Balrog (Senhor dos Anéis)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Balrogs são uns demônios mais ou menos gigantes cornos jogadores de Free Fire (sim, você já esperava essa piada aqui...), graças ao seus chifres, conhecidos por justamente não serem conhecidos, trazendo uma série de mistérios e especulações a respeito de seus costumes, como se alimentam, onde habitam e como se reproduzem, hoje, na novela das sete... Porém a grande verdade sobre essa raça de capetas, maior do que a busanfa da Nicki Minaj, é que eles só ficaram famosos graças aquela cena de Gandalf falecendo prum deles, que por sinal só é de boa qualidade em inglês, pois dublado ficou um lixo...

Aspectos em geral[editar]

Os Balrogs são vistos normalmente como criaturas encapetas, reptilianas, humanoides, com chifres, cobertas por fogo e lava, levando um chicote masoquista numa mão e na outra uma espada sadista para enfiar no cu do parceiro sexual, além de terem uns 5 metros de altura e vivem numa TPM infinita, atacando tudo que vêem pela frente. Contudo, muitos pensam que os Balrogs são apenas essa peste muito bem descrita anteriormente, mas na realidade elas também podem ser mais "humanizadas", e ao invés de um chicote outros preferem levar consigo umas algemas e botas de couro, mas como é difícil encontrar um desses objetos no tamanho deles a maioria opta pelo chicote e espada mesmo...

"Biografia"[editar]

Momentos antes da luta entre o Balrog e Dumbledore...

Tudo começou quando Melkor, também conhecido pelo nome de Morgoth, nome cujo grafia bug a servidor do cérebro de pessoas com menores taxas de faculdades mentais, principalmente por não saberem corretamente quando coloca a letra "r"... Voltando ao assunto principal, esse cara ai, como qualquer vilão over power, seduziu muitos para seu lado maléfico, entre eles outros de sua raça, e foi assim que os Balrogs surgiram... é, meio sem graça diga-se de passagem. Talvez Tolkien estivesse sem inspiração no momento...

Depois de sua criação, era lógico que eles não poderiam ficar parados fazendo porra nenhuma, como por exemplo você que está lendo um texto de baixa qualidade, e que tem uma chance alta de degenerar seus neurônios com piadas de tão baixo nível... Por conta disso eles sempre participaram de guerras e destruições de cidades inteiras, especialmente aquelas que são citadas nos livros mais desinteressantes do universo criado por Tolkien, o que explica a falta de conteúdo a respeito desses seres...

Porém, com tempo eles foram entrando em extinção, ao ponto de mais nenhum ser encontrado por bastante tempo na Terra Média. Contudo, um bando de anões trabalhadores da mineradora Samarco, com parceria da Vale, acabaram por minerar fundo até demais, acordando um último Balrog que saiu arrombado o ânus de cada um. Tempos depois o mesmo foi reencontrado por Gandalf, pois o velhote parece ter contato com todo mundo da Terra Média e além dela, enquanto ele e seus companheiros marchavam até Mordor. Ele, numa cena dita por muitos mais épica do que ver Ayrton Senna pilotando um carro, consegue derrotar o bichão, mas acaba entrando em óbito durante o processo, rendendo uma das cenas mais gays do livro, e do filme, onde os habbits ficam chorando no colinho um do outro após o ocorrido...

Ver também[editar]

v d e h