Athli̱tikós Podosfairikós Ómilos Ellí̱no̱n Lef̱ko̱sías

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Athli̱tikós Podosfairikós Ómilos Ellí̱no̱n Lef̱ko̱sías
Escudo do Apoel.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Athli̱tikós Podosfairikós Ómilos Ellí̱no̱n Lef̱ko̱sías
Origem Bandeira do Chipre Chipre- Nicósia
Apelidos
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote
Torcedor Ilustre
Estádio GPS Cadê Estádio?
Capacidade
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador Nuvola apps core.png
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Cipriota
Divisão Πρωτάθλημα Α' Κατηγορίας
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Athli̱tikós Podosfairikós Ómilos Ellí̱no̱n Lef̱ko̱sías (agora você sabe porque preferem chamar de "APOEL") literalmente "Atlético Poodles Noiados do Elton John", é o melhor e maior campeão do... Chipre! Ou seja, uma merda foda.

História[editar]

Fundação[editar]

Em 1926 surgia o POEL na capital cipriota, quando um grupo de 40 desocupados, preguiçosos em arranjar algum emprego produtivo, criaram um time de futebol. Como o esporte ainda era novidade na ilhota do Chipre, a equipe viajou o primeiro ano ao Egito onde jogou alguns amistosos os quais perdeu tudo. Naqueles primeiros jogos a falta de habilidade crônica da equipe e dos cipriota ficou bem evidente, só que o que mais chamou atenção foi como os jogadores do POEL só sabiam correr desembestadamente, e isso levou a colocação do "A" de Atlético no início do nome, e assim surgia o APOEL.

Problemas nos anos 40 e 50[editar]

Como o APOEL inventou a Federação Cipriota de Futebol para organizar o futebol de sua ilha e os campeonatos, a equipe não demorou em começar a disparar na quantidade de títulos, pois obviamente faria tabelas somente que se favorecesse. O APOEL portanto, sempre foi odiado pelos demais times por esse imperialismo que exerce, e a má se agravou em meados da década de 40 quando a equipe mandou uma carta para a Federação Grega desejando participar do campeonato grego e que para tal, pedia que o exército grego invadisse o Chipre e os transformassem numa segunda Creta. A ideia gerou descontentamento nos outros times, e o APOEL foi boicotado por um bom tempo.

Sem ser aceito no campeonato cipriota, de 1953 até 1960 o APOEL disputou o Campeonato Akrotiriano-dhekeliano de futebol o qual foi deca-campeão sobre times da décima-sexta divisão britânica.

Taça das Taças de 1963–64[editar]

Em 1963 o APOEL foi o primeiro time do Chipre a disputar algum torneio internacional ao ir disputar a Taça das Taças de 1963–64, um recém-criado torneio que reunia as principais zebras da Europa, e portanto o APOEL não pode ficar de fora. O time destacou-se pela média incrível de 9 gols marcados e 18 sofridos em apenas 4 partidas.

No primeiro jogo goleou o Gjøvik-Lyn da Noruega por 7x0 no placar agregado, e se acharam grandes coisas por golearem um time de um país desenvolvido, mesmo que esse time fosse formado por gnomos. O sonho acabou na fase seguinte de forma amarga, após uma derrota por incríveis 18x1 no agregado. Se pensou em algum time grande da Europa se enganou, a derrota foi para o pobre e terciário time português, o Sporting Lisboa, sim, aquele mesmo que tomou de 12x1 do Bayern de Munique. Aliás, este é um dos principais motivos do APOEL tentar a todo custo se manter distante da Liga dos Campeões, porque se um dia enfrentar o time alemão, sabe-se lá o que pode acontecer, seria no mínimo uma derrota por 20x0.

A partir dos anos 70[editar]

O APOEL ao longo dos anos 70 e 80 alternava jogar o campeonato grego e o campeonato cipriota, desde sempre nunca foi patriota e isso havia já se tornado costume.

Quando participou de sua terceira competição internacional, a Copa Europa de 1986–87, pagou mais um mico quando foi sorteado para enfrentar o Beşiktaş JK da Turquia. Por questões religiosas o governo do Chipre proibiu que o time do APOEL viajasse para Turquia para a realização do primeiro jogo, pois havia a crença generalizada que o rei turco inalava gregos com seu nariz gigante, apenas uma historinha fantasiosa para acirrar o ódio dos turcos mas que fora levava muito a sério. O APOEL portanto perdeu de W.O. e como punição foi banido das competições europeias por 1 ano (não que o time sentisse falta disso).

Anos 2000[editar]

Nos primeiros anos do século XX o APOEL teve grande destaque no Chipre, agora um país independente e com campeonato profissional. Sua primeira participação numa fase de grupos de Liga dos Campeões foi pela edição de 2009–10. Venceu um montão de time baba na fase preliminar e acabou avançando por acidente até um grupo com Chelsea FC, FC Porto e Atlético Madrid. A equipe do APOEL se dedicou apenas a não perder de goleada, e com uma retranca maldita perdeu todos jogos só por 1x0 e terminou na última colocação do grupo com nenhum ponto, atingindo assim com sucesso seu objetivo.

Liga dos Campeões da UEFA de 2011-12[editar]

Verdade seja dita, o APOEL era absolutamente desconhecido até o ano de 2012, depois de 2012 passou a ser mais ou menos (mais pra menos) conhecido no mundo. O time precisou avançar por 7 fases preliminares e vencer os times ruins de tods as partes da Europa para conseguir a vaga dos times café-com-leite para a fase de grupos da Liga dos Campeões de 2011-12. A sorte do time é que não havia absolutamente nenhum time bom em sua chave, apenas o Zenit da Rússia, o FC Porto e o Shakhtar Donetsk. O grupo era tão merda que mesmo com uma campanha medíocre cheia de empates e até uma derrota em casa, o APOEL classificou-se em primeiro!

Não foi só isso, nas oitavas-de-final eliminou o favorito Lyon sem Juninho Pernambucano, humilhando os franceses.

Aí encontrou nada menos que o Real Madrid nas quartas-de-final, então o APOEL sabendo de suas dificuldades apenas jogou para evitar derrota de 12x1, e conseguiu, foi derrotado apenas por 8x2 para o poderoso time espanhol.

Títulos[editar]

  • Campeonato Cipriota: 24 vezes (1935–36, 1936–37, 1937–38, 1938–39, 1939–40, 1946–47, 1947–48, 1948–49, 1951–52, 1964–65, 1972–73, 1979–80, 1985–86, 1989–90, 1991–92, 1995–96, 2001–02, 2003–04, 2006–07, 2008–09, 2010–11, 2012–13, 2013–14, 2014–15) e tudo isso vale menos do que ter chego numa quarta-de-final de Champions League