Ato médico

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Juiz.jpg Certifico, a quem interessar possa e para os devidos fins, que este artigo trata de assuntos chatos jurídicos

Data venia, se você tiver alguma informação adicional a trazer aos autos, protocole uma petição solicitando a juntada de uma procuração que outorgue a você poderes para tanto, ou clique aqui.


External.svg.png Duvida? Clica nos links!

Este artigo contém links externos que provam os fatos. Ou você só acredita na Wikipédia?
NovoWikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Ato médico.

Cquote1.png É uma cilada, Bino! Cquote2.png
Pedro sobre Ato médico
Cquote1.png Eu tenho medo! Cquote2.png
Regina Duarte sobre Ato médico
Cquote1.png Nós Também! Cquote2.png
enfermeiros, educadores físicos, biomédicos, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, farmacêuticos, optometristas, entre outros profissionais da saúde sobre Ato médico
Cquote1.png Nós não!! Cquote2.png
Dentistas sobre Ato médico
Cquote1.png Com prescrição médica? Pode! Cquote2.png
Doutora Lorca sobre consulta após aprovação do Ato médico
Cquote1.png Médico é como sal. Branco, barato e se encontra em qualquer esquina. Por isso que querem instituir sistema de cotas na própria profissão Cquote2.png
Ciro Gomes sobre Ato médico

O médico estuprador Roger Abdelmassih feliz da vida com a possibilidade de aprovação do Ato médico, pois nunca ficará sem trabalho, mesmo depois dos seus crimes hediondos.

Ato médico, no Brasil, é o nome dado a um infame Projeto de lei nº 268/2002 em tramitação no Senado que supostamente deveria regulamentar o exercício profissional da Medicina, mas consiste em uma lei com o objetivo de criar uma reserva de mercado aos profissionais dotados de superpoderes ao se denominarem de "doutor", como também fazem os advogados, mesmo que possuam apenas graduação e atendam como Clínico Geral, além do complexo de Deus, por conta do jaleco branquissimo, devido ao esforço mínimo na promoção da saúde. Limitando o progresso científico e a atuação profissional de outras áreas de atuação da saúde, como bem fez a Igreja Católica na Idade Média, é o modelo seguido pelos médicos contra a Enfermagem, Psicologia, Nutrição, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Optometria, Biomedicina e Farmácia.

Ou seja, se você um dia precisar de um dentista [gostosa] por conta de uma insuportável dor de dente repentina, será necessário o aval e encaminhamento de um Médico, para tratar aquela cárie que te atormenta insessantemente. Aí se você for pobre, se fudeu bonito, pois imagine só você esperando por horas na fila do SUS, entre diversos pacientes arrebentados que aguardam atendimento no Pronto Socorro, para você conseguir o "amém" de um médico qualquer para obter atendimento. O mesmo acontecerá com as demais situações envolvendo saúde. Se você quiser perder esta barriga de chopp, terá que procurar um médico, antes de uma academia ou nutricionista.

Ou seja, o Médico terá o controle sobre a atuação profissional de mais de treze categorias diferentes, o que exigiria mais de meio século de estudo para conhecer apenas os pressupostos básicos de cada profissão, sendo que a própria Medicina é dividida em mais de 50 especialidades diferentes justamente porque um profissioal médico não dá conta de conhecer todas às áreas médicas, mesmo que seja apenas um esteticista que passa o dia inteiro colocando próteses em namoradas de jogadores de futebol, mas ainda assim se arriscam a interferir em diversas profissões.

Analisando o outro lado do Ato Médico, percebe-se frustrados que não tiveram QI suficiente para adentrar em uma faculdade de Deuses, choramingando pelos cantos, pedindo para o Molusco com cornetas e raios-lasers para serem elevados a um patamar que não os pertencem. Porém quando o bicho pega, são os primeiros a recitarem a propagando Procure o seu Médico, pois sabem que fizeram cagada (ou não, as pregas podem estar soltas).

Nesse antro de falsos cordeiros vestidos com fantasias do Sidney Magal querendo mais e mais dinheiro, encontram-se os optometristas, que irão falar para a sua vó que está ficando cega devido a uma flechada de um querubim que só precisa de um óculos e tá tudo certo. No outro final de semana irão procurar no google nomes de doenças difíceis para fingirem fazer diagnósticos, sendo que mal sabem amarrar o cadarço do tênis.

Há também as costureiras humanas (acupunturistas) que acreditam que tudo é resolvido espetando uma agulha no lombo do candango, esquecendo que há alguns negócios estranhos, quase místicos embaixo da pele, como vasos (de flores) e nervos (carne de segunda é difícil). Mas se recusam a serem barrados de suas funções, pois o amigo da vizinha da prima de terceiro grau disse que é só espetar que tá tudo certo.

Analisando as propostas do Ato médico[editar]

Quando abre-se o formulário do e-mail contra o ato médico, a opção de estado é o Acre, um tiro no pé

O art. 4º, parag. I - Define que é privativo do médico o diagnóstico nosológico e a respectiva prescrição terapêutica.

Tradução - Todas as profissões da saúde realizam diagnóstico nosológico que é a definição de uma doença e seu tratamento, que passa a ser definido unicamente por um figurão formado em Medicina, mesmo que se trate de uma pessoa com obesidade mórbida, como a sua mãe, uma histérica anoréxica como a sua irmã, ou uma balofa que come e depois vomita, com sinais óbvios de bulimia como a sua tia, quem deverá dar este diagnóstico será unicamente o médico. Um nutricionista ou psicólogo em manifestação parecida correm sérios riscos de levarem chibatadas ao emitirem classificação ou opiniões sobre estas doenças ou seu tratamento sem a bênção de um "dotô", mesmo que sejam os principais profissionais no tratamento desses problemas.

O mesmo ocorre com o fisioterapeuta, que será indiferente à escoliose de 45º que seu avô apresentar, até que o "painho" diga "amém".


O art. 4º, parag. V - Define como privativo ao médico o procedimento de emissão de diagnósticos anatomopatológico e citopatológico.

Tradução - Ou seja, os Biólogos que desenvolveram a maioria dos estudos e descobertas sobre anatomia, patologia , além das descobertas sobre verminoses, sequer tem a possibilidade de se aproximar do seu exame de fezes, urina, sangue, etc (porque os biomédicos e farmacêuticos os realizam com maior competência). Enfim, aquelas crianças com barrigas cheia de vermes receberão dipirona e tylenol para o tratamento dessas patologias, já que os médicos com seus jalecos impecáveis se recusam a coletar amostras de água em comunidades ribeirinhas. Quero saber qual é o médico que vai se submeter a revirar cocô de criança no lugar do patologista analista clínico.

Exemplo de profissional da medicina preocupado com a sua saúde.

O art. 4º, parag. X - Define como privativo ao médico a indicação do uso de órteses e próteses.

Tradução - Ou seja, se você der de presente uma bengala nova à sua avózinha que teve a sua antiga bengala quebrada na sua cabeça, você corre sérios riscos de ser preso por isso, assim como a indicação de dentaduras não cabe mais ao dentista e óculos não podem ser receitados por um optometrista, profissional que passa cinco anos estudando os defeitos de visão além do funcionamento do sistema visual, e métodos não bulinativos não invasivos para a correção de tais defeitos (o médico oftalmologista faz isso por 5 meses) — devem ser feitas única e exclusivamente pelos médicos, caso contrário consiste em uma grave heresia, e a pena varia de 30 chibatadas à ouvir Fresno por 24 horas.


O art. 4º, parag. § 4º - Define como privativo ao médico a invasão dos orifícios naturais do corpo, atingindo órgãos internos.

Tradução - Simplificando; Quer dizer que só o médico pode praticar atos sexuais (preciso comentar mais alguma coisa???).


O art. 7º - Compreende-se entre as competências do Conselho Federal de Medicina editar normas para definir o caráter experimental de procedimentos em Medicina, autorizando ou vedando a sua prática pelos médicos.

Tradução - Ou seja, o Conselho Federal de Medicina se atribui poderes que cabem ao Poder Judiciário, pois ao contrário das demais profissões que possuem sua atuação definida por legislação federal, o CFM se atribui o direito de legislar sobre a intervenção fisiológica em humanos, ou seja, qualquer experimento, intervenção ou desenvolvimento de tratamento depende da aprovação do conselho de Medicina...

Veja Também[editar]