Black metal

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deus metal(2).jpg
Este artigo foi abençoado pelo
DEUS METAL!
Vamos louvar o DEUS METAL!!
\,,/.Ò.Ó.\,,/
HAIL! HAIL! HAIL AND KILL!

 

Flag of Norway3.PNG Ek est årtikkel Norsk!

Este artigo desfruta do melhor IDH do mundo! O autor bebe hidromel, ouve black metal, nada em petróleo, é descendente de vikings e mora perto de um fjord.

Lembre-se que foi Leif Eriksson quem descobriu a América.
Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Black metal.

Cquote1.png Você quis dizer: Kiss do capeta? Cquote2.png
Google sobre Black Metal
Cquote1.png Experimente também: Death Metal Cquote2.png
Sugestão do Google para Black metal
Cquote1.png Black Metal ist Krieg! Black Metal ist Krieg! Black fucking Metal ist Krieg! Cquote2.png
Nargaroth sobre Black Metal
Cquote1.png Jesus é um bosta! Cquote2.png
Adolescente retardado após ouvir um álbum do Marduk sobre religião
Cquote1.png Dá pra parar com esse som de frigideira? Tô tentando dormir! Cquote2.png
Chuck Norris sobre alguma banda genérica que acabou encerrando suas atividades
Cquote1.png AAAAAAAARGHHH!!! Cquote2.png
Vocalista de uma banda de Black Metal cantando sobre a vida
Cquote1.png AAAAAAAARGHHH!!! Cquote2.png
Vocalista de uma banda de Black Metal cantando sobre espiritualidade
Cquote1.png AAAAAAAARGHHH!!! Cquote2.png
Vocalista de uma banda de Black Metal cantando sobre natureza
Cquote1.png AAAAAAAARGHHH!!! Cquote2.png
Vocalista de uma banda de Black Metal cantando sobre religião
Cquote1.png AAAAAAAARGHHH!!! Cquote2.png
Vocalista de uma banda de Black Metal cantando sobre como o cristianismo é malvadão


O Black Metal, também conhecido pela sigla MPN (Música Popular Norueguesa) é um subgênero extremo do heavy metal (então você já sabe que é de doido), que possui elementos do jazz, do blues, do forró norueguês e da música gospel norte-americana. Como o próprio nome já diz, é o metal negro (embora na Noruega, país onde essa porcaria se difundiu, não haja nenhum negro). Suas músicas consistem, basicamente, de berros de cabra castrada com uma cacofonia de guitarras desafinadas e linhas de bateria mal cadenciadas. É intencionalmente podre, tudo em nome da crueza e da solidão que os "músicos" querem passar em suas canções. Ou seja, quando falamos em black metal, pode esperar chiados de TV antiga (o Burzum é adepto dessa técnica) e riffs enjoativos, mas que os fãs consideram "true".

O black metal explodiu na Noruega, mas foi questão de tempo até que o resto do mundo abraçasse a causa. A foto mostra uma famosa banda mexicana do estilo: Chespiritus, formada por Chavoth, Kikkuss e El Madrugöth.

Ao contrário do que todo mundo pensa, a banda Venom não criou o black metal, apenas possui uma música com esse nome, mas muitas bandas de thrash metal serviram de influência para as bandas desse subgênero. Ou seja, o que era ruim, ficou pior ainda. Atualmente, o legado do black metal está destruído graças ao palhaço vampiresco Dani Filth, que canta na banda Cradle of Fritas, mas isso fica mais pra frente.

O estilo

A primeira coisa que se precisa saber sobre o black metal é que ele não possui bandas, e sim hordas. Sim, hordas, e isso é explicado pelo fato de que muitos fãs e músicos cresceram jogando Warcraft e D&D (Demônios & Dildos). Varg Vikernes, o homem por trás do Busão, é um nerd assumido. Suas músicas falam sobre orcs, trevas, matar hordas de esqueletos, queimar igrejas, guerras, trevas, orcs, anjos caídos e alguns poemas noruegueses sobre caminhar sozinho na escuridão.

Entre os temas mais abordados, está a natureza, a espiritualidade e as guerrinhas de bola de neve na Noruega. Mesmo sendo um estilo considerado gospel, ou seja, músicas exclusivamente para Chessús, há os hereges que cantam sobre Odin, Satã, Wicca e demais crendices asatrú. Não que alguém entenda algo que esteja sendo falado, pois é tudo vomitado ou sobreposto por guitarras que mais parecem liquidificadores com defeito.

Uma banda de black metal em seu ensaio teatral.

O primeiro movimento começou na Noruega, onde entre uma cerveja e outra os nerds cabeludos e antissociais criavam histórias sobre matar trolls na floresta, duendes, depressão e queimar igrejas. Aliás, o país foi assolado por uma terrível onda de crimes nos anos 90 envolvendo esse tipo de prática. Varg, que esteve por trás de toda essa putaria, tentou justificar dizendo que isso era uma resposta aos cristãos que, na idade média, queimavam os templos pagãos para construírem as suas casas de extorsão igrejas. Os fãs dementes, que não sabem que isso é contra a lei, repetem esse argumento e defendem o paganismo com unhas e dentes, mesmo não sabendo o que isso significa (o máximo que sabem, leram na Wikipedia) e frequentando a IURD com a avó todos os sábados.

As ban... hordas mais conhecidas da primeira onda do black metal são: Meia, Buzão, Darkthrone, Dê-me o Boga, Empada, O que é imortal não morre no final e Gorgoró. O movimento surgiu como uma resposta negativa ao death metal sueco e suas firulas. Acreditavam que podiam fazer um som mais podre, gelado, etéreo e diferente. Tão diferentes queriam ser, que começaram a pintar o rosto com tinta Suvinil e maquiagem da mãe, músicos e fãs, o que os tornou mais parecidos com o Kiss do que com algo tenebroso. Não havia nada mais engraçado do que ver um cara pintado de futebol de botão pulando com alguma ferramenta de jardinagem e urrando coisas incompreensíveis.

Lord Pyntumurchum, um famoso músico da cena.
Está escrito Wolves in the Throne Room aí? Pois é, não sabemos como tem gente que consegue...

Eis que foram surgindo bandas que foram aprimorando o subgênero (coisa que não era pra ser feita), até que surgiu algo que cagou absolutamente tudo: o Cradle of Fritas. Se algum cabeludo fedido aparece com uma camiseta dessa banda em um show de metal extremo, leva pedrada e machadada de plástico até a morte. Oras, o palhaço Dani Filth simplesmente traiu o movimento, falando sobre vampiros, Crepúsculo e beber sangue de moças virgens. Aí você me pergunta: Não era mais fácil fazer uma banda cover de Type O Negative? Pois é! Quem diabos coloca efeitinhos de teclado e vocal feminino no meio de guitarras desafinadas e baterias que mais parecem latas de goiaba?

Outra coisa nada interessante é o logo das bandas. Veja a imagem ao lado, por exemplo. Você sabe que banda é essa? Os músicos não querem que você consiga descobrir o nome de suas hordas, pois desejam te poupar do som escroto deles.


Características

A "música"

  • Guitarras desafinadas propositalmente para soarem como liquidificadores quebrados;
  • Berros estridentes (vocal limpo é proibido e a punição é a morte no mainstream);
  • Frases desarmonizadas no teclado (qualquer conhecimento intermediário-avançado de teoria musical também é proibida);
  • Riffs repetitivos (geralmente três power chords a música inteira);
  • Nenhum solo (são raros, mas não podem passar de dez segundos);
  • Influências de crust punk (o punk disseminado pelo palhaço Krusty);
  • Atmosfera sombria para imitar o inverno norueguês (mesmo que quem ouça esteja no interior do Ceará);
Um brasileiro, provavelmente da Paraíba, tocando na horda Calangöroth, sem abandonar suas raízes nordestinas.

Os fãs

  • Dementes;
  • Vestem-se todos de preto, com espinhos de plástico nos braços;
  • São antissociais;
  • Não tomam banho;
  • Curtem vinho barato e cerveja choca;
  • Tentam imitar a maquiagem (que chamam de corpse paint) de seus ídolos em casa (e falham miseravelmente);
  • Não sorriem, fazem vista grossa e ainda mandam você se fuder;
  • Dizem-se satanistas, ateus ou pagãos, mas são dizimistas da Universal.

Corpse Paint

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Corpse Paint

Também conhecido como camuflagem de urso panda, os músicos e fãs do black metal querem mostrar toda sua ferocidade e frieza se pintando de... pandas. Antigamente, muito antigamente mesmo, no tempo que sua avó era virgem, aborígenes e outros povos utilizavam a pintura corporal por vários significados, inclusive para intimidar os inimigos em batalha. Mas não é nada disso! O motivo por trás de tudo isso é que o pessoal quer imitar o King Diamond e os integrantes do Kiss.

Futebol ist krieg!

A maquiagem é feita com produtos importados (Hipoglós ou Minâncora) e lápis de olho e delineador ou tinta guache preta.

Inner Circle e a queima de igrejas

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Inner Circle

No começo dos anos 90, quando as primeiras ban... hordas de black metal surgiam, influenciadas pelo Slayer, Venom, Celtic Frost e Roberto Carlos, era muito difícil divulgar os trabalhos. Assim sendo, as hordas montaram um grupinho no porão que chamaram de Inner Circle (círculo interno, ou, simplesmente, rodinha de amigos), onde faziam sexo com travestis, escreviam novas músicas e cultuavam deuses pagãos.

Eis que a Noruega acorda um belo dia com uma trágica (nem tanto) notícia: o incêndio de uma igreja. As autoridades não fizeram nada, afinal, super normal uma coisa dessas acontecer... Depois, mais igrejas foram queimadas, e aí a polícia acordou. Descobriram que Varg Vikernes estava por trás de tudo isso, mesmo não tendo mexido um dedo. A polícia arrombou a porta de seu quarto, obrigando-o a interromper sua punheta para ir prestar contas no tribunal. Acabou que ele tinha assassinado um amigo de banda por ciúmes, então ele pegou pena por esses dois crimes.

"E para meu próximo truque, invocarei o Satã!

Subgêneros de fusão

Algumas hordas viram que só o black metal cru não bastava e acabaram criando mais porcaria em cima disso. Há grande rivalidade entre os idiotas adeptos de alguns subgêneros, movida por calorosas discussões em fóruns online. A saber:

  • NSBM - National Socialist Black Metal: as bandas aqui cantam sobre a ascensão de Hitler e tentam provar sua inocência;
  • Unblack Metal: Black metal só que não (integrantes da Universal com corpse paint cantando sobre o herói mais famoso da Marvel: Jesus Cristo)
  • BDSM DSBM - Depressive Suicidal Black Metal: eu sei que essa piada já perdeu a graça, mas é a verdade: são os emos do black metal. Suas canções falam sobre se matar, sobre o chifre que tomaram (o que faz esse subgênero também ser chamado de Black Metal universitário), sobre cortar os pulsos, sobre como a vida é uma porcaria...;
  • Symphonic Black Metal: Subgênero muito controverso que mistura elementos de black metal com arranjos sinfônicos e efeitos de teclado. Muitos acusam essas bandas de serem "falso metal".

Ver também

Vídeos


Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!