Athli̱tikí̱ Éno̱si̱ Lemesoú

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Athli̱tikí̱ Éno̱si̱ Lemesoú
Escudo do AEL Limassol.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Átila Nosis Limonada
Origem Bandeira do Chipre Chipre- Limassol
Apelidos
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote
Torcedor Ilustre
Estádio Tyrion Lanister Stadium
Capacidade
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador Nuvola apps core.png
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Cipriota
Divisão Πρωτάθλημα Α' Κατηγορίας
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Athli̱tikí̱ Éno̱si̱ Lemesoú, ou simplesmente AEL para facilitar é um time grego da ilha de Creta mas que joga pelo campeonato cipriota. É um time amaldiçoado, pois é o sétimo melhor time do septuagésimo sétimo melhor país da Europa.

História[editar]

Fundação[editar]

Criado em 1930, o AEL inicialmente era só um time de catadores de limão que se reuniam nos pomares de Limassol no Chipre para disputar quem colhia mais limão, e numa variante disputavam quem chupava mais limão um atrás do outro. Poucos anos depois a equipe do AEL foi um dos times responsáveis pela criação da Primeira Divisão de Arremesso de Faca do Chipre de 1934–35, torneio que necessitou de 6 anos para ser campeão, só em 1941.

Como o Chipre ainda não havia sido descoberto pela humanidade, os habitantes de Limassol observavam os aviões da Segunda Guerra Mundial cruzando os céus da ilha e criaram cruzes em formato de avião para serem louvados. Surgia então um novo esporte chamado de "queimada" onde ganhava aquele que desse mais boladas no adversário, cultura esta que o Limassol levaria para seus próximos anos.

Década de 50[editar]

Após a descoberta do Chipre e da introdução do futebol, a única época de relativo sucesso do AEL foi na década de 50, quando ganhou seus únicos títulos cipriotas. Depois disso em 1959 o time do AEL cairia todo na cratera de um vulcão e a equipe ficaria sem atletas pelos próximos 50 anos, porque esta é a única explicação plausível para um time não conseguir ser campeão na porcaria do Chipre por tanto tempo.

Década de 90[editar]

Agora pensa em algo realmente decadente, e este é o AEL na década de 90, quando chegou a rebaixar no disputadíssimo, fortíssimo e competitivo octogésimo campeonato nacional mais difícil do mundo, o campeonato cipriota, mas tudo fazia parte de um plano intrincado para ganhar uma nova taça, a de campeão cipriota da Segunda Divisão de 1997.

Anos 2000[editar]

Com a chegada do técnico Pombos Christodoulou, o AEL se reestruturou, afinal até os pombos sabem treinar alguma coisa no Chipre. Após uma longa reestruturação de 12 anos (afinal são pombos), e em 2012 ganhou então o seu título cipriota.

Participações europeias de 2012 a 2015[editar]

Com a globalização do mundo, o Chipre passou a ser incluído nas competições europeias. Teoricamente disputou duas Liga dos Campeões da UEFA, mas não foi avistado neste torneio já que foi eliminado na fase preliminar da fase preliminar da fase preliminar, primeiro para o Anderlecht em 2013-13 e depois para o Zenit em 2014-15.

Também teoricamente disputou alguma Liga Europa na cota dos times horríveis, mas também não foi avistado já que sua especialidade pelo visto são as eliminações relâmpago.

Títulos[editar]