Batalha dos Aflitos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Futebolismo aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa pra quem você torce, seja o Ceará, o Fortaleza ou o Bahia. Seja engraçado e não apenas idiota.
Cquote1.png Um dos maiores clássicos da segundona. Cquote2.png
Galvão Bueno sobre esse jogo

Cquote1.png Há anos não se via um jogo tão ruim. Cquote2.png
Luciano do Valle sobre a partida
Cquote1.png Lançar DVD de segundona? Depois falam que nós somos time pequeno Cquote2.png
Diretor do Íbis sobre o DVD lançado pelo time gaúcho


Batalha dos Aflitos é como ficou conhecida a partida disputada entre o Náuticu, de Recife, e o Gr.Emo, em 26 de novembro de 2005, no Estádio dos Aflitos.

A partida, um clássico da segunda divisão, decidia a mesma daquele ano.

Imagem do Jogo, uma várzea só...

O Gr.Emo precisava empatar, e ainda contou com a ruindade do time pernambucano, que perdeu dois pênaltis e ainda levou um gol no final.

A torcida gaúcha do time azul fez uma super festa no estádio, afinal, enquanto o rival Internacional era apenas vice no Campeonato Brasileiro, o Gr.Emo era campeão. Da segundona, mas era campeão...

O Jogo

No dia 26 de Novembro de 2005, aconteceu a coisa mais bizarra já vista na história do futebol.
Torcida xinga o atacante adversário.
No Estádio dos Aflitos, o Gr.Emo necessitava de um empate pra voltar a ser o time mais fraco da primeira divisão do Campeonato Brasileiro de futebol, e de uma vitória para o "Título" da Segundona.

O Náutico só buscava a vitória, pra não ter que participar de sua 19ª Segundona. Os pernambucanos, foram ,literalmente, pra cima dos Gaúchos desde o início, e eles gostaram. Mas o time de Mano Brown Menezes estava precavido. Havia feito a concentração na Sauna Gay, o que revigorava os atletas. Mas logo o time nordestino conseguiu um pênalti a seu favor. Aos gritos histéricos de playsons e emos pernambucanos, Bruno Carvalho acertou a trave pra alegria dos torcedores gremistas, que comemoraram com a avalanche.

No segundo tempo, o jogo estava tão chato que os gaúchos chegaram a defender uma bola com bloqueio de vôlei. Essa boiolagem custou a expulsão do lateral Escalona, e posteriormente mais um pênalti a favor do time nordestino. A marcação do árbitro Djalma Beltrami causou uma revolta por parte das monas gaúchas, ficaram tão atacadas que foi preciso uma intervensão policial pra acalmar os ânimos.

Depois de 24 minutos, muita discussão e unhas quebradas, os visitantes perderam três jogadores, Nunes, Patrício e Domingos, e ficou literalmente de quatro. Mas mesmo com tudo a seu favor, a ruindade do time dos Aflitos e a predestinação prevaleceu.

Ademar foi pra bola, disperdiçou as duas cobranças, a primeira foi anulada, pois o jogador do Náutico não fez a tradicional "dancinha de chute", e a segunda, Gallato defendeu. Então brilhou a estrela da mais nova bicha revelação gaymista, Anderson que em uma jogada rápida, e com um leve toque cheio de pose e sensualidade, fez o memorável gol que deu ao Gr. Emo o seu tão comemorado Título de Campeão da Segundona.

O DVD

Alguns gremistas taxaram o feito de heroico e inacreditável. Realmente, nunca um time que precisava ganhar, jogando em casa, perdeu dois pênaltis (na verdade, três, ja que no primeiro o juiz chegou a mandar repetir). O Campeonato foi decidido no excesso de ruindade da equipe do Náutico.

Com isso, os gremistas lançaram um DVD contando a história do jogo e todas as macumbas que fizeram para ter essa sorte de jogar contra um adversário tão ruim, conquistando assim o grandioso título da segundona, no mesmo ano que o time perdera de 4 a 0 para o poderoso Anapolina.

O DVD vem com extras como o depoimento de ídolos do time, como Clodovil e Rogéria, além de cenas da suruba comemoração no vestiário.

Foram vendidas 24 mil cópias no lançamento, na Parada Gay de Porto Alegre.