Bagre (Pará)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Bagre
""
Bandeira de Bagre.png
Bandeira
Aniversário 25 de março
Fundação 25 de março de 1961
Gentílico cabeças-de-bagre
Lema Aqui fede a peixe
Prefeito(a) Não disponível
Localização
Localização de Bagre
Estado link={{{3}}} Pará
Mesorregião Ilha dos Búfalos
Microrregião Porcaria
Municípios limítrofes Não disponível
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma indioês
Densidade hab./km²
Altitude metros
Clima Não disponível
Fuso horário UTC
Indicadores
IDH
PIB R$
PIB per capita R$

Cquote1.png Você quis dizer: Cabeça-de-bagre Cquote2.png
Google sobre Bagre (Pará)
Cquote1.png Experimente também: Pacu Cquote2.png
Sugestão do Google para Bagre (Pará)
Cquote1.png Aqui vive pitiú! Cquote2.png
Bagrense sobre Bagre

Bagre (não confundir com o peixe cuja cabeça denomina qualquer idiota que nem você) é mais um dos mais de oito mil municípios excluídos e localizados no vasto estado do Pará, no Norte do País. Ele pode ser encontrado na parte Norte do Estado, mais precisamente na Ilha que fica logo acima dele, o Amapá a Ilha do Marajó.

Como mais um município no meio do mato e esquecido por Deus, a maior parte da sua população não passa de muitos ribeirinhos e poucos latifundiários e exploradores de terras (vulgo grileiros), que adoram essas regiões inóspitas para fazer as suas falcatruas, principalmente em épocas de eleições e coisas do tipo (é só nessas épocas que lembram que há moradores em Bagre). Como um local fenado, ninguém ao certo sabe se Bagre realmente existe, já que não se tem registrado em nenhum lugar dos livros das bibliotecas do Estado do Pará, alguma coisa que tenha acontecido de importante no município e que mereça extrema importância nesse artigo.

História[editar]

A magnífica orla de Bagre, cobiçada desde as épocas republicanas (ou não).

Não se sabe ao certo como foi que um grupo de pessoas conseguiram se perder no meio do nada com coisa alguma e lá fundaram uma minúscula e pequena vila, onde (não podendo mais voltar para uma civilização digna e que lhes dessem condições de moradia de seres humanos) decidiram fixar residência e lá estão até hoje perdendo tempo e totalmente esquecidos (para você ver o que a falta de um GPS pode fazer na vida das pessoas). Sabe-se porém que tal fato marcante na história do nosso mundo aconteceu mais precisamente na época da Proclamação da República (uma data mais importante ainda), quando o que o Brasil realmente queria na vida era expandir territórios e mostrar soberania na Amazônia.

Provavelmente os primeiros moradores dali foram nordestinos, já que esse povo adorava migrar para terras mais molhadas para fugir do deserto que era o Nordeste, sem falar que eles são os únicos do país inteiro que mais gostam de viajar e conhecer os outros estados (imagine como seria se eles fossem ricos).

Translineação? Os bagrenses conhecem isso muito bem (clique para ver melhor).

Depois de Anal Já! Anajás, Bagre é o município mais rodado como distrito de outros municípios do Pará, mostrando assim que ninguém quer ficar com essa bomba do seu lado. Mais repassado do que puta de Bordel de quinta, Bagre já pertenceu várias vezes a Oeiras do Pará, com quem mantinha um relacionamento sólido até então. Porém, muitos prefeitos que viam no município um polo de crescimento para os seus bolsos o seu próprio domínio, viviam retirando a posse de Oeiras dele e anexando-o ao seu.

Isso foi tanto que Bagre já foi distrito de TOBAlinho, Melaço e Bordel, mostrando assim que o município devia ser muito gostoso, pra ficar sendo repassado de mão-em-mão assim. Ao final, Oeiras do Pará ainda conseguiu ele de volta, mas, sentindo-se como uma mulher traída, Bagre decidiu se emancipar de qualquer um que o desejasse e alcançar a sua autonomia como município, coisa que acabou não conseguindo, se bem que ele ainda seria muito mais feliz se vivesse anexada a um outro (ou não?).

Clima[editar]

Principal meio de transporte utilizado para fugir chegar a Bagre.

De clima equatorial e superúmido, Bagre também vive bem molhada, tal qual o município Calçoene em tempos de Infverno.

População[editar]

Segundo dados estatísticos do IBGE de 2007 (que provavelmente estão errado, como sempre), Bagre possui um pouco mais de 18.500 habitantes, apesar de vermos somente uma viva alma dentro da sede do município (isso quando damos sorte, pois nem sempre isso é possível).

Economia[editar]

Apesar do nome do município ser "Bagre", a principal fonte de renda da população nada tem haver com a pesca do bendito peixe ou mesmo de qualquer fruto do mar, mas sim com a colheita de açaí.

Turismo[editar]

Na cidade ocorre (assim como em Afuá e outros milhões de municípios paraenses) os benditos festivais de açaí, sendo o Festival do Açaí, onde você vê de tudo um pouco, menos a fruta utilizada como anabolizante natural dos Playssons marombeiros. Além disso, a cidade ainda sobrevive com as festas religiosas em homenagem à Santa Maria, que ainda rende uma boa grana para o município mais do que as festas pecaminosas do Festival do Açaí.