As Três Máscaras do Terror

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desinopselogo2.png

Este artigo faz parte do DesFilmes, a sua coletânea de filmes rejeitados.
Enquanto você lê, um vilão de filme de ficção científica dispara raio laser pelos olhos


A bruxa que aparece nesse filme. Ironicamente é a mesma de uma capa de disco aí, não sei porque...

As Três Máscaras do Terror (que tem tudo a ver com o título original em italiano I Tre volti della paura, este não tem NADA a ver com o título em inglês: Black Sabbath - sim, esse filme inspirou aquela banda que faz muito barulho e que tem um comedor de morcegos como vocalista) é um filme de terror velho pra caralho (de 1963 pra ser mais exato) dirigido pelo monstro do terror spaghetti Mario Bava. Esse filme basicamente são três histórias diferentes contadas dentro do mesmo filme sei lá porque. De acordo com o primo do Samuel Rosa, foi esse filme que o inspirou a fazer o filme pornô Pulp Fiction em 1994.

Histórias[editar]

Uma das cenas do filme... ou não...

A lá Contos da Cripta, Boris Karloff conta três histórias sinistras, começando sua narração desta maneira espetacular:e

"Aproximem-se, por favor. Tenho algo a lhes contar. Senhoras e senhores, sou Boris Karloff. Estou aqui para lhes apresentar três pequenos contos de terror e do sobrenatural. Espero que não tenham vindo ao cinema sozinhos (em especial se vocês forem todos viados). Como perceberão vendo este filme, os espíritos, os vampiros, os zumbis e também os funkeiros estão por toda parte. Talvez haja um sentado ao seu lado agora tocando com seu celular uma música patética. Sim, porque eles não só estão nos ônibus, também vão ao cinema, eu lhes asseguro. Os vampiros têm um aspecto perfeitamente normal e na verdade, o são. Apenas tem o estanho hábito de beber sangue, especialmente o sangue daqueles que amam… além de que alguns também brilham de dia feito purpurina... Mas estou falando e perdendo tempo… Portanto, vamos ao primeiro conto"

E assim vêem os três episódios. O primeiro se chama O Telefone, e conta de uma mulher chamada Rosy que vive sendo importunada por funkeiros zumbis que andam nos ônibus que ela apanha para ir ao trabalho com seus celulares Nokia tocando o batidão do inferno no meio do ouvido dela. O pior deles é seu ex-amante Frank Rainer, que passa a ameaçá-la depois de sair da cadeia após ter sido denunciado por ela sobre os abusos em tocar funk bem nos tímpanos da criatura. Rosy pede ajuda a sua amiga Mary (gótica perigosa e assassina) para destruírem o infeliz num ritual macabro num cemitério de zumbis.

Logo a seguir, vem a história O Wurdalak (QUEM???), que mostra uma família do leste euroupeu comunista que estão à espera de seu patriarca, o Abomineve Homem das Naves, que foi matar um turco que havia transado com sua filha sem sua autorização. Enquanto isso um tal de Conde Vladimire d´Urfe (primo de outro conde, o da banda Só Brega Drácula) vai passar a noite com a família, já que tá nevando pra caralho lá fora. Só que ele logo acaba levando a pirralha da família pra cama (eu acho mesmo é que ele é parente de um urso, isso sim). Só que o Abomineve está voltando, um pouco meio Jack Torrance e a família desconfia que ele deixou de ser o Abomineve Homem das Naves e virou algo pior: um Wurdalak (O QUE???).

Pra finalizar, o último conto se chama A Gota d´Água (nome mais sugestivo impossível), é o único conto que realmente é meia boca (o resto é ruim mesmo), feito pelo escritor Ivan Chekhov e fala de uma enfermeira gostosa chamada Helen Chester Cheetos que é chamada às pressas pela empregada de uma velha condessa velha de uma velha mansão numa chuva longa chuva apenas para poder preparar o presunto dela, já que a mesma aparentemente havia passado dessa pra melhor (ou pior, nunca se sabe) durante uma sessão espírita com Chico Xavier. Olhando pro anel de pedra verde da condessa, a enfermeira alegando safadeza cleptomania decide levar o anel consigo, já que era precioso e lindo. Só que ela não sabia que o fantasma da condessa iria ficar atormentando-a cantando a madrugada toda "perdi meu anel no buraco da parede, quem achar me dê de volta meu anel de pedra verde".

Cquote1.png Pronto. Não lhes parece que devia terminar assim? Com os fantasmas não se brinca, porque eles se vingam… Bem, chegamos ao fim de nossas histórias e agora infelizmente devo deixa-los. Mas tomem cuidado quando voltarem para casa. Olhem ao redor, olhem para trás. Cuidado quando abrirem a porta, não entrem no escuro… Sonhem comigo! Nós nos tornaremos amigos! E o mais importante depois disso tudo: NÃO OUÇA RESTART! Você pode ser dar MUITO mal! Cquote2.png
Boris Karloff sobre o filme

Ei... não vai falar nada da banda Black Sabbath nesse artigo?[editar]

Não, esse artigo é do filme de terror. Deixe de ser um metaleiro trOO retardado e tenha mais cultura!

Acho que comprei briga com gente perigosa... vou seguir o conselho do Boris Karloff e olhar MUITO pra trás agora quando eu sair de casa... vai que aparece um motoqueiro headbanguer pra me matar...

Ver também[editar]