As Aventuras de Jeca Valente

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Trovadores cantando a epopeia de Jeca Valente.

As Aventuras de Jeca Valente é o principal poema épico de Homero, finalizando a trilogia da A Volta do Cão Arrependido iniciada com os livros Ilíada e Odisseia, narra as desventuras em série de um aventureiro sem rumo, sem lenço e sem documento, que vaga pelo deserto do Tehuacán-Cuicatlán tendo como objetivo encontrar a resposta para a vida, o universo e tudo mais que acredita encontrar-se no Mississippi, para onde viaja. Podendo contar apenas com a ajuda de seu fiel cavalo, chamado Pé de Pano, para alcançar seu sonho, o ginete Jeca Valente precisa vencer dificuldades de todas as naturezas, sendo as principais delas as punhaladas traiçoeiras dos bandidos de estrada e o analfabetismo, que pesa principalmente quando nosso herói precisa conferir as horas no relógio da igreja.

Personagens[editar]

Jeca Valente[editar]

Sua idade é desconhecida. Seus pais são desconhecidos. Sua origem é desconhecida. Suas intenções são desconhecidas. Especula-se que Jeca Valente seja a verdadeira identidade de Cente. A única certeza sobre o cujo é que este intrépido aventureiro, que é o protagonista da epopeia mais épicamente épica de todos os tempos, chama-se Jeca Valente (caso o nome do poema não tenha deixado isso claro). Possui resistência sobre-humana, como pode ser observado em uma das estrofes do poema, em que Jeca Valente leva uma peixeirada no coração, arranca o artefato com as próprias mãos e continua em sua jornada, como se nada tivesse acontecido. Jeca Valente também possui uma audição privilegiada, pois consegue ouvir o ladrar do cão arrependido de longe. Porém, o que sobra em resistência e audição, falta em inteligência, pois o nosso heroi não sabe ver as horas no relógio da igreja.

Pé de Pano[editar]

Frequentemente, Jeca é descrito como "um homem com uma aura heroica, aparência misteriosa e fria, desprovido de medo, pronto para desbravar os mais longínquos horizontes.

O cavalo branco de Jeca Valente. Apesar de parecer inútil, idiota, mané, fraco das ideias e esquisito, Pé de Pano é de grande valia na jornada do protagonista, pois o ajuda a atravessar o deserto do Mississipi, e a fugir rapidamente da matilha do cão arrependido. No fim da jornada, quando Jeca Valente finalmente encontra a aldeia dos índios pauaçu, Pé de Pano acaba levando uma punhalada no coração, aplicada pelos bandidos de estrada, e morre de morte matada.

Cão Arrependido[editar]

Um dos principais antagonistas da história. Arrependido de ter traído sua antiga namorada Basset com um Rottweiler, o cão arrependido começa a liderar uma matilha de cães do deserto. Para sobreviver, ele assalta os viajantes que passam em seu território. Possui uma rivalidade com Jeca Valente, pois o aventureiro é a única pessoa que ele não conseguiu assaltar, já que Jeca consegue ouvir o ladrar dos cães de longe, o que lhe dá tempo para se esconder. No fim da jornada, quando Jeca Valente chega na aldeia dos índios pauaçu, o Cão Arrependido entende que sua vida é um paradoxo, arrepende-se mais uma vez de seus atos, e torna-se amigo do protagonista.

Bandido[editar]

O vilão da história. Sem escrúpulos, sem vergonha e sem identidade, o bandido é citado no poema apenas como "aquele que deu uma punhalada no coração de Jeca Valente". Muitos fãs do poema (2 pessoas, contando com este que vos escreve), afirmam que o bandido é o vilão mais marcante da história da literatura, não apenas pelo seu nível de maldade, mas também pela sua periculosidade. Além disso, o autor do poema inova, não atribuindo um nome ou uma aparência ao bandido. Ou seja, cabe aos leitores fantasiarem como que é o sujeito que apunhala Jeca Valente. Muitos desenhos de uma possível aparência do bandido surgiram em imageboards do mundo inteiro, mostrando que As Aventuras de Jeca Valente é um poema que consegue mexer com o imaginário popular.

Geografia[editar]

A jornada de Jeca Valente acontece em um mundo rico, com muitos elementos que facilitam e/ou dificultam a aventura do protagonista. O autor do poema descreve com riqueza de detalhes todos esses elementos, como o relógio da igreja, que sempre soa às 3 da madrugada, pois os padres estavam com preguiça de ajustar o relógio para soar apenas na hora da missa. O ambiente também é descrito minunciosamente, tanto que até hoje não sabemos se a aventura se passa em um deserto, em uma planície, em uma praia ou em um vulcão.

Enredo[editar]

Gtk-paste.svg.png Aviso: Este artigo ou seção contém revelações sobre o enredo, como o fato de que Jeca Valente é invulnerável a punhaladas, e o cão arrependido arrepende-se mais uma vez.
Jeca ao lado de seu pai adotivo, Carlos Alberto de Nóbrega, nos tempos em que ganhava a vida acionando o sistema de Risadas do Chaves na Praça é Nossa.

Nascido no limbo de figurantes da Praça é Nossa, filho de pais desconhecidos, nosso heroi foi batizado por Carlos Alberto de Nóbrega com o nome de Jeca Gay, e recebeu a missão de alavancar a audiência do programa de humor (cof, cof), com novas piadas, ou pelo menos piadas que não fossem apreciadas apenas pelo público com mais de 80 anos. Porém, não sendo um humorista nato, Jeca Gay acabou falhando em sua missão, e no horário em que ele aparecia, Silvio Santos resolveu colocar o Chaves.

Desolado, desempregado, sem dinheiro nos bolsos e com uma chuquinha rosa nos cabelos, Jeca Gay resolveu adotar uma postura mais agressiva, partindo em uma jornada solitária para descobrir os mistérios da vida, do universo e tudo mais, até porque não tinha nada para fazer mesmo. Porém, mas, entretanto, todavia, se ele fosse andando, a jornada seria cansativa e improdutiva, e renderia-lhe apenas algumas joanetes. Para resolver este problema, Jeca bolou um plano de assalto ao haras do Sarney, onde ele certamente encontraria bons cavalos puro-sangue, capazes de aguentar a árdua aventura que ele planejava.

Após fazer alguns rabiscos, e contar com a ajuda de Cebolinha para criar um plano infalível que acabaria falhando, Jeca finalmente estava pronto para entrar em ação. Invadir o haras do Poderoso Sarney foi difícil, além de que o risco de Jeca acabar dormindo com os escaravelhos no fundo do deserto do Maranhão era constante, porém, nosso heroi não se intimidou. Após algumas horas brincando de Hitman, Jeca conseguiu fugir com um cavalo branco que ele considerava dos bão, apesar da cara de idiota. Esse cavalo era um artista de cinema, que já tinha participado de alguns epísódios do Pica-Pau. Seu nome era Pé de Pano.

Rota traçada por Jeca em sua jornada.

Agora com um cavalo, Jeca Gay estava pronto para começar sua epopeia... Só que não. Antes de mais nada, ele precisava mudar seu nome no cartório mais próximo, ou futuramente seria motivo de chacotas por parte dos alunos da rede pública de ensino, já que nosso heroi esperava que sua aventura fosse narrada em todos os livros de história, estória, ficção científica e contos eróticos. Então, alegando que seu nome era motivo de piadas (o que não me admira), Jeca Gay conseguiu mudar seu nome para Jeca Valente, pois achou que esse nome era muito cool.

Partindo para o longínquo horizonte[editar]

Feitos todos os preparativos, Jeca Valente finalmente começa a sua jornada, com seu alazão, que pra ele é como um irmão. No primeiro dia de cavalgada, foi apenas alegria e apreciação das paisagens. No segundo dia, Jeca começa a se cansar, mas mantém seu espírito de otimismo. No terceiro dia, a fome aperta, e a vergonha afrouxa. Então, Jeca, que estava nas proximidades de Araponga, resolve pedir um pão com mortadela na melhor e única lanchonete da região. Após ser expulso do local na base da vassourada, Jeca Valente continua sua jornada em direção ao norte.

Após passar vários meses apenas comendo maçãs que encontrava caídas na estrada e bebendo a própria urina, Jeca Valente finalmente chega na fronteira do México com os Estados Unidos. Usando sua sapiência, Jeca consegue enganar os policiais que estavam de guarda, e entra em território norte-americano. Continuando para o norte, Jeca chega no rio lamaçento do Mississipi, seu destino final. Agora, Jeca começa a procurar pela tribo dos índios pauaçu, famosos por conhecer o verdadeiro sentido da vida, do universo e tudo mais. Porém, nesta última etapa da jornada, as coisas começam a se complicar para o nosso heroi. Além de precisar lutar contra as adversidades da natureza, Jeca começa a enfrentar inimigos perigosos, como um bandido sem identidade e o cão arrependido.

Batalhas ferozes[editar]

Bandido apunhalando Jeca no coração. O que o bandido não sabia é que Jeca é invulnerável a apunhaladas.

Ao entrar no Mississipi, Jeca Valente entra na mira do cão arrependido, que não se arrepende de ter roubado até as cuecas de todos os aventureiros desavisados que já passaram em seu território. Enquanto cavalgava tranquilamente pelas planícies verdejantes, tocando banjo e apreciando as meretrizes dos botecos da região, Jeca Valente é confrontado pela primeira vez pelo feroz canídeo e sua matilha, que estavam há mais de 14 meses com apenas um sanduíche de presunto no estômago. Percebendo que a batalha era inevitável, Jeca Valente foi pro pau, e apanhou feio. Ele só não teve os bens levados pelo cão arrependido porque acertou uma banjolinada (ou seja, um golpe de banjo) na cabeça do canídeo, que ficou inconsciente. Jeca aproveitou este momento para fugir o mais rápido possível. Após este acontecimento, Jeca passou a ser perseguido constantemente pelo cão, mas não precisou confrontá-lo mais, pois usando sua sabedoria, o nosso heroi percebeu que existia um padrão de ataque, toda vez que o cão arrependido estava nas proximidades, o cujo ladrava com sua matilha.

Porém, o perigoso cão não foi o único inimigo que Jeca encontrou em sua jornada. Enquanto atravessava uma área deserta do Mississipi (quer dizer, o estado inteiro é deserto, mas digo uma área um pouco mais deserta), o aventureiro foi atacado por um bandido sem identidade, o único que já esteve com 5 estrelas no GTA e conseguiu escapar vivo. Num ataque traiçoeiro, o bandido apunhalou Jeca no coração, num dos ataques mais cruéis da história da literatura, e fugiu, achando que o heroi estava morto. Porém, mostrando resistência sobre-humana, Jeca simplesmente tirou a peixeira do coração, e continuou cavalgando normalmente, como se nada tivesse acontecido. Ao saber que Jeca ainda estava vivo, o bandido tentou apunhalar o aventureiro várias outras vezes, e conseguiu, mas aparentemente Jeca é imortal quando se trata de punhaladas no coração, pois sempre retira o artefato e continua a jornada.

Concretização do sonho[editar]

Após uma jornada de muitos sacrifícios e dores, Jeca finalmente avista no horizonte a tribo dos índios pauaçu, e aproxima-se de descobrir a verdade verdadeiramente verdadeira sobre a vida, o universo e tudo mais. Porém, antes de conseguir chegar lá, Jeca ouve o relógio da igreja, que soa às 3 da madrugada, acordando todo mundo do vilarejo localizado nas proximidades, incluindo o cão arrependido e o bandido. Agora que todo mundo está acordado, pelo menos fisicamente falando, Jeca sabe que o perigo é redobrado, pois precisará enfrentar todos os seus inimigos de uma única vez. Então, antes que pudesse raciocinar, Jeca ouve o ladrar do cão arrependido e sua matilha, e, no segundo que se segue, ele leva uma punhalada traiçoeira no coração, aplicada pelo vil bandido. Tudo parecia perdido, mas como Jeca é invulnerável a punhaladas no coração, ele retira a punhalada, e começa a fugir. Mas mesmo fugindo em uma velocidade extraordinária, Jeca não consegue dispersar o cão arrependido, e continua levando várias punhaladas no coração, e retirando as punhaladas como se fossem nada.

Após arrepender-se de ter botado pro Jeremias beber e de ter traído sua namorada Basset com um Rottweiler, o Cão Arrependido soma mais um arrependimento em sua conta, arrependendo-se de ter perseguido Jeca Valente.

Depois de muita perseguição alucinante, Jeca finalmente entra nos demônios dos índios pauaçu, e pensa estar em segurança, porém, o bandido, que pela primeira vez usa o cérebro, percebe que Jeca pode retirar as punhaladas no coração, e resolve punhalar o cavalo. Infelizmente, o cavalo não pode retirar punhaladas, e acaba morrendo de morte matada, para a tristeza de nosso heroi que, apesar de valente, nada pode fazer contra o meliante, que foge satisfeito por ter conseguido matar pelo menos um. Após a morte do cavalo, Jeca enterra o corpo de seu companheiro de jornadas num cemitério indígena da região, e vai, finalmente, questionar o chefe da tribo pauaçu sobre os mistérios mais misteriosos de nossa existência.

Já na tenda do Chefe Charlie Cavalo, o sábio líder da tribo, Jeca fuma uns charutos da paz e experimenta larvas amassadas, que possuem um gosto horrível, mas que são a única coisa que os índios tem para comer quando não encontram nenhum cacau. Então, durante a conversa entre Jeca e Charlie, o indígena usa de toda a sua sapiência para resumir, em uma única frase, o verdadeiro sentido da existência humana:

Cquote1.png O negócio é comer cu e buceta! Cquote2.png

Apesar de não compreender muito bem o sentido desta frase filosófica, Jeca sai da tenda satisfeito, e é confrontado pela última vez pelo seu rival, o cão arrependido. Agora sem ter como fugir, já que seu cavalo foi despachado para o inferno, Jeca começa a indagar o cão sobre os reais motivos dele o estar perseguindo. Então, após pensar um pouco, o cão arrependido conclui que apenas estava perseguindo Jeca Valente porque, enquanto estava em perseguição, ele esquecia-se de seus arrependimentos. Agora que raciocinou por alguns instantes, o cão arrependido entendeu que perseguir Jeca Valente não fazia sentido algum (assim como esse artigo), e resolve pedir perdão ao aventureiro. Entendendo que o cão arrependido era apenas e simplesmente um arrependido, Jeca resolve perdoá-lo, e lhe dá alguns conselhos de como reconquistar a Basset que ele tanto amava.

E assim, agora sozinho, Jeca começa a caminhar pelo horizonte, terminando assim sua jornada pelo conhecimento superior. O cão arrependido, que estava arrependido de ter perseguido Jeca, resolve escrever uma poesia épica sobre a história deste destemido aventureiro, como um pedido de desculpas. Mais tarde, este poema seria revisado por Homero, e, muitos anos mais tarde, recitado para toda a população mundial, no mais importante evento da literatura mundial, o Festival da Boa Vizinhança.

Anos depois[editar]

Muitas pessoas se questionam sobre o que aconteceu com Jeca Valente após o término da sua jornada, já que essa parte não é contada em sua epopeia, por pura preguiça do escritor, que já estava de saco cheio de escrever essa poesia e queria ir beber umas geladas com seus amigos. Para tirarmos as dúvidas de nossos leitores (e as nossas próprias dúvidas), decidimos perguntar o destino de nosso heroi para o Cão Arrependido e para Homero, através da Tábua Ouija. As respostas que eles nos deram foram surpreendentes.

Aparentemente, antes de conseguir voltar para sua terra natal, onde pretendia amarrar seu burro e curtir a vida adoidado levando em conta a verdade superior que encontrou em sua jornada, Jeca foi confrontado mais algumas vezes pelo bandido, que queria porque queria matar nosso heroi com uma punhalada. Então, até conseguir fugir do Mississippi, a rotina de Jeca se resumiu a levar punhaladas, retirar as punhaladas, olhar as horas no relógio da igreja, ouvir o ladrar dos cães (estes que, apesar de não contarem mais com o seu líder cão arrependido, ainda estavam na ativa), levar mais punhaladas, retirar estas novas punhaladas, olhar novamente as horas no relógio da igreja, ouvir o ladrar dos cães, levar a 300° punhalada, retirar essa 300° punhalada, olhar as horas no relógio da igreja, ouvir o ladrar dos cães...

Até que chegou uma hora em que Jeca Valente não aguentou mais aquela pressão, e atacou covardemente o bandido, puxando-lhe o cabelo tratado com Clear Men. Inconformado por ter seu precioso cabelo puxado, o bandido acusou Jeca Valente de ter estragado tudo, chamou-o de bobo, chato, feio e cara de mamão, e começou a chorar loucamente. Incomodado com todo aquele barulho, Jeca Valente sacou o seu banjo e tentou acertar o bandido com sua batida rancheira, mas por ter uma mira muito ruim, acertou a banjolinada na retaguarda do cão arrependido, que precisou fazer uma compressa com água fria e chá de picão para livrar-se da dor insuportável.

Poema[editar]

Segue o poema na íntegra. Muitas pessoas morreram de câimbras após ler a obra, por terem se emocionado demasiadamente. Leia por sua conta e risco!

No relógio da igreja suavam 3 da madrugada
No relógio da igreja suavam 3 da madrugada
Quando o ginete chegava, imaginem, só se ouvia o latido do cão...
Eis que chega o bandido e no pobre Jeca Valente ele dá uma punhalada!
E então vinha o ginete em seu cavalo às 3 da madrugada
quando ladravam os cães e lhe deram uma punhalada e
arrancaram a punhalada, e então às 3 da madrugada vem o Jeca Valente montado em seu cavalo e na aldeia os cães ladravam e então ele leva uma punhalada...

Legado[editar]

Apresentado anualmente todos os anos no maior e mais importante evento literário da América Latina, o Festival da Boa Vizinhança, o poema do Jeca Valente contribui de maneira sensível na criação de novas obras culturais épicas, pois inspira jovens poetas a excrementarem incrementarem suas obras com toques de aventuras, batalhas, paixões e punhaladas. Dizem as línguas boas, más, péssimas, podres e a da sua sogra, que esse lendário poema é a base da maior obra literária do século XXI, o negócio é comer cu e buceta, escrita e revisada pelo expoente Alexandre Frota.