Bannach

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Gostei do nome dessa cidade... Cquote2.png
Moderador Malvado sobre BANnach

Bannach (mais conhecida como Bannalch) é uma cidade totalmente insignificante do Pará. Localizada na região Sudeste (onde a cada segundo são registrados 15243 mortes), foi recentemente (no começo da década de 90) criada. É totalmente desconhecida até para o resto do estado (o que não é difícil acontecer, pois existem mais de oito mil outras cidades neste inferno que chamam de Estado). Foi criada por um minoritário grupo capitalista de exploração, que chegou ao local e se separou de Ourilândia do Norte.

Mesmo sendo uma cidade isolada que ninguém conhece e que só aparece no noticiário estadual nas manchetes de falcatruas políticas e desmatamento insustentável e ilegal da selva amazônica, há habitantes doidos o bastante que acham esse lugar uma maravilha, cujo acesso é feito através de uma estrada de lama.

História[editar]

Raríssima imagem de Bannach, local onde a tecnologia da fotografia ainda não chegou, o que explica a total ausência de qualquer registro de como é lá o local.

Tudo começa com uma flagelada e miserável família (que prefiro não citar o nome óbvio) do sul do país. Com suas vidas por um fio, decidem pegar todas as suas míseras economias e partir pelo país afora atrás de uma terra para viver. Com seus míseros centavos acham uma pequena porção de terra num lugar fácil de adquiri-las (tão fácil que até você pode!), a Amazônia!, mas precisamente no Pará. Tentam plantar variadas culturas em suas recém adquiridas terras, mas o solo pobre amazônico trolla os ingênuos sulistas e os fazem ficar numa merda pior ainda. Sem dinheiro e com muita fome, decidem explorar as inúmeras toras (ui!) das árvores do local para vendê-las, com o tempo começam a ficar ricos e a atrair um número cada vez maior de flagelados que foram expulsos das invasões que existiam nas terras de Jader Barbalho. Conseguem a emancipação do município ferrado que o continha, Ourilândia do Norte, e passam a ser mais uma miserável e ferrada cidade do interior do Pará.

Economia[editar]

Ficando a mais de oito mil quilômetros da capital Belém e do mundo, a cidade, assim como as demais no estado, é cheia de defeitos e atrasos. Não há ruas asfaltadas (o que o prefeito denomina de asfalto pode ser chamado de qualquer outra coisa, de argila talvez), saneamento básico não existe, e "serviços públicos" é uma expressão que ninguém nunca ouviu falar no local.

Bannach é historicamente ligada a atividade de arrancar pau (madeireira). Com essa exploração pode acumular uma graninha pra molhar a mão de uns políticos para a emancipação do município. Hoje, a principal atividade econômica do fim de mundo lugar é a atividade da Colheita Feliz. Alguns corajosos e alienados orgulhosos habitantes do local insistem em dizer que o lugar tem potencial turístico com algumas serras vagabundas (que nem se sabe se realmente podem ser chamadas de serras...).

Política[editar]

Bannach é a única cidade do Brasil que possui mais eleitores do que quantidade de habitantes (incluindo crianças e idosos, que não votam). É também o único município do mundo que possui mais cargos (fantasmas) na prefeitura do que habitantes. Mesmo assim, a cidade é conhecida por ser o local onde a maior parte da população não vai às urnas na eleição, ou seja, ser político em Bannach é uma perca de tempo.

População[editar]

O miserável buraco tem como habitantes humildes e subordinados mortos de fome, que com suas poucas moedas (não há conhecimento de qualquer dinheiro em papel nessa vila) tentam alimentar seus doze a quatorze filhos. A plataforma do Governo desse buraco é formada por políticos analfabetos que, por lá mesmo se formaram.

O único meio de comunicação da miserável população com o mundo é telegramas, sendo que o carteiro visita o pequeno buraco de 12 em 12 meses.