Bailarino

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Jiraiya 01(73).gif ... and do the Harlem Shake!!

Este artigo é sobre alguém que dança sem parar e vive de rebolar e rodar,
assim como a Lady Gaga, a Beyoncé ou o Neymar.

Não vandalize o artigo ou vão te perseguir para dançar o hit da moda.


Bailarino ao perder sua sapatilha nova.

Bailarino sai rodopiando por aí e descobre que suas pernas foram feitas para isso, mesmo que seja apenas para se comunicar com a divindade (nem que seja com a Pomba-gira), os bailarinos dançavam sempre juntos com as bailarinas, mas isso sde dançar além da conta nunca foi algo bem visto para quem tenha e honre o próprio pinto, mas a maioria dos bailarinos sequer sabe o que é dar a bunda, é apenas uma forma de expressão da qual alguns seres humanos têm mais jeito pra coisa (me refiro a dançar, não a dar a bunda), assim como todas as atividades do âmbito de gente. Já os bichos não humanos, sendo ou não bichas dançam mesmo e não tão nem aí, inclusive dançam para atrair as fêmeas, os humanos dependem mais do que está vagando pelo ar.

Sapatilha[editar]

No restante da fauna os bichos não encontram dificuldades com fêmeas ao dançarem.

Os bailarinos, em sua maioria, mesmo que não partam para o balé clássico têm que usar sapatilhas, mas nem por isso precisam usar as mesmas que as bailarinas, aquelas rosinhas então, devem passar longe. Sapatilha em pé de macho deveras é uma coisa medonha, mas ainda não se encontrou coisa melhor para treinar dança do que isso, assim enfie a sapatilha... nos pés e saia fazendo os primeiros passos. Dos males o menor, as sapatilhas de homens não têm nenhum lacinho, mas se você que tem todo jeito pra bailarino quiser amarrar aquele lacinho, nada lhe impede mona.

As sapatilhas de homens não testemunham tanta coisa interessante (aquelas mesmo) quanto às que vão nos pesinhos das bailarinas, mas as dos bailarinos acabam por viver muitas emoções. Como quando os bailarinos vão ao banheiro e têm que aturar olhares estranhos, e muitas vezes acaba mesmo em briga, porque querem enfiar a cabeça dessa bichona de sapatilha na privada e dar a descarga para ver se a bosta da cabeça desse sem noção sai e ele deixa de usar e fazer coisas de mulher.

Felizmente para o bailarino, ele acaba por ganhar a maioria das brigas, por incrível pareça, pois a dancinha não é apenas para lembrar a porção divino dos dançarinos, mas serve também para deixar as articulações, reflexos e músculos zero bala, sempre. Há á muitas outras situações estranhas que as sapatilhas testemunham, inclusive quando o bailarino resolve calçá-las e sair treinando em qualquer lugar, daí sai dando pulinhos e rodopios por aí, e as pessoas olham para ele com ar de que não acreditam no que estão vendo, as sapatilhas não têm vontade própria, do contrário pulariam dos pés do bailarino e sairiam correndo sosinhas.

Mais balé[editar]

Fêmeas humanas chegam mesmo a duvidar que bailarinos têm a ferramenta.
Toda a beleza do bailarino.

Já que a comunicação aqui é totalmente com o plano divino, os bailarinos não são bons em entender coisas mais animalescas, do tipo palavrões, xingos, insultos. Ao ouvir algo assim ainda é capaz do carinha dançante olhar pra você amigavelmente, dar um sorrisinho e sair rodopiando novamente. O que mais fazem é rodopiar, esses seres costumam ter menos coisas como tontura, enjôo e tals, parece que girar é com eles. O Taz apesar daquela ogrice toda, é um bailarino, mas ele gira tão rápido que ninguém percebe que além do giro ele executa coreografias, mas ele também usa isso para se acasalar, coisa que apenas a demônio fêmea consegue perceber e fica toda querendo dar pra ele.

Os bailarinos não fazem questão de roupinha ajustada, mas no balé clássico é inevitável, eles não reclamam, e lá vão. As gurias(agora voltamos a falar de humanos), gostam, mas não querem se decepcionar com mais uma bicha em suas vidas e não dão em cima, nem embaixo e não dão muito mole, isso por causa daquela inevitável fama de boióla deles, elas suspiram querendo por a bundinha e a perereca no colo dos bailarinos, sentindo aquelas pernas fortes, mas têm medo que eles gostem da mesma fruta. Desse modo os bailarinos têm que se esforçar pra conseguir muié, não é como no restante da fauna que se os bichos dançarem bem estarão com o acasalamento garantido.

Ver também[editar]