Atelier Iris 2: The Azoth of Destiny

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Atelier Iris 2: The Azoth of Destiny é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o Donkey Kong mata o K. Roolenstein.


Aterre a Isis 2: O Azeite de Pepino
Atelier Iris 2 cover.png

Típica capa de mangá RPG tosco japa

Informações
Desenvolvedor Gust
Publicador Gust/Koei
Ano 2005
Gênero RPG, macumba, passeio em florestinha encantada
Plataformas PlayStation 2
Avaliação é bãoooo...pra dormir, só se for
Idade para jogar é um jogo muito fofinho e simpático, então até o seu sobrinho e sua vó podem jogar

Cquote1.png FERUUUUTOOOOO!!!!!!! Cquote2.png
Viese (na dublagem japonesa) sobre qualquer coisa
Cquote1.png Onii-chan... Cquote2.png
Iris sobre uma das poucas coisas que consegue falar
Cquote1.png FERUUUTOOO!!!Eu conheci uma menininha tão foofaaa *---*! Vamos adotar ela? Cquote2.png
Viese sobre quando encontrou a Iris
Cquote1.png Vixi! Agora fu... Cquote2.png
Felt sobre frase acima

Atelier Iris 2: The Azoth of Destiny (Atelier Iris: Eternal Mana 2, no Japão) é mais um RPG tosco-fofolete da Gust para Playstation 2. Nele, você controla ao mesmo tempo dois protagonistas: Felt, o típico Shun da vida que você só sabe que é REALMENTE um cara porque leu em alguma análise/sinopse do jogo comprovando o fato e Visa Vaso Viese, a típica guria fofa que não falta nesses tipos de jogos.É um RPG pouco conhecido, assim como o seu antecessor, por ter gráficos borrados, chibis bobocas, e uma historinha pra boi dormir com um bishounen ou outro pra atrair fangirls nerds desocupadas que só ficam jogando e vendo anime yaoi.

Enredo[editar]

Felt mostrando como ser gentil com moças

Felt e Viese vivem felizes em um lugar chamado Eden ( uma referência pobre ao paraíso da Bibria ), praticando rituais de macumba alquimia pra resolver todos os seus problemas, desde preparar o jantar até caçar cogumelos alucinógenos na floresta, um mundo onde também habitam bruxas duendes adoráveis criaturas chamadas Manas. Até que um dia, justamente em um lugar próximo de uma dessas florestinhas encantadas, Felt acha uma espada em um bloco de cimento no chão e consegue arrancá-la, coisa que ninguém tinha conseguido até aquele momento. Aí perto do local, um portal (Belkhyde Gate) começa a brilhar, (ah sim e essa espada fala...legal...) e aparece uma ANDRÓIDE linda garota, um tanto estranha, pedindo ajuda. Logo depois, Felt é sugado pra essa dimensão, cheia de perigos muito perigosos, e vai parar em um deserto cheio de pokémons terríveis animais silvestres, alguns deles em particular Punis, tão fortes e resistentes que mal conseguem atacar e morrem com duas espadadas. Depois de um tempo, ele acaba entrando em alguma encrenca dos infernos de vez, e uma garota chamada Noin mais macho que ele! o salva.E aí que realmente começa a ficar pior melhor o jogo...

Jogabilidade[editar]

Essa continuação da série Atelier Iris traz um novo sistema de batalha o Active Time Gauge System (ou coisa parecida), no qual o turno de cada personagem/inimigo que estiver na batalha é representado por um ícone em uma barra no topo da tela. E é aí que o negócio fica noob: o jogador tem dois tipos de ataque o charge, pra carregar a barra de magia/skill e o brake, que QUASE sempre cancela o turno do inimigo, razão pela qual o game é tão pateticamente-retardamente fácil. Outra coisa que faz as batalhas serem extremamente fáceis é os inimigos (incluindo 99,9% dos chefes) não terem habilidades decentes e terem pouco HP. E pra ficar ainda mais desafiador, você pode fazer boa parte dos melhores itens do jogo apenas com elementos (água, fogo, coração,etc.), uma vez já sintetizados com ingredientes normais, como grama podre, água musguenta do pântano, baba de sapo e outros.Além disso, dessa vez você reveza entre dois protagonistas: como Viese e Felt ficaram em mundos separados, você tem que ir até um Save Point (um caderno fofuxo azul) toda vez que quiser trocar de personagem. As partes do Felt se resumem em batalhas extremamente tediosamente fáceis, passear por florestinhas e desertos quadriculados, e seguir um enredo clichê lotado de personagens chatos e estranhos. Já as partes de Viese são piores ainda, se resumem a ficar fazendo pactos com bichinhos fofos e garotinhas de 12 anos peladas, fazendo poçãozinha num caldeirão fedorento, e também seguindo a outra parte do enredo clichê.

Personagens[editar]

Muita purpurina rosa pra você, miguxo!

Jogáveis[editar]

  • Felt: o protagonista, é burro então não manja muito de alquimia, gosta de justiça e treinar suas técnicas de espada nas florestas por aí. Ah, é um cara muito sem originalidade, não tem mais o que escrever dele.
  • Viese: uma guria que acabou de se formar na escola de alquimia do Acarajé Feliz, apesar de às vezes ser meio lerda, é menos burra que o protagonista, já que é especialista em técnicas de McGyver e sabe sintetizar com ou sem elementos. Depois conhece outra guriazinha chamada Iris É A REENCARNAÇÃO DA LILITH, A MANA DA CRIAÇÃO, e a adota como filha/irmã/sejá lá o que for. Ela só é jogável nos últimos episódios, mas ela só presta pra ser healer, embora a Noin e o Poe façam muito melhor (e servem pra atacar também) essa tarefa, tornando-a uma completa inútil nas batalhas.
  • Noin: é uma tsundere com voz insuportável, é uma das personagens mais macho do jogo com suas técnicas apelonas de Kungfuáá, Karatê e Hadouken. Seu pai faz parte da realeza em Belkhyde, e ela o odeia por isso. Eles fazem as pazes quando o jogo tá quase no final.Ah sim, e ela odeia se empiriquitar e usar vestidos, ao contrário de você.
  • Gray: um homem que de tanto matar dragões, virou um. Tem enormes cabelos loiros, o que mostra a possibilidade de ele ter sido um ator pornô antes de ser um assassino de dragões.No passado ele também treinava suas técnicas apelonas junto com Galahad e Noin, o que prova por que os três resolvem 99% dos problemas com porrada.
  • Poe: uma fada pistoleira, é tarado por garotas/mulheres (que original...) e se acha um Reinaldo Gianecchini da vida, embora a única coisa que consiga atrair com aquele corpo de garotinho de 7 anos são fãs de shotacon, incluindo a nekogirl que resolve se casar com ele nas últimas horas de jogo.Apesar de tudo, é muito inútil nas batalhas, com suas skills de ataque e cura.
  • Fee: uma órfã que foi criada numa igreja, e depois resolve partir em uma busca pra destruir a Crimson Azoth (uma versão oposta da espada do Felt). E sim, no decorrer do jogo ela descobre que é uma princesa, e começa a se sentir PODEROSA! e organiza uma rebelião contra o império. Seu nome verdadeiro é Audrey com um sobrenome putaquiparivelmente comprido, coisa que toda realeza recém-descoberta de RPG tem de praxe.

Não-jogáveis[editar]

Felt depois de ter mandado Fee calar a boca na foto acima
  • Iris: uma garotinha que aparece do nada em Eden, Viese a encontra, acha a coisa mais fofuxa do mundo e a adota. Mesmo quando Viese descobre que Iris consegue sintetizar o Santo Graal usando apenas bijuteria barata e chumbo pintado cor ouro, ela só é revelada como reencarnação da Lilith (a "deusa" dos manas) quase no final do jogo.
  • Max: um dos primeiros panacas personagens que Felt encontra em Belkhyde, lidera um movimento rebelde antiimpério. É mais um daqueles loiros-burros-bombados, fica chamando o protagonista de qualquer coisa que comece com F, Felix, Fake, Feio ou até Felícia, mas NUNCA de Felt. Mais tarde, é revelado como o irmão de Fee Audrey, embora ela tenha cabelos violeta e não loiros, ou castanhos pelo menos...sabe como é, cabelos de personagens em J-RPGs precisam ser os mais coloridos e variados possíveis pra agradar os nerds e otakus em geral...
  • Chaos: um dos vilões mais importantes do jogo, é um Sephiroth da vida, e tem uma versão oposta da espada de Felt. Entretanto, a sua pose de mal e frio durante o jogo inteiro é luto por causa de sua irmã falecida, que ele tenta ressucitá-la a qualquer custo. Cansada de tanta emisse, a alma embutida na espada dele (Palaxius) perde a paciência, o possui e... que surpresa! Ele sequestra Iris pra se aproveitar dos poderes dela e é o último boss que você enfrenta.
  • Galahad: pai de Noin, resolveu servir à realeza de Belkhyde pro falta de propósito na vida. No final do jogo, fica cansado de servir pro cônsul, que é um folgado, inútil e covarde que só fica fumando cigatinhos e consegue fazer as pazes com Noin.
  • Pamela Ibis: embora aparentemente ela "só" apareça em Atelier Iris 1, Atelier Iris 3: Grand Phantasm, e Mana Khemia 1, ela também faz uma rápida aparição nesse jogo. Basta gravar com sua câmera caseira a abertura em anime, e depois rodar o vídeo gravado em velocidade bem devagar. Uma voz mais fofinha e irritante ainda que da música vai começar a tocar, e aparecerá por três milésimos de centésimos de segundos a imagem de uma guria retardada segurando um ursinho grande e ridículo.
v d e h
Atelier logo.png