Isso existe? Cquote2.png
Tua mãe sobre o curso sem noção que você escolheu pra fazer no vestibular
Cquote1.png Eu adoro Arquivo X, minha série favorita! Cquote2.png
Loira sobre Arquivologia

Arquivologia é uma disciplina inventada sabe-se lá para que e compõe o baixo-clero da Ciência da Informação. O curso de arquivologia é encontrado nas universidades com a mesma frequência em que se encontra um Mico Azul. O curso forma profissionais de fácil inserção no mercado de trabalho, como pipoqueiros, vendedor de sapatos, ou jogadores do Corinthians.

Objetivo e Objeto

Arquivistas no exercício da profissão.

A arquivologia foi criada no intuito de aumentar o ego que andava em baixa dos biblioteconômicos. Com o surgimento do curso de Arquivologia, a Biblioteconomia deixou de ser o curso mais inútil das universidades, para vir a se tornar o segundo curso mais inútil das universidades.

Ao contrário dos profissionais em biblioteconomia que lidam apenas com poeira e traças, o profissional da arquivologia precisa também ser especialista em biologia, pois lidam com ratos, baratas, aranhas, fungos e um ecossistema que a disciplina define como arquivo orgânico. Também tornam-se peritos em alergias.

O grande objetivo da arquivologia é arrumar documentos em ordem alfabética e cronológica até julgá-los inúteis e queimá-los. O grande objeto da arquivologia são papeis deteriorados.

Perfil do Arquivista

Todo arquivista é meio vagabundo e pobre. Decidiu escolher pelo curso de arquivologia por não possuir capacidade intelectual para passar em algo mais decente no vestibular e nem dinheiro suficiente para pagar uma faculdade particular.

O arquivista é um profissional deprimido, seu único grande conhecimento é saber a ordem alfabética decorada, montar caixas de arquivo e remover grampos de papéis. Exceto quando se trata de historiadores, frustrados com o seu curso de história, que decidiram invadir os cursos de arquivologia onde se acham (e são) melhores do que os meros arquivistas pelo simples fato de saberem o significado de mais palavras.

O historiador no arquivo só faz merda, guarda tudo, acha que entende mais de Arquivologia do que o arquivista e na maioria das vezes sabe mesmo, mas não deixa de fazer merda. A área de arquivologia no Brasil tem tonelada de historiadores, quando não os bobotecários, porque arquivista mesmo você só vê os estagiários fudidos.

Ninguém que possua o mínimo de orgulho próprio respeita um arquivista. As empresas em geral temem contratar um arquivista, geralmente por que sua capacidade intelectual é sempre inferior a qualquer outra pessoa que se situe em seu lugar (historiador, bibliotecário, contador, administrador, alguém da informática).

Os poucos arquivistas que conseguem a profissão estão fadados a trabalhar em esgotos, garagens, becos e locais isolados dos setores de trabalho, locais esses denominados de arquivo, ou mesmo de lixão.

CONARQ e Arquivo Nacional

O CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos) é a autarquia de maior inutilidade que o governo brasileiro se propõe a sustentar, essa instituição declara como as entidades do Brasil devem guardar seus arquivos, ou seja, regrinhas bestas e básicas. Todo arquivista odeia o imperialismo do CONARQ que impõe as suas regras de biblioteconomia nos arquivos públicos do Brasil.

O Arquivo Nacional, vinculado ao CONARQ é o maior acumulador de lixo do Brasil, chamar o Arquivo Nacional de aterro sanitário é um elogio.

Terminologia Arquivística

Exemplo de ordenação documental.

A arquivologia, na tentativa de parecer importante, define vários termos especificos da área:

  • Arquivo - Denominado também as vezes de Massa Documental Acumulada. A arquivologia considera arquivo todo e qualquer acumulo caótico de documentos assinados, que esteja em estado de deteorização e que ninguém vai tocar pelos próximos 50 anos.
  • Documento - Todo e qualquer objeto – vivo ou não – que esteja em um arquivo, como por exemplo, manuais de equipamentos obsoletos, canhotos de cartão de crédito, folhas de fax apagadas, lingua de sogra, traças, cachorrinhos do mato, etc.
  • Classificação - Sempre que um documento é criado, ele é carimbado com um número, para assim que for guardado em um arquivo, nunca mais possa ser encontrado.
  • Avaliação - Atividade arquivística que diz quando o documento deve ser jogado fora, ou então guardado para sempre. É lógico que uma atividade delicada como essa, sempre dá em merda, e você nunca encontra um trabalho decente de avaliação documental.
  • Ordenação - Atividade pela qual o profissional arquivístico acomoda papeis às estantes. Muito prezado na biblioteconomia.
  • Conservação - Atividade arquivística onde o profissional lança veneno contra insetos e parasitas no arquivo diariamente para evitar traças.
  • Fundo - Termo criado no século XIX, dotado de uma pseudoerudição, e que significa nada mais nada menos que "Arquivo".
  • Série - Isso aqui é uma complicação, nem os arquivistas sabem direito o que significa "série documental", alguns dizem que é tudo, alguns dizem que são documentos iguais, alguns dizem ser os "filhotes" dos fundos... Não queira entender.

Teorias Arquivísticas

Toda teoria arquivística, de tão óbvia, é sempre inacreditável que se precise estudar no Ensino Superior.

Teoria do Princípio da Proveniência

A Teoria do Princípio da Proveniência é a base norteante para o exercício da arquivologia. Essa teoria proposta por cheiradores de gatinhos holandeses, diz o óbvio ululante. Todo documento é de responsabilidade de quem o criou/demandou/proviu, coisa que qualquer imbecil que decidiu criar um documento sabe (ou não).

Teoria das Três Idades

A Teoria das Três Idades estabelece três idades aos documentos:

  • Fase Corrente - Primeira Idade. É quando o documento ainda está com cheiro de novo. Nesta fase ele é assinado por um monte de gente. O trâmite do documento é intenso (é quando é possível encontrar impressões digitais).
  • Fase Intermediária - Segunda Idade. O documento é considerado intermediário quando ele já está detonado, amassado e com várias assinaturas. Nesta fase o documento fica na gaveta esquecido por séculos, até alguém se propor a queimá-lo ou mandá-lo para a Fase Permanente.
  • Fase Permanente - Terceira Idade. É nesse setor do arquivo que estão papeis como a carta de Pero Vaz de Caminha.

Autores da área

  • BELLOTTO, Heloísa Liberalli - Uma velha doida com umas ideias conservadoras sobre arquivologia.
  • DURANTI, Luciana - Uma italiana que adora ficar analisando a autenticidade dos documentos.
  • SCHELLENBERG, Theodore Roosevelt - Um americano drogado que inventou a arquivologia.
  • COOOK, Terry - Um canadense idiota que pensa que queimar documento é a solução da disciplina.

Ver também


Minigiz2.pngMinigiz.png Cursos da faculdade Minigiz3.png
zzzZZZzzzzZZZzzzZZZzzzzZZZzzzZZZ
AdministraçãoAgronomiaAnálise e desenvolvimento de sistemasArquiteturaArquivologiaArtes cênicasBiblioteconomiaBiologiaBiomedicinaComércio ExteriorCiências ContábeisCiências SociaisCiência da ComputaçãoDesignDireitoEconomiaEducação FísicaEnfermagemEngenhariaFarmáciaFármacia-bioquímicaFilosofiaFísicaFisioterapiaFonoaudiologiaGastronomiaGeografiaGeologiaGestão da informaçãoHistóriaHotelariaJornalismoLetrasLiteraturaMarketingMatemáticaMateriais, Processos e Componentes EletrônicosMedicinaOdontologiaPedagogiaPsicologiaRede de computadoresQuímicaSistemas de InformaçãoTeologiaTurismoVeterináriaZootecnia