Big Bubble

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Night creature.JPG Big Bubble surgiu das trevas!!

Of DOOOOOOOOOM!!!

Puro osso.gif


Cquote1.png O que é essa coisa verde? Cquote2.png
Você quando criança sobre Big Bubble
Cquote1.png É o chulé do chefão! Cquote2.png
Teu primo retardado em resposta a você sobre Big Bubble

Big Bubble 2.gif

Big Bubbles são trecos verdes, redondos e asquerosos que ficam flutuando por aí em casas assombradas espalhadas por toda Dinosaur Land. Na verdade, tratam-se de inimigos aleatórios e completamente secundários, porém, inesquecíveis para qualquer jogador de Mario, tendo em vista seu formato peculiar e sua chatice extrema. Sua principal função é atrasar Mario e aquele carinha verde que aparece quando você tenta escolher o Mario duas vezes.

Origem: Teoria 1[editar]

Não sabe-se ao certo a origem das Big Bubbles. Sobretudo pelo fato de as mesmas, mesmo sendo adotadas como inimigos na série Mario, não serem exatamente criaturas vivas. Diversas são as teorias defendidas por mariologistas sobre sua possível origem. Dentre elas, 4 teorias tem maior aceitação.

Paracelso frente a frente com uma dessas aberrações tóxicas.

A primeira teoria defende que na verdade, as Big Bubbles são o fruto de uma experiência científica. Tudo teria começado durante a Idade Moderna. Num belo dia, em algum lugar da Suiça, um indivíduo conhecido como Paracelso, estava a caminhar desnorteadamente pelas ruas de uma cidade perdida no meio do nada. O motivo para tal pressa deve-se ao fato de que o dito cujo havia secado toda despensa de sua casa, não deixando qualquer rastro ou farelo de comida na mesma. Vendo que havia ficado sem comida, o indivíduo imediatamente entrara em surto psicótico proveniente de uma crise de abstinência.

Em virtude do desespero pela ausência de comida, Paracelso começou a caminhar em busca de qualquer fonte de gordura que pudesse encontrar pela frente. Após andar muito e quase ter um ataque fulminante do coração proveniente do cansaço decorrente de seu extremo sedentarismo, Paracelso deparou-se com uma porta aberta no final da rua. Por algum motivo obscuro e sem explicação aparente (afinal, ele estava completamente fora de si), o homem adentra no lugar. Para sua alegria, lá ele encontra várias prateleiras, com estoques e mais estoques de queijo. Completamente cego pela abstinência de gorduras trans, Paracelso imediatamente ataca aqueles queijos indefesos, visando saciar sua fome de leão.

Porém, quando termina de deleitar-se com toda aquela comilança, o dono do estabelecimento (que tratava-se de uma loja especializada na compra, venda e troca de queijo) fica de boca aberta ao calcular todo o prejuízo no qual havia ficado. Logo, o dono exige que Paracelso pague por tudo o que tinha consumido em em 7 dias, caso contrário, ele seria acusado de roubo de comida.

Com medo de ser processado e possivelmente preso, no dia seguinte, Paracelso, muito conhecido na época por sua ampla experiência nas áreas da química, física, bioquímica, alquimia, toxicologia, biologia e ocultismo, dá início a criação de uma série de produtos tóxicos, os quais passou a negociar com traficantes no mercado negro da época a preços abismais para pagar sua dívida. Certo dia porém, em meio a elaboração da fórmula de uma nova substância, Paracelso derruba acidentalmente em seu caldeirão um frasco de elemento X, e o mesmo começa a borbulhar e liberar bolhas esverdeadas tóxicas mais corrosivas que ácido fluorídrico, que desintegravam qualquer coisa em que impregnassem. Como não podia vender isso, pois poderia ser acusado de bruxaria, Paracelso guarda a fórmula num baú e enterra no quintal de casa (ao lado do cadáver de sua falecida sogra, que havia morrido misteriosamente certa vez enquanto dormia em visita ao seu genro), para que ninguém tivesse acesso a mesma. Posteriormente, a fórmula fora encontrada por Kamek, um dos arqueólogos de Bowser.

Origem: Teoria 2[editar]

A segunda teoria defende a tese de que as Big Bubbles foram na verdade criadas como parte de um ritual de macumba utilizado numa briga entre dois poderosos magos da Idade Média. Certo dia, uma famosa feiticeira conhecida como Bruxa do 71, fora inocentemente dar uma de suas habituais caminhadas matinais pelas planícies da Terra Média. Porém, algo diferente aconteceu naquele dia: ela se depara com um sábio mago, portador de um cajado tão ilustre quanto o curioso chapéu que usava. O mago era conhecido como Ramon, o Cinzento, e assim que se deparara com ele filosofando sobre a vida enquanto ensinava um grupo de anões valores como perdão e amor ao próximo, Bruxa do 71 se apaixonou de imediato.

Uma simpática Big Bubble, toda sorridente por aí enquanto esbanja alegria e simpatia.

Certo dia porém, quando estava pensando em declarar todo seu amor para o sábio mago, Bruxa do 71 tem seu coração partido: chegando lá, ela se depara com seu amado nos braços de uma elfa feiticeira, conhecida como Glória das Florestas Uivantes. Por ser elfa, Glória já ganhava de Bruxa do 71 de lavada em termos de beleza, mas o pior é que a mesma tinha o adicional de também mexer com macumba magia, reduzindo as chances da pobre coitada à zero. Mas a bruxa não estava apta a desistir, e convencera-se de uma vez por todas que faria o que fosse possível para alcançar seus objetivos e conquistar Ramon. Nisso, ela dá início a um plano maléfico no qual roubaria o coração do mago através de uma poção mágica.

No dia seguinte, Bruxa do 71 dá início a sua empreitada. Após revirar todas as gavetas de sua casa, ela finalmente acha a receita para a poção do amor de sua avó. Em algumas horas, Bruxa do 71 consegue todos os ingredientes (língua de elfo, folhas de maconha, verruga de troll, pele de sapo, dedo de orc, terra de cemitério e olhos de salamandra). O último ingrediente consistia em elaborar um boneco voodoo daquele que deveria ser seu alvo e jogar dentro do caldeirão, que o mesmo seria seu para sempre. Entretanto, enquanto preparava a sua poção, Bruxa do 71 dava risadas maléficas que ecoavam por toda a floresta, o que por sua vez, atraiu a atenção de algumas aranhas psicopatas, as quais invadiram a casa da bruxa e derrubaram seu caldeirão por completo.

Após matar as aranhas e devorá-las no meio de um deliciosos sanduíche, a Bruxa do 71 decide que estava na hora de apelar para a ignorância e eliminar a concorrência, tendo em vista que estava com uma preguiça desgraçada de fazer uma nova poção. Dessa maneira, Bruxa do 71 parte em busca de Glória, a qual depois de encontrar, desafia em um duelo de vida ou morte. Gloria aceita o desafio e ambas iniciam uma batalha épica entre elas digna de uma história em quadrinhos de super-heróis. Porém, Bruxa do 71, ao ver que estava perdendo, decide recorrer a mais suja trapaça, jogando areia nos olhos de Glória e atacando-a desprevenida. Quando estava prestes a dar o golpe final porém, a elfa Gloria lembra-se de um feitiço que lhe fora ensinado pelo seu pai, e após recitar algumas palavras em latim, inúmeras bolhas verdes atacam a Bruxa do 71, deixando-lhe desnorteada e tonta. Dessa maneira, Glória aproveita a deixa e aplica uma rasteira marota na Bruxa do 71, que cai no chão nocauteada, batendo a cabeça numa pedra e morrendo de traumatismo craniano instantaneamente.

As palavras proferidas por Gloria faziam parte de um poderoso ritual de macumba, e a fim de de que mais ninguém se apropriasse das mesmas para ferir outra vida, Glória as registra num pergaminho sob o título de "feitiço proibido" e esconde numa caverna. Anos depois, sobre essa mesma caverna, ergueu-se um casa assombrada repleta de morcegos, plataformas de pedras flutuantes, répteis mutantes, fantasmas obesos e magia negra em geral. Tamanha energia negativa teria energizado tal pergaminho suficiente para que todo o mal contido no mesmo fosse liberando, passando desde a produzir as mesmas bolhas esverdeadas utilizadas para derrotar Bruxa do 71.

Outras teorias[editar]

Big Bubbles em seu habitat natural.

Além das duas teorias citadas acima, há ainda outras especulações sobre a possível origem das Big Bubbles. Uma delas defende que há muito tempo atrás, na atual Dinosaur Land, havia um grande lago límpido e cristalino no qual Cheep Cheeps costumavam viver alegremente. Porém, com a globalização e a constante industrialização, esse lago passou a ser contaminado por lixo tóxico e substâncias químicas adversas, o que teria transformado os Cheep Cheeps em Fishbones e originando reações químicas variadas, as quais teriam passado a liberar as Big Bubbles de suas águas tóxicas.

Há também que defenda que há muito tempo atrás, uma nave espacial tenha caído em um milharal situado nos quintais de Bowser. Como ele nunca gostou nem um pouco de invasores em suas propriedades, Bowser capturou os alienígenas forasteiros e arremessou em suas masmorras, confiscando todos os seus bens e deixando-os lá para apodrecer até seus últimos dias (posteriormente esses aliens teriam sido escalados como guardas reais de Bowser, manobrando os Bill Blasters). Uma das armas confiscadas disparava uma estranha esfera verde que movia-se fazendo movimentos ondulatórios para frente. Bowser gostou do protótipo, e obrigou os aliens capturados a produzir mais daquelas armas em massa. Após abusar da mão de obra escrava, Bowser teria equipada casas assombradas de toda Dinosaur Island com essas armas, as quais são equipadas com sensores de movimento que disparam tais bolhas ao primeiro sinal da invasão de encanadores bigodudos.

Por fim, uma das teorias mais absurdas possíveis afirma que na verdade essas bolhas verdes nada mais são do que o fruto de um pacto com o Capeta supostamente realizado por Bowser, que em meio ao desespero, acabou por aderir a medidas mais drásticas, questionáveis e macabras com o único intuito de assassinar desesperadamente a todo custo seu arqui-inimigo. Porém, todas não passam de teorias sem fundamentos, e a única portadora da verdade sobre a origem de tais anomalias da natureza é a obscura Nintendo.

Habilidades e Características[editar]

Big Bubbles são inimigos completamente secundários, sem qualquer história oficial ou dado a seu respeito. Provavelmente, a Nintendo estava com preguiça de criar um inimigo mais trabalhado e interessante, então, decidiu desenhar uma circunferência, pintar de verde e mandar para a sessão de animação só para dizer que Super Mario World tem uma ampla variedade de inimigos. Na verdade, essa porcaria, mesmo sendo classificada como um inimigo, nem pode ser considerada como tal, tendo em vista que nem vida possui.

Big Bubbles trabalhando juntas na mais perfeita sintonia, prontinhas para ferrar a vida de algum noob.

Em termos de aparência, essa aberração pode ser descrita de maneira simples: trata-se de um círculo obeso e verde desenhado provavelmente com um compasso e com um contorno amarronzado claramente visível para qualquer um que tenha um pingo de percepção. A única técnica avançada utilizada no desenho desse treco abominável é uma sombra em formato de uma lua anorexa no canto direito do círculo da bolha. O verde utilizado em sua coloração é a pior tonalidade possível dessa cor, do tipo que irritaria os olhos de qualquer um só de vê-lo se movendo na tela. Esse é o principal motivo de muita gente tentar matar essa coisa quando a vê, pois sua coloração berrante consegue despertar o mais profundo ódio em qualquer um que lhe destine o olhar.

Até onde se sabe, essa bolha miserável não tem nenhuma utilidade relevante, tanto é que consegue aparecer menos que o igualmente secundário Torpedo Ted. Basicamente, essa bolha desgramada é indestrutível, irritante e se move desengonçadamente em movimentos ondulatórios para frente. Não faz mais nada além disso. Talvez, a única utilidade mesmo dessa abominação é a de enganar aqueles pirralhos noobs e burros que estão jogando Super Mario World pela primeira vez na vida, e por consequência de sua inexperiência, já saem tentando matar a Big Bubble com um pisão na cabeça. Esse treco, como já mencionado, mesmo sendo uma bolha (que em teoria, poderia ser destruída com um simples encostão), é indestrutível, o que reforça a especulação de que trata-se de uma obra de Satã. Dessa maneira, a única forma de passar por ela é dando aquela giradinha tosca sobre a mesma e pulando para a plataforma logo a frente. Vale ressaltar que se você se abaixar, essa coisa vai te acertar na hora provavelmente, lhe fazendo perder um cogumelo alucinógeno, uma peninha ou uma florzinha (e por conseguinte, lhe fazendo xingar a mãe da coitada da bolha de raiva, mesmo ela não tendo uma). Lembrando que se você for um mané querendo chamar atenção, corre o risco de girar em cima da bolha e cair em um buraco infinito próximo, dependendo do seu nível de inteligência.