Asa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Boieng da Trans Brasil indo pro brejo.jpg Olha o(a) Asa vindo!
Olha o(a) Asa indo!

Este artigo fala sobre coisas que avuam pro alto.
Clique aqui pra ver quem mais vai pelos ares. Literalmente.
Asa
Mulher asas.jpg
Classificação
Classe: nem todas
Ordem: voar
Família: todos eles
Gênero: também
Espécie: várias
O que dizer sobre asa
De galinha é aperitivo

Cquote1.png Experimente também: Avião Cquote2.png
Sugestão do Google para Asa
Cquote1.png Se as minhas asas voassem descentemente, eu poderia ter escapado deles, com asas, penas e rabo inteiros. Cquote2.png
Dodô sobre humanos.

Asa é um dispositivo natural ou construído que dá ao utilizador a possibilidade de voar como uma borboleta. As asas podem ser compostas de muitos materiais diferentes, mas o mais imbecil já registrado foi a cera de ouvido utilizada por Ícaro... nem é preciso mais comentários sobre essa genialidade.

Animais normais[editar]

Mesmo dando uma paradinha para cagar, as asas da borboleta a fazem continuar charmosa.

No geral, os animais que têm o privilégio das asas são as aves, mas nem todas voam muito, tipo galinha que não voa nem dez metros, devido a seu corpinho de Geisy Arruda. Aves que chegam a voar e bem, são as que têm, além de asas potentes, outros atributos que lhes permite ganhar o horizonte.

Alguns animais tem até uma cabecinha aerodinâmica que permite dar mais dinamismo ao vôo. Falando em aerodinamismo, essa palavra se você não for muito burro vai perceber que tem tudo a ver com voar. Voltando ao corpinho dos animais que têm asas para isso, as asas devem ter mais poder do que o restante do animal para levá-lo além.
As asas de proteção da joaninha não impedem o joãozinho de se dar bem.

O animal mais veloz de que se tem notícia ao voar, é a fragata (embora na web toda esteja o falcão peregrino como sendo mais veloz), que passa até mesmo a maioria dos animais terrestres, que correm pra caralho. Essa bicha (...) nem passou perto de ser escravizada domesticada pelos humanos, foi tentado desde os tempos mais remotos, mas ela usa também o cérebro.

Entre os mamíferos voadores estão os morcegos, fadas, ginfos e anjos, que chegam a disputar os hábitos noturnos com as corujas, que não são mamíferos e nem poderiam ser com aquele bico, e sabem que os bicos das aves é que as impedem de dar uma boa mamada. Mas as asas dos morcegos são privilegiadas: são asas e nem por isso deixam de ser mãos, e mesmo sendo acusados de ser ratos voadores, eles dificilmente invadem áreas que não são deles, e por isso raramente transmitem doenças.

Animais inferiores

Quanto aos insetos, as asas podem ser pra voar ou para proteger um mole e asqueiroso corpinho, sendo as asas que voam, transparentes ou translúcidas, e as que protegem costumam ser cor de cocô ou algo assim, mas sempre são fortes. Alguns desses insetos são bonitinhos e ainda benfazejos, tipo as abelhas e borboletas, mas outros são asqueirosos e só srvem para foder com os humanos e outros bichos, tipo as baratas e gafanhotos. Quando esses últimos voam suas asas parecem uma balbúrdia, que até alguns grunhidos humanos parecem música.

Animais humanos[editar]

Indescência Descendência de Ícaro.
...e os braços jamais serão asas, ainda bem.

Esses não têm asas nem que queiram: e sempre quiseram, de modo que os bichos que voam, costumam se benzer a seu modo, ao passar perto dos humanos, por causa da dita e braba inveja. Alguns desses humanos ao invés de apenas suspirarem ou se roerem, se aventuraram a tentar fazer asas para que os humanos pudessem as utilizar. Entre eles, quem melhor se destacou foi nosso querido cabeçudinho, Santos Dumont, mas ele, inteligente que era, ao contrário da maioria dos brasileiros, sabia que as asas teriam que estar ligadas a um aeroplano e não nas costas da pessoa.

Sim, embora as asas delta funcionem, não são lá muito seguras, e funcionam como planadores, sem que elas batam para voar, deste modo não são bem asas. Quanto ao Ícaro, este burrão achou que poderia usar suas orelhas, não as de burro, mas a cêra que continha nelas, para fazer asas, entre outras idiotices, como até asas de madeira, mas nada deu certo, assim como tudo o mais em mitologia grega. Falando em orelhas esse negócio de voar mexe tanto com a imaginação dos macacos humanetas, que existe até um elefante que voa com as orelhas, na ficção, e essa não é a pior das nóias: No quesito voar sem asas, tem o negócio do voar de vassoura, e as invenções da pisiquê humana não para de criar minhoca sobre isso.

O dia que um lençol nas costas substituir as asas, até teu pai será Superman.

Os super-heróis da ficção costumam ser agraciados por seus criadores com a capacidade do vôo mas, as asas são substituídas por uma capa de um paninho de fazenda ordinária... ainda bem que os bichos alados não riem, senão eles já teriam rachado o bico (os que têm bico) de rir de nós. Bom, os papagaios imitam sons de risada mas, apesar deles conhecerem muitas piadas, a das asas de capa nunca contaram pra eles.

Essa viagem em asas de paninho, surgiram porque era o que os criadores de super-heróis deviam usar na infância. Eles pegavam a colcha da cama de mamãe, assim, os filhotes deles, que são os super-heróis, usam as colchas ou lençóis... e sinceramente não sei como nós humanos não nos olhamos ao espelho e desestressamos totalmente ao ver nós mesmos, de tanto rir.

Bom os japas que sendo descendentes de chinas, são os humanos um pouquinho melhor da cabeça, e fazem sim personagens voadores, mas eles preferem deixar as asas pra lá, ao menos em maioria, e muito menos caem no ridículo de fazer asas de capinha de pano. Eles fazem algo tipo uma mente muito evoluída que faz os personagens vencerem a gravidade numa junção de corpo e mente, algo assim. Bom, ao menos nesse quesito, os mangás são menos ridículos que os demais quadrinhos, onde existem mesmo coelhos voadores: voando para acertar a moleira de alguém.

Isso de voar mexe mesmo com a cabecinha das pessoas. Nem se sabe que anjos nunca tiveram asas, era nada mais do que tecnologia mal interpretada, e ainda bem porque aqueles seres com asas de galinha são bizarros demais para existirem na realidade.

Seres (supostamente) alados[editar]

...e de tanto sonhar com vôo, os humanos imaginam até asas que não existem.
...e as asas também ajudam a comer, não só na rapinagem, mas também no acasalamento.

Continuando, os anjos nunca foram e nunca serão alados, pode ser sim que sejam seres mais evoluídos que os humanos, e até levitar e mesmo fazer algumas manobrasinhas no ar, mas têm asas só na imaginação das pessoas. O mesmo acontece com as fadas, que aparecem flutuando mas é porque na nossa dimensão não vemos os apetrechos que estão sendo usados, e os ginfos, que têm a aparência similar à dos anjos, esses podem até ser capazes de ter asas tipo a dos insetos, uma vez que são tão imprestáveis que se assemelham à insetos dos mais nocivos.

Já os gnomos e duendes não inventam muita história, não nos enganam, e nem é preciso estar noiado para vê-los, basta ter um parafuso solto na moleira uma capacidade presciente e se pode vê-los como são... e não tem asas.

O fato de todos terem vindo da mesma gosma e ter seguido a evolução diferente a partir de certo ponto não faz possível a existência de humanóides alados, por um motivo muito simples: eles sendo humanóides, não têm a estrutura para ter asas. Se não acha isso explicação suficiente, tente ter asas junto a um geneticista ou algo assim, e acabará tipo as bestas que inspiraram a Mitologia Grega. No máximo um veado cavalo, mas mesmo assim com muitos avanços , e isso porque os cavalos ainda tem o corpo mais preparado para o aerodinamismo... besta.

Falando em evolução quem começou essa turumbamba toda de asas foram os dinossauros e, os primeiros (ou ao menos) aqueles da qual mais se ouve falar), a voar bem, foram os pterodáctilos. Se seus descendentes têm asas e muitos voam, sorte deles que além de tudo nem precisam ter aquela cabeça de chapéu de bruxa, que o pterodáctilo possuía, para conseguirem alçar vôo.

Anatomia da asa[editar]

Mamíferos voadores, isso significa que as morcegas têm tetas.
Para se fazer o estudo das asas, algumas vezes é preciso haver sacrifício.

Se forem asas de galinha, que os predadores, humanos, raposas, e afins, nesse caso, parecem mais é certos: galinhas só servem para ser comidas, e suas asinhas são ótimas, apenas para servir de alimento, e para voar são uma derrota, bi, mas o que falta nas asas da galinha para as asas que voam com eficiência, não é tanta, mas essas diferenças são cruciais. Para se estudar as diferentes formas de asas, daí sim, é preciso até mesmo se imaginar voando com elas e não, pedir mais asas de galinha para aperitivo.

As asas das borboletas por exemplo, são camadas e mais camadas de quitina, e veja que apenas um inseto bonitinho coloca as galinhas no chineleta. Falando com aquele termo chique: envergadura, as asas das galinhas e dos extintos dodôs, não são lá muito bons nisso também, já que a envergadura se refere ao tamanho, e essas duas aves são rechonchuditas demais para o tamanho e capacidade de suas asas.

Deve haver um bonito trato entre anatomia das asas e o vento, e de todos os tipos de asas, os humanos ainda nem sabem como reproduzir nenhuma delas, isso porque o negócio é muuuuuito mais complicado o que parece. Dizem que uma das gerações de atlantes conseguiu colocar asas em um cavalo que era o tal do Pégasus, mas mesmo sendo verdade (e é), o cavalo, como já foi mencionado, já tem tudo quase preparado para ter asas, e imagine quantos cavalos os atlantes sacrificaram para chegar na perfeição do Pégasus. Por isso que os atlantes foram para o colo do capeta, e hoje a maioria nem acredita em sua existência, a não ser nos homens da cavernas.

Arrastando as asinhas[editar]

Repare que uma coruja macho já deve ter arrastado as asinhas e se dado bem... claro, se isso aí for uma coruja fêmea, e não outra coisa.

Embora não tenham asas, os humanos inventam expressões como se as possuíssem, uma delas é arrastar as asinhas que significa quando você vai passar um xaveco em alguém, o que não significa que será bem sucedido, essas falsas asinhas não irão voar nem em sentido figurado, se o xaveco não for bem de fazer flutuar. Fazer flutuar, bem lembrado, deve ser especialidade de personagens que saem da mente doentia dos mangakas, embora poucos personagens tenham asas, a maioria deles voa, e os otakus ficam hipnotizados e flutuando, inclusive eu.

Se as asinhas estão sendo arrastadas e não alçarem vôo, deve-se guardar a experiência da pilotagem para a próxima tentativa. Não sei qual a lógica dessa expressão, meu amigão especialista em linguística disse, após fazer sua cara compenetrada (...), que vêm de quando as aves estão querendo dar uma ou, se acasalar, para ser mais exato, e começam a dança que inclui o arrastar das asas, mas ao contrário de nós, eles costumam se dar bem em quase todas as vezes, isso sem nem arrastar muito, já que os movimentos são mais de asinhas em pé, mas tem humanos que chegam a ficar com as asinhas esfoladas e não conseguem muita coisa.

Eles nem precisam fazer uma cara muito apaixonada para serem interpretados pelas fêmeas: Basta arrastar as asinhas em uma dança lânguida e, assim, no geral ganham uma cloaca bem gostosinha.

Galeria Alada[editar]