Associação Atlética Ponte Preta

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Clubismo aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa pra quem você torce, seja o Botafogo-SP, a Ponte Preta, o Paulínia ou a Portuguesa. Seja engraçado e não apenas idiota.


Associação Atlética Ponte Preta
Escudo da Ponte Preta.png
Brasão
Hino Boi da cara preta
Nome Oficial Associação Atlética Ponte Preta
Origem link={{{3}}} São Paulo Campinas
Apelidos Ponte caída
Torcedores Pessoas que moram embaixo da ponte
Torcidas {{{torcidas}}}
Fatos Inúteis
Mascote Tá com a Macaca
Torcedor Ilustre Roberto Justus
Estádio Zé Lucaindo
Capacidade 120 mil penicos
Sede Campinas
Presidente Moleque Tião
Coisas do Time
Treinador Mendigo
Pior Jogador Nuvola apps core.png Mário
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Aranha
Patrocinador LG
Time
Material Esportivo Nike
Liga Sei lá
Divisão 58
Títulos {{{títulos}}}
Ranking Nacional 25
Uniformes Vascaindo.jpg
Uniforme02.jpg



Cquote1.png Você quis dizer: Ponte Afrodescendente Cquote2.png
Google sobre Associação Atlética Ponte Preta
Cquote1.png Afrodescenden-TA! Cquote2.png
Dilma sobre correção do Google.
Cquote1.png 2009 - Campeão Paulista do Interior Cquote2.png
Site Oficial sobre Último título da Ponte Preta, após ficar atrás apenas de Corinthians, Santos, São Paulo, Palmeiras e Portuguesa.
Cquote1.png Já é hora do Clube dos 13 reconhecer a grandeza da Ponte Preta. Cquote2.png
Presidente da Ponte Preta, pleiteando vaga no Clube dos 13 em 2002
Cquote1.png Tu já és maior de idade? Cquote2.png
Presidente do C13, em resposta a solicitação da Ponte Preta.
Cquote1.png Pelo menos temos um título. Cquote2.png
Bugrinos sobre Ponte Preta.
Cquote1.png Ela tem mau hálito. Cquote2.png
Tarzan sobre Ponte Preta.
Cquote1.png Uma instituição desprezível. Cquote2.png
Nietzsche sobre Ponte Preta.

Associação Atlética Ponte Preta é um time campinense especialista em nunca ganhar alguma coisa, apesar de toda sua mania de grandeza mas na verdade são tão expressivos quanto o Rio Branco do Acre. Uma das desculpas dadas é que torcer para os times campeões da capital é modinha, e que sofrer pela Ponte Preta é torcer de verdade, embora já tenha visto times como Guarani, São Caetano, Paulista de Jundiaí, Ituano, Inter de Limeira, Bragantino e tantos outros times bizarros já serem campeões de alguma coisa.

Além de presidente da agremiação, o Sr. Macaco Piroqueta também é proprietário de 5 casas de massagem e 3 bingos em Campinas. Nas horas vagas apresenta um show junto com o Palhaço Carequinha no Circo Vostok (ele leva tortas na cara e também apanha).

A Associação Atlética Ponte Piroqueta confunde-se com a própria expansão do futebol no Brasil e mantém atividades ininterruptas até hoje - eles tem um bazar 24 horas onde se vende qualquer coisa para corte e costura. Todos os acessórios para uma torcedora.

Na Ponte Preta, um dos eventos mais famosos é o Fashion Chita, que reúne uma porção de bofes e monas velhas torcedoras da Ponte Preta para desfiles de moda com travecos e caminhoneiras. No fim, é disputada uma partida de futebol com as Monas x Barbies da AAPP. Memorável!

História

Fundação

Doutor Zaius, Fundador e 1o Presidente da Veterana.

No ano de 1900, havia um campinho de terra batida ao lado do leito da Companhia Paulista, depois conhecida como Coca Cola, há uns três anos era o palco de jogos do novo esporte praticado pelos jovens da época. A pelota basca. No campinho de terra, era jogado com bola de meia muitas vezes, mas em momentos importantes, aparecia uma certa bola com câmara de ar, a chamada "bola".

Assim, bem perto de uma uma ponte de madeira (na verdade era um viaduto, mas os peladeiros não conheciam as palavras corretas ainda), pintada de negro, nasceu a Associação Atlética Ponte Preta no fatídico dia de 11 de Agosto de 1900. Os jovens Miguel do Carmo, o "Migué", Luiz Garibaldi Burghi (um bugrino?), o "Gigette" e Antonio de Oliveira, o "Tonico Campeão, o iroônico", resolveram fundar o que é hoje, o segundo mais antigo clube de futebol do país, sendo vice até nisso, perdendo o título de time mais velho para o Rio Grande-RS, tendo como inspiração para o nome, a velha ponte da ferrovia. Na ata de fundação ficou estabelecido que Pedro Vieira da Silva seria o presidente(a).

Blá, blá, bá, blá ... toda essa baboseira oficial que você aprendeu do mané do seu pai. O verdadeiro fundador da AAPP é o Dr. Zaius, isso mesmo, aquele da série Planeta dos Macacos. Somente ele sabe que os Humanos são mais inteligentes que os pontepretanos, mas não conta pra ninguém.

Primeiros anos

Ao longo do tempo fortaleceu o futebol de várzea regional, sendo considerado o clube de futebol mais antigo do Brasil e o único que nunca ganhou porra nenhuma. Gozando do reconhecimento internacional, é um time muito popular na Guiné Bissau, Faixa de Gaza e Tibet sendo também conhecido pela formação de inúmeros pernas de pau idolatrados pela sua fanática torcida. Entre eles Piá (Primo do Jeremias, inimigo do João do Santos Cristo), Regis Pit Bull (castrado recentemente pois atacou a dentadas uma velhinha) e Monga (que tinha 2 empregos: jogador da Ponte Preta e Monga no Playcenter).

Campeonato Paulista de 1960

Enquanto já se apssaram 100 anos e a Ponte Preta nunca ganhou nada, o time precisou de apenas 59 anos de história para dar seu primeiro vexame. Em 1959 viria a perder pro Santos por 12x1, resultado normal para os padrões pontepretanos, mas os jogadores sentiram tanto a derrota que fizeram uma campanha pífia no campeonato estadual do ano seguinte, e em 1960 termina em último lugar no Campeonato Paulista da Divisão Especial e é rebaixada para a Segunda Divisão estadual.

Campeonato Brasileiro de 1986

A Ponte Preta tem como rival o Guarani, um time difícil de se superar em quantidades de rebaixamentos, mas a Ponte Preta persevera e começou sua trajetória de rebaixamentos nacionais já em 1986, quando ao ser última colocada em seu grupo I, é rebaixada para a série B, ficando atrás inclusive do Treze e do Bangu (o regulamento da época estabelecia que todos times que ficassem atrás do Bangu na tabela seriam automaticamente rebaixados, e foi o caso).

Campeonato Paulista de 1987

Cquote1.png Foi uma defesa baseada em puro reflexo ! Cquote2.png
Gandula da Ponte Preta, que invadiu o campo e defendeu um gol quase feito, impedindo a derrota da Ponte Preta em jogo pelo Paulista de 1987. Mas a Ponte foi rebaixada mesmo assim.

Já eram 87 anos sem títulos, a diretoria não sabia mais o que fazer para a Ponte Preta ganhar alguma coisa, e muito menos para o time ter torcida na época em que o Guarani recentemente havia sido campeão brasileiro. Foi então que a Ponte Preta surpreendeu ao relembrar o futebol varzeano da época de sua fundação. Gandulas invadindo o campo, gol contra de mão, e toda mais situação vexatória de futebol de pelada foi ocorrendo e atraindo simpatia de pessoas masoquistas que decidiram torcer pro time até no Paulistão de 1987 terminar na penúltima posição e ser fatalmente rebaixada para a Divisão Intermediária.

Série B do Brasileirão de 1989

A Ponte Preta surpreende o mundo em 1989 ao ser rebaixado da Série B para a Série C do Campeonato Brasileiro. Ao perceber o risco de serem campeões da Série C, a diretoria pontepretana entra em desespero e implora para que o time seja trazido para a Série B sem precisar jogar a Série C. E assim voltaram à Série B em 1991 numa virada de mesa.

Campeonato Paulista de 1990

Nem no ano em que Bragantino e Novorizontino fizeram a final (para se ter uma ideia do baixíssimo nível do Paulistão daquela oportunidade), a Ponte Preta sequer teve chances de título, na verdade foi é rebaixada mais uma vez.

Campeonato Paulista de 1995

Lá estava em mais um Paulistão fazendo merda, dessa vez em 1995, quando no desespero por títulos resolve ser o lanterna do campeonato, para o caso de que se algumas pessoas a vissem de cabeça pra baixo, pensassem que a Ponte Preta foi campeã, quando na verdade foi mais uma vez rebaixada ridiculamente.

Campeonato Série B de 1995

Já ouviu falar num time chamado Barra do Garças? Pois é, nem eu nem ninguém conhece essa porcaria. A Ponte Preta terminou a Série B de 1995 em 22º dentre 24 times, empatada com o Barra do Garças com míseros 8 pontos cada. Livrou-se do rebaixamento graças ao saldo de gols, pois tinha -50 de saldo enquanto o time mato-grossense tinha -75. Para constar, a lanterna foi do Democrata que ficou com meros 5 pontos.

Centenário

O Ilustríssimo Macaco Piroqueta, presidente da AAPP.

Finalmente chegou o ano 2000, o bug do milênio, a internet, as viagens espaciais, a televisão com transmissões ao vivo. Aos 100 anos de existência, a realidade era a mesma coisa que no passado: uma porcaria. Um pontepretano é um ser infeliz que nunca viu seu time levantar o caneco. Esta instituição centenária é a encarnação da negação do sucesso, fracassos após fracassos, derrotas, dívidas. O último jogador de renome revelado foi Carlos Gardel, um lateral (naquela época chamava-se de Ponta de Lança) que jogou pela Ponte Preta no Desafio ao Galo de 1963 e que deixou muitas lembranças felizes.

Campeonato Paulista de 2001

Cquote1.png Vamos ganhar esse jogo e acabar com esse tabu ! Cquote2.png
Washington, jogador da Ponte Preta antes do Derby em 2001. Mas Ponte Preta perdeu mesmo assim.
Cquote1.png Estamos verificando se para a Ponte Preta é melhor a final contra o Santos ou contra o Corinthians Cquote2.png
Diretor da Ponte Preta antes da Semi-Final do Paulista de 2001 contra o Botafogo. A final foi contra o Corinthians, mas o Botafogo perdeu.

Na campanha mais destacável de toda história da Ponte Preta, os torcedores nunca assistiram na vida tanto o desenho 101 Dálmatas, pois o time com 101 anos de história poderia finalmente ganhar seu primeiro título paulista, e os pontepretanos diziam "pra que ganhar no centenário? Vamos ganhar é com 101 anos!". Se o torneio fosse em pontos corridos, o time realmente teria sido campeão, mas faltava passar de uma semi-final contra o Botafogo, se fosse o carioca seria fácil, mas era o Botafogo poderoso de Ribeirão Preto. E assim a Ponte Preta sequer chegou à final...

Campeonato Série A 2006

Enquanto em 2006 um certo time paulista estava se preocupando em ser a primeira vez campeão de um campeonato o qual seria tri (São Paulo campeão brasileiro de 2006, 2007 e 2008), a Ponte Preta de então 106 anos de existência e nenhum título amargava mais um rebaixamento.

Série B de 2007 a 2010

Cquote1.png Tem gente torcendo contra a Ponte Preta. Cquote2.png
Diretor da Ponte Preta, ao justificar o quase rebaixamento para a série C em 2007, ignorando o fato de que não é necessário torcer contra a Ponte Preta.

Com 4 anos de mediocridade, a Ponte Preta se dedicou a disputar a Série B para não rebaixar e para não subir, aos poucos o time caiu em esquecimento, e voltou a aparecer só em 2010, quando agora o número 110 anos parecia ser legal para representar uma nova possibilidade de título que não veio nem em 2011, com um mero terceiro lugar na Série B que valeu o acesso.

Campeonato Paulista de 2008

Cquote1.png O Palmeiras já é campeão. A Ponte Preta não tem chance de derrotá-lo. A Macaca é igual peru, perde na véspera Cquote2.png
Presidente do SPFC, logo após definidas as equipes da final do Campeonato Paulista 2008.

Após campanha incrível no Campeonato Paulista de 2008, a Ponte Preta chega a semifinal ao se classificar na quarta posição graças a incompetência do Corinthians, que perdeu para o Noroeste, clube de uma cidade que tem o nome de um sanduíche famoso. O goleiro Homem Aranha fez milagre nos 2 jogos contra um tal de Guaratinguetá (aquela cidade que quando você está voltando de Ubatuba e vê a placa "Guaratinguetá, 500 MT"), mas depois a história virou.

O Palmeiras com seu técnico Manicure Luxa acabou com a palhaçada já no Estádio Moises Lucarelli, iniciando a série de VARADAS que iria culminar em uma derrota que deixaria a Ponte Preta humilhada. 6x0 pro Palmeiras no placar agregado. A vantagem é que ganhar título em cima da Ponte Preta não conta, por isso o Palmeiras continuou sendo considerado um time que não ganhou nada no século XXI.

2009: Campeão do Interior

Em 2009, numa tentativa definitiva de acabar com esse tabu, tentou-se colocar a primeira estrela na camiseta após 109 anos de história, mesmo terminando em 9° lugar o Campeonato Paulista. Isto ocorreu pois inventou-se o título de "campeão" do interior do estado, afinal os outros 8 melhores colocados eram clubes da capital e do litoral. Obviamente a vergonha e o amor próprio impediu que essa estrela fosse colocada no escudo do time.

Copa Sul-Americana de 2013

Quem liga para o rebaixamento no Campeonato Brasileiro com 9 pontos de diferença para o último time fora da zona de rebaixamento? O time já foi tantas vezes rebaixado que a torcida já estava totalmente conivente com o descenso da equipe. O que chamou atenção na temporada de 2013 foi a participação da Ponte na Copa Sul-Americana.

Especialista em ajudar clubes paulistas a saírem de jejum, percebendo que não poderia fazer isso a nível nacional, a Ponte Preta inovou e se elevou ao patamar sul-americano. Eliminar Criciúma e Deportivo Pasto da Colômbia não conta. Mas eliminar Vélez Sársfield e São Paulo num mesmo torneio realmente é algo notável que só acontece a cada 113 anos.

Na final enfrentaria o Lanús que vinha de jejum de 7 anos sem títulos, que obviamente venceu facilmente o time da Ponte Preta.

Temporada 2015

Escrever qualquer coisa aqui ou simplesmente deixar em branco seria melhor do que tentar espremer alguma atuação da Ponte Preta em 2015. No estadual o time basicamente brigou para não rebaixar, pois não rebaixar significa poder zoar o Guarani mesmo que a Ponte Preta em si jamais tenha ganho algo. Considerou a chegada nas quartas-de-final o suficiente, e perdeu para o Corinthians.

Disputou a Copa do Brasil como time convidado, ou seja, sem nenhum mérito. O clube decidiu ser eliminado de propósito (ou não) para tentar a sorte mais uma vez na Sul-Americana. Tudo para depois perder por 4x1 agregado para a porcaria do Chapecoense e sequer viajar para o exterior.

Na Série A, a Ponte Preta foi a Ponte Preta que seu torcedor é acostumado. Um time sem alma, esquecido, extremamente irregular e contentado com o meio da tabela. Medroso, com medo de rebaixar e com medo de arriscar algo a mais. Como sempre, o time foi um fogo de palha, começou bem, e então perdeu um montão de jogos.

Torcida

O símbolo máximo da Nação Pontepretana.

Estudos científicos provam que o pontepretano se desenvolveu inicialmente no Peru, sendo considerado um ramo evolutivo primitivo e básico (tais como as amebas, esponjas do mar e planárias), um pontepretano tem 2 cromossomos, resultante do acasalamento de um Homem de Neanderthal (homo sapiens neanderthalensis) macho com um Australopitecus. Charles Darwin designou o pontepretano como um ramo evolutivo extinto, pois não chegaram a desenvolver outras habilidades além de cagar por todos os lugares por onde passam.

Depois de milhões de anos migraram para Campinas, onde se instalaram no Parque Oziel, a maior ocupação urbana do Brasil e que tem também a maior concentração de Os mano no Brasil, por bondade do nosso querido ex-governador que fumava pra caralho e que bateu as botas o Sr. Mário Covas.

Conhecidos por seu fanatismo, os pontepretanos geralmente lotam o estádio Móises Lucarelli comparecendo em até 2.000 pagantes (em dias de indulto, este número pode chegar a incríveis 3.400 pagantes).

Silvícolas, podem ser vistos pendurados nas árvores do Largo do Pará em Campinas, de onde eventualmente tiram a sua subsistência roubando coquinhos das palmeiras, ou ainda, vistos na Rua 13 de Maio ou na Av. Senador Saraiva, vendendo badulaques de toda espécie.

Estádio Moisés Lucarelli

Estádio Moisés Lucarelli, maquete do projeto apresentado pelo Mago Saruman.
Estádio Moisés Lucarelli atualmente… devido as restrições orçamentarias, desvios e material superfaturado.

Carinhosamente apelidado de Chiqueirão pelo arquirrival Guarani, o estádio Moisés Lucarelli teve o início de sua construção em 1340, sendo finalizado em 1948. Doutor Zaius contratou sem licitação a empreiteira do Mago Saruman, dono este de várias construtoras, diretor no PMI de São Paulo e envolvido em graves denuncias de superfaturamento.

A obra foi tocada com um mutirão do qual participaram mais de 4.000 Orcs, sob o devido comando de Saruman, que se revelou enfim ser um feitor muito malvado que nada devia ao Coronel Leôncio. A construção do Moisés Lucarelli foi o primeiro projeto do mundo a seguir a bela metodologia do PMI, que previa, entre várias coisas, a execução sumária (via empalamento) de quem questionasse a vontade do cliente e ainda não registrasse ou que deixava de comunicar mudanças de escopo do projeto.

A verdade é que os Orcs não foram devidamente registrados e colocaram a AAPP no pau, sendo esta a primeira dívida deste clube, paga até hoje porque o clube perdeu em todas as instâncias. Saruman, como todo mago do mal, tinha forte influência em Brasília, e escapou ileso de todos os processos trabalhistas. Mas com processo ou não, o estádio foi concluído.

Com seu estilo noir e janelas tipo Yellow Submarine dos Beatles, o Moisés Lucarelli tem capacidade para 3.000 Orcs ponte-pretanos e é considerado uma joia da arquitetura Ogro.

Hino

Voltando ao ano de 1969, durante a gestão do presidente Rogéria, a Ponte é campeã do Campeonato Gay de Campinas e tem o direito de disputar em 1970, a divisão especial do futebol gay, o elenco era um monte de travestis negros vindos de Campinas (como Jorge Lafond), a média de idade era de 24 anos e dos 11 atletas, apenas três não eram formados no clube. Então, em 1970. O time retorna a divisão gay e torna-se uma sensação em todo o Orgulho LGBT, sagrando-se campeão do primeiro turno e da Taça das Drags, foram anos de grande sofrimento do prestigio futebolístico e para comemorar o sucesso juntamente com o aníversario do clube, em 1971. É organizado pela diretoria da Ponte Preta um grande concurso para a escolha de um drag queen para ser mascote hino oficial para o clube. Foram fixados diversos cartazes, pela cidade a as inscrições realizadas no Departamento de Viadagem do clube no Estádio Moisés Lucarelli.

No dia 3 de setembro de 1971 foi realizado o grande concurso no Teatro Astolfo Barroso Pinto, com apresentação da Rogéria. Sete músicas foram eleitas finalistas e a que mais agradou a platéia foi "Perde e rebaixe", de autoria de Vera Verão e interpretada pelo cantor Thammy Miranda.

A música chegou a ser escolhida como hino gay oficial, mas logo após o concurso surgiu uma polêmica envolvendo a letra. Levantou-se a possibilidade de que parte dela seria um fax de uma música de Ney Matogrosso. A polêmica ganhou enorme repercussão quando o próprio cantor Ney Matogrosso recusou-se a gravar a música após as denúncias do suposto plágio de uma música dele.

Provavelmente em virtude da polêmica, o hino se fudeu e aos poucos a música "Quebrado na Segundona" - composta por Alexandre Frota para a Torcida Jovem - foi tornando-se abixarado e, em 1979, tornou-se o hino gay do clube.

Versão de 1977

É um time desfalcado
Negão é sua cor
Ponte Preta vai pra Série B
Pra sempre, segunda divisão!

Ponte Quebrada, pegou fogo!
Ponte Quebrada, tristeza!
Ponte Quebrada, pequena!
Nunca mais campeão!

Seu estádio é horrível
Tomou oco e uma bosta
Ponte Quebrada, se fudeu
Sempre vai morrer ou nunca campeão!

És a nossa, Ponte Quebrada
O vexame de Campinas!
Ponte Quebrada de perder
Ponte Quebrada de vexame

Ponte Quebrada de perder
Ponte Quebrada de vexame

Títulos

Títulos são um tabu para um pontepretano como sexo o é para meninas de 6 anos de idade.

Uma comovente história de desespero, sofrimento, humilhação e dor. Se você acha que é um ser pobre, infeliz, desgraçado e esquecido pelo Criador, seu consolo é a história da AAPP.

  • Rebaixamento para série B Brasileiro de 1986
  • Rebaixamento para série B Paulista de 1987
  • Rebaixamento para série C Brasileiro de 1988
  • Rebaixamento para série B Campeonato Paulista de 1995
  • Rebaixamento para série B Campeonato Brasileiro de 2006
  • 17 anos sem vencer o Guarani em Campeonatos Paulistas
  • 22 anos sem vencer o Guarani em Campeonatos Brasileiros
  • 23 anos sem vencer o Guarani no Moises Lucarelli
  • Tirar o Corinthians do jejum de títulos, permitindo que este se sagrasse Campeão Paulista de 1977
  • Tirar o Palmeiras do jejum de títulos, permitindo que este se sagrasse campeão paulista de 2008
  • Tirar o Lanús do jejum de títulos, permitindo que este se sagrasse campeão da sul-americana de 2013