Björk

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Undersk.jpg
Indiemo.jpg
Let's see any iranian film?

Este é um artigo INDIE!

... e se acha culto

Cquote1.png Ela é japonesa? Cquote2.png
Você sobre Björk

Cquote1.png Tem certeza que a pronúncia é "Biórk", e não "Bijórk"? Cquote2.png
Seu Pai sobre Björk
Cquote1.png Björk é um génio de proporções demasiado alargadas para a compreensão de animais irracionais! Cquote2.png
Indie sobre Björk
Cquote1.png Meu sonho era ficar igual a ela... Cquote2.png
Michael Jackson sobre as plásticas que fez
Cquote1.png I'm gratefull... grapefruit! Cquote2.png
Björk agradecendo um prémio
Cquote1.png Irmã querida! Cquote2.png
Caipora sobre Björk
Cquote1.png *Paf-tumpf-Paf* (batendo na cara) *Paf-tumpf-pow* (batendo no joelho) Aueeeei-Auoueee-Umblidigin-Vá-Powwwwww Cquote2.png
Björk sobre sua música.


Nascida na Islândia, em 1500 a.C., Björk foi descoberta em 1976 por um empresário que trabalhava na NASA, interessado em criar uma banda que estimulasse a integração e aceitação dos alienígenas na sociedade. A banda foi chamada de Sugar Cus, ou Cus de Açúcar.

A prova concreta: além de irmãos, ET's!


Tabela de conteúdo

[editar] História Sem Fim

Com um jeito peculiar de cantar que envolvia gemidos de cio, Björk conseguiu rapidamente a aceitação da então jovem geração indie-electro-retardad e iniciou em 1990 sua carreira solo com o disco "Debruç", sendo chamada para fazer sua primeira turnê mundial que envolvia Camboja, Islândia e Azerbaijão.

Seu sucesso foi extra-ordinário: isso porque ela tem uma voz bizarra, uma cara bizarra e emite ondas gama com as quais grava seus álbuns, que se assemelham às emitidas pelas baleias. Foi aclamada por sua modernidade.


O ano de 1993 foi extremamente importante na vida de Björk, quando descobriu que Michael Jackson é seu irmão gêmeo separado na maternidade e que Lovefoca é sua filha gerada durante a criação do álbum "SelmaBouviersongs".

O Oscar achou de vanguarda

Conhecida como Lady Cisne, pelo excepcional-inovador figurino com o que se apresentou na cerimônia do Oscar (em que não ganhou o prêmio de melhor canção mas provou ser mais louca do que já demonstrava), Björk tem o costume de aparecer nua/semi-nua em seus clipes, numa clara tentativa de apelação, infelizmente frustrada, pois suas deformas físicas não servem como marketing.


Integrando seus über-alternativos gemidos com elementos eletrônicos do famoso produtor japonês Dakueka em seu disco, "Collúna", Björk economiza nos instrumentos e enche o disco com barulhinhos que seus fãs chamam de experimentalismo.

Os invasores da terra que a Björk adora

No ano de 2007, Björk lançou seu novo álbum, "Bota" (você sabe aonde...). Além de comprovar que vaso ruim não quebra, Björk mostra ao mundo todo que também tem seu lado pop, já que trabalhou em conjunto com o produtor/cantor/dançarino/gordinho-de-plantão Timbaland (não confundam com Timberlake, o Justin). Na faixa Earth Intruders (Invasores da Terra), Björk faz menção à sua chegada ao planeta, confirmando o fato há muito tempo especulado (porém, faz-se necessário o uso de substâncias ilícitas para enxergar a realidade por trás da música).


Björk também lançou mais três singles do "Bota": Innocence (Inocência, em que fala sobre toda sua vontade de compartilhar... você sabe o quê), Declare Independence (Declare Independência, em que bate o cabelo e se rende ao Deus Metal como uma boa viking) e Wanderlust (Terra da Bosta, em homenagem à Islândia).

Björk cantando com um vizinho


Em 2011, Björk anunciou seu novo disco, como parte de um projeto cheio de bugigangas e aplicativos pra sugar o máximo de dinheiro dos fãs, chamado "Necrophilia".


O clipe do primeiro single, Crystalline, causou polêmica pela temática infantil e sexual, como homenagem póstuma ao irmão, Michael Jackson. Nele, Björk aparece fantasiada de palhaço with lasers e aprisionada em uma bola flutuando perto de algum planeta distante daqui (pelo bem da humanidade), enquanto faz o planeta ficar excitado com seu canto e liberar vários de seus pequenos pênis para a superfície. Há também vários desenhos coloridos no clipe, ensinando as crianças a reproduzirem o mesmo prazer sexual. No fim, Björk escapa da bola e começa a dançar, completando o espetáculo infantil.


[editar] Curiosidades

  • Björk gosta de bater em jornalistas para aliviar o estresse.
  • No clipe de "Wanderlust" (Terra da Bosta), Björk vai descarga abaixo.
  • Björk resolveu renegar seus parentes de olhos puxados e arranjar briga com a China, reclamando sobre alguma coisa politicamente correta. Foi deserdada.
  • Björk tentou se suicidar pela morte do seu irmão gêmeo Michael Jackson, já que ela é a única que ainda não aprendeu a milenar arte do moonwalk.


[editar] Olimpíadas

No ano de 2004, Björk apareceu esganiçando na abertura das Olimpíadas de Atenas, na Grécia, claro. Cantando suspensa e com playback (ou com um microfone implantado no dente), Björk estendeu seu vestidão de 300 hectares sobre o local onde os atletas do mundo todo permaneciam concentrados, numa clara tentativa frustrada de engolir todos com seu pano infinito e os mandar para algum mundo paralelo habitado por seus gnomos e fadas de estimação.

Na verdade ninguém prestou atenção à tentativa de sequestro, pois Björk sabiamente manipulava os olhares de todos com sua performance cheia de gestos incompreensíveis. Não contavam com a astúcia dela!


[editar] Cinema

Não contente em nos assustar com suas músicas, Björk resolveu assombrar o mundo do cinema e estrelou um musical-Prozac chamado Dando no Escuro. Nele, Björk interpreta uma operária cega que enlouquece quando seu filho também fica cego e, sem dinheiro para pagar a operação para ele, acaba por se prostituir, com a ajuda de uma cafetina, Catherine Deunove. Desvairada, Björk passa o filme todo cantando e dançando com as máquinas da fábrica para espantar a tristeza.

Os dementes convidados que assistiram juram que o filme leva às lágrimas. Após a premiére do filme em um boteco mexicano, o fã Ricardo Lopez se arrependeu de ter assistido e se suicidou.


[editar] Dueto

No ano passado Björk resolveu se juntar a Thom Yorke na música Nattúra (não confundir com Avon ou O Boticário) e assim produzir um dueto histórico de rima de nomes e bizarrice humana.


[editar] Discografia

  • Debruç (1993)
  • Prosti (1995)
  • Homossexy (1998)
  • SelmaBouviersongs (2000)
  • Matutine (2001)
  • Collúna (2004)
  • Bota (2007)
  • Necrophilia (2011)


[editar] Músicas

  • All Is Full Of Love (Tudo Está Cheio De Gozo)
  • Pagan Poetry (Puta Pagã)
  • Venus As A Boy (Camisa De Vênus No Garoto)
  • I've Seen It All (Eu Senti Tudo)
  • Vökuró (Vagina)
  • Joga (Bate)
  • It's Oh So Quiet (Oh, É Tão Grande)
  • Army Of Me (Meta Em Mim)
  • Innocence (Pedofilia)
  • Play Dead (Vibrador Quebrado)
  • Where is The Line? (Onde Está o Pau?)
  • Who Is It? (Quem Me Come?)
  • Come To Me (Coma-Me)
  • Big Time Sensuality (Grande Vibrador Erótico)
  • Declare Independence (Saia Do Armário)
  • Violently Happy (Sexo Selvagem)
  • Pluto (Puto)
  • Nattúra (Sexo Natural)
  • Immature (Virgem)
  • Pneumonia (Pneumonia, Tuberculose, Lepra...)
  • Possibly Maybe (Talvez Fodamos)
  • Human Behaviour (O Corpo Humano)
  • Hidden Place (Lugar Escondido)
  • I Miss You (Eu Meto Em Você)
  • Virus (AIDS)
  • Dark Matter (Dá Que Mete)
  • Hollow (Cu Oco)
  • Sacrifice (Sadomasoquismo)
  • Mutual Core (Cu Mútuo)


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas