Blood Omen: Legacy of Kain

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Blood Omen)
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Blood Omen: Legacy of Kain é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, algum Terror te humilha na faca.


Blood Omen: Legacy of Kain
Blood Omen.png

Marca de sangue

Informações
Desenvolvedor Cavaleiros Siliconados
Publicador Crystal Dynamics
Ano 1996
Gênero Morte, sangue, chacina, empalamento
Plataformas Preisteixon e Ruindows 95
Avaliação 8.9
Idade para jogar acima de 18 anos

Cquote1.png Esse jogo é muito difícil Cquote2.png
Noob sobre Blood Omen: Legacy of Kain
Cquote1.png Cima, direita, quadrado, bola, cima, baixo, direita, esquerda Cquote2.png
Nerd noob sobre Blood Omen: Legacy of Kain
Cquote1.png Porque essas pessoas estão no fundo do açougue? Cquote2.png
Você sobre Blood Omen: Legacy of Kain
Cquote1.png VAE VICTUS! Cquote2.png
Kain sobre Blood Omen: Legacy of Kain
Cquote1.png Otário! Cquote2.png
Moebius sobre foder a vida do Kain

Blood Omen é o primeiro jogo da série Legacy of Kain, é o tipo de jogo que foi feito sem nenhuma expectativa dos produtores, em continuar a série futuramente, mas foram surpresos pelo grande sucesso do jogo por causa da carnificina, empalamento, matança e violência presentes (que eram difíceis de se encontrar em outros jogos da época, que eram geralmente sobre bichinhos bonitinhos). O jogo foi um grande sucesso, apesar de muita gente nem saber que ele existe, não saber que ele é o primeiro de uma série, e o fato de que ele é difícil pra caralho.

Gráficos[editar]

Incríveis gráficos de primeira geração!

Os gráficos desse incrivel jogo são uma maravilha: cenários 2D, copiados do Legend of Zelda que lembram o de Super Nintendo. O seu personagem só anda em quadrados, não sabe pular e ainda consegue andar sobre as águas (a diferença é que a água queima como se fosse ácido).

O jogo é dividido por telas, as extremidades levam para outras telas, e pra entrar nas casas/cavernas/castelos, só têm uma porta pra cada, e só podem entrar indo para cima. As construções bloqueiam o seu caminho, mesmo sendo só o telhado de uma casa (que teoricamente está no alto, e não no caminho) ainda bloqueiam a sua passagem.

Os personagens são feitos de poucos pixels, não dá pra ver o rosto, e os movimentos são sempre os mesmos. Sem contar que cada personagem ainda têm vozes completamente diferentes nas falas de batalha que são compartilhados por todos, assim você nunca sabe quem é que está gritanto "VAE VICTUS".

Jogabilidade[editar]

A jogabilidade é algo de impressionar qualquer um. Como todo jogo antigo de PlayStation, só se pode usar as setinhas (ou seja, o analógico, que virou obrigatório no PS2, não serve pra porra nenhuma). O personagem se mexe à uma incrível velocidade de meio quadrado (lembre-se, ele só se move de quadradinho em quadradinho) por segundo, não importa o quanto você force os botões, ele nunca vai andar mais rápido.

As batalhas também impressionam, cada inimigo do jogo é pelo menos duas vezes mais forte e rápido que você, sem contar que eles têm mais vida.

Toda e qualquer batalha no jogo, é sempre totalmente injusta, ou você usa algum item ou magia para multilar (literalmente) os inimigos, ou você vai tomar um belo cacete. Você nunca vai ganhar uma luta justa com qualquer inimigo que seja. Se você não tiver itens nem magia, você têm três opções:

  • Correr: foge, todos os inimigos vão ficar te perseguindo mas não conseguem andar e atacar ao mesmo tempo;
  • Usar códigos: faz de você um completo noob e nerd, mas você vai ser muito mais noob se desistir;
  • Usar uma estratégia de batalha: esta é simples, consiste em explorar a programação ruim dos inimigos. Se você ficar em um quadrado na diagonal do inimigo, ele não te acerta, mas você consegue acertar ele, enquanto ele vai ficar atacando o ar. Em alguns casos, você pode ficar reto, mas um quadrado afastado, apesar de sua arma nem enconstar no inimigo, ele ainda assim morre (de tédio talvez?)

História[editar]

O que o Malek estava fazendo enquanto Vorador chacinava o Círculo.

A história do jogo é bem confusa, e pior ainda já que no jogo todo não tem nenhuma legenda ou fala escrita, assim, você nunca entende porra nenhuma do que aconteceu.

Tudo começa quando Vorador invade o castelo sarafan e mata 6 dos nove ministros de Nosgoth, e ainda humilha Malek, que acaba sendo transformado em uma armadura ambulante. 500 anos depois disso (apesar de acontecer no mesmo vídeo e sem nenhuma contagem de tempo, mas realmente foi 500 anos depois disso) a atual Minsitra do Balanço Ariel é assassinada, fazendo os pilares ficarem pretos, e nesse exato momento, nasce Kain, que viveria como playboy até os 30 anos.

Kain assando no espeto

Aos 30 anos de idade, Kain um playboyzinho está saindo da baladinha, sem documentinho, com a cara toda cheia de porre e acaba sendo assassinado por corintianos, que tentavam roubar o seu celular, não conseguem, e ao invés disso, eles o empalam.

Hora da Vingança[editar]

Depois de ficar quatro dias assando no espeto do capeta, Mortanius vai até Kain no inferno, e lhe dá uma chance de se vingar dos corintianos que o mataram. Kain aceita, sem saber o que isso queria dizer, porque Mortanius transforma ele num vampirão sanguinário, que, tal como um zumbi, levanta de sua tumba que ficava dentro de uma cripta enorme que teve tempo de ser construída em 4 dias, provando quão playboy ele era quando vivo

Kain mata os bandidos, no caminho do barzinho onde o filho da puta do dono mandou ele sair. Depois que ele se vingou, a unica coisa que ele quer, é uma cura para o T-Vírus para a maldição que o tornou um vampiro.

Guiado por Mortanius que por alguma coincidência tem a mesma voz do Elder God Kain vai até os pilares, onde ele encontra com o fantasma de Ariel. Ela, sabendo que Kain era o seu sucessor, o guardião do balanço, mandou ele ir se fuder e matar todos os guardiões, para deixar os pilares brancos denovo.

Caçada[editar]

Já que ele não tinha nada melhor o que fazer e porque ele é um personagem de um jogo que sempre faz o que mandam sem nunca questionar Kain começa a matança. Kain mata um, apanha pro Malek, então vai pedir a ajuda do Vorador. Lá, ele começa a achar que ser vampiro não é tão ruim assim.

Continuando a mantança, Kain mata mais um, mata outro, chama o Vorador pra matar o Malek, que dessa vez morre, e só sobra o capacete.

Depois de ter sido sacaneado pelo Moebius, Kain vai até a catedral de avernú, lá ele encontra a Soul Reaver, e pega pra ele mesmo. Usa a sua recem roubada adquirida espada pra empalar mais uma guardiã, e depois acha, por "coincidência", uma máquina do tempo portátil.

The Battle of Last Stand[editar]

Cquote1.png Você quis dizer: Massacre Cquote2.png
Google sobre The Battle of Last Stand

Em busca do próximo guardião para aniquilar, Kain acabou descobrindo que o Nemesis cansou de destruir Raccon City, e estava formando um exército para dominar Nosgoth. Já que ele ia ser o futuro senhor das trevas de Nosgoth, ele juntou um exército para enfrentar o exército de zumbis do Nemesis. Para isso, ele matou um fabricante de bonecas que tinha roubado a alma de filha do Rei Ottmar, e em troca, recebeu o seu exército.

A batalha que se seguiu, foi um massacre. Todos do exército de Kain, incluindo o Rei Ottmar foram humilhados, massacrados, empalados, multilados, etc. Só sobrou Kain, que usou o único modo para se salvar: Usar a máquina do tempo que ele havia encontrado anteriormente.

Por mais uma "coincidência", aquela máquina estava programada para transportar Kain 50 anos no passado (20 anos antes dele nascer), antes de Nemesis ser infectado pelo T-Vírus, e se tornar o Nemesis. brilhantemente, Kain tem uma idéia: se ele matar o Rei William (quem se tornaria o Nemesis no futuro), nessa época, ele não iria precisar enfrenta-lo no futuro.

Vitória do Kain (ou não)

Kain só não contava com uma coisa: a filha da putisse de Moebius, que deu a Soul Reaver para o Rei William.

A Cagada[editar]

Como era de se esperar, Kain mata o Rei William, e de quebra, ainda quebra a Soul Reaver dele. Mas ele nem imagina a cagada que ele fez. "Coincidentemente", Kain encontra outra máquina do tempo depois de ter matado o Rei William. E por mais "coincidência" ainda, está está programada para leva-lo ao seu tempo presente.

Chegando no presente, Kain descobre o paradoxo que seus atos criaram. Já que o Nemesis morreu antes de virar o Nemesis, todo mundo viveu achando que ele era bonzinho, e que os vampiros eram maus (por terem matado o Rei Bonzinho), sem contar que sem o Nemesis, todos os S.T.A.R.S. sobreviveram, e Raccon City não foi varrida do mapa.

O momento que todos esperavam finalmente chegou! VIVAAAA!

Mas é claro, tudo isso foi, apenas, mais uma sacaneada do Moebius, que previu que tudo isso ia acontecer, e induziu Kain a matar o Rei William, enquando os dois tinham a Soul Reaver, tudo isso pra começar uma guerra genocida contra os vampiros.

Kain chega bem na hora em que Moebius guilhotina Vorador, e depois grita Cquote1.png PEGA ELE! Cquote2.png, apontando para Kain, que é o ultimo vampiro sobrevivente em Nosgoth. Depois de matar uma penca de pessoas sendo manipuladas pelo Moebius, Kain vai atrás do próprio filho da puta e (finalmente, para a alegria de todos), mata Moebius.

A escolha[editar]

Depois de finalmente matar o maior fiho da puta de todos os tempos, Kain segue para os pilares, onde ele vê Mortanius matando um dos guardiões, e depois virando um bicho feio dos infernos pro Kain matar.

Você nem imagina qual Kain vai escolher

Depois de ter matado todos os guardiões, só sobrou um pilar que ainda estava preto. È então que Kain descobre: Ele é o guardião do balanço, Ariel então, o dá o cu uma escolha:

  • Se matar para salvar o mundo (ou não); ou
  • Recusar o sacrifício, e foder o mundo inteiro.

Cquote1.png Kain recusou o sacrfício Cquote2.png
Ariel sobre ter se fudido bonito

Os pilares caíram, o mundo virou bosta, Kain se tornou o senhor das trevas de Nosgoth e viveu como rei para o resto da vida (ou não).

Enquando Ariel ficou condenada à assombrar os pilares caidos pro resto da eternidade. Aha, se fudeu!

Viagens no Tempo[editar]

Esse jogo, por "coincidência" só tem duas viagens no tempo: sendo uma de ida e outra de volta. Também por "coincidência", as duas foram feitas depois que Kain encontrou por "coincidência" duas máquinas do tempo portáteis, e por "coincidência", também foram as viagens no tempo que fuderam toda a história de Nosgoth.

Paradoxos[editar]

O chinês entendeu, e você?

Coincidentemente, as duas viagens no tempo causaram (por "coincidência") o maior paradoxo de todos em Nosgoth, graças a quem? advinha? Um certo filho da puta de acabou decapitado: Moebius.

Ele manipulou Kain para que este entrasse na guerra no massacre do Nemesis, e fosse obrigado à viajar no tempo como última chance de salvação. Moebius então, deu a Soul Reaver para o Rei William (o Nemesis antes de ser infectado pelo T-Vírus), para a batalha com Kain, que já havia pêgo na mão grande a versão da Soul Reaver do futuro. Quando duas encarnações do Espirito do Raziel que está aprisionado dentro da lâmina se encontram no mesmo lugar e hora, o poder é tão grande que pode foder a história inteira.

E é isso que acontece: O Nemesis nunca virou o Nemesis, ele morreu bonzinho, ninguêm acreditou que ele um dia ia virar aquele bicho feio gemendo Cquote1.png STARRSSS... Cquote2.png, e ao invés disso, Kain (O vampiro malvado que matou o rei bonzinho) ficou conhecido como demônio, e Moebius usou isso pra convencer a população à eliminar todos os vampiros da face de Nosgoth. O que não deu certo, porque Kain matou todo mundo e reviveu todos os vampiros, tornando o Nosgoth um lugar cheio de Aberrações.

v d e h
LegacyKainLogo.png