Boa Viagem (Ceará)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Tudo aconteceu e eu nem me lembro Cquote2.png
Fagner sobre Boa Viagem(Ceará)
Cquote1.png É uma cilada, Bino! Cquote2.png
Pedro sobre Boa Viagem (Ceará), antes de ter o caminhão roubado
Cquote1.png Isso non ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Boa Viagem(Ceará)
Cquote1.png Erguei as mãos, e passa o celular! Cquote2.png
ladrão boaviagense sobre música do Padre Marcelo
Cquote1.png Terra da Babi Cquote2.png
Ramin sobre Boa Viagem
Cquote1.png Fui eu quem fiz Cquote2.png
Maluf sobre Boa Viagem

Boa Viagem é um município do estado do Ceará que fica bem no meio do Sertão Central, e que tem a fama de ter os mais especializados ladrões do Brasil. Já foi bem populoso (numericamente falando, é claro!), mas hoje em dia possui poucos habitantes pois lá não tem presídio, e a maioria de seus habitantes acabam sendo forçados pela Lei a migrar pra Fortaleza e lá passam a viver em suas celas no IPPOO- Instituto Penal Presídio Olavo Oliveira. Dentre os filhos mais ilustres estão os ladrões do Assalto ao Banco Central (os fíiii do Mundim Laurindo), e o ex-prefeito Argeu Vieira (que gastou o dinheiro do Banco Central na campanha pra prefeito em 2008, e não se elegeu).

O histórico da cidade sempre teve roubo na história, e sempre teve político dizendo adeus ao cargo (pelo menos três prefeitos), sempre teve ladrão de galinha e de bode, sempre teve alguém dizendo adeus pra sua moto, roubada por um conhecido, e mais recentemente, teve o maior roubo a banco da história do Brasil, o roubo ao Banco Central. Tudo realizado por gente nascida nesse lugar.

Boa Viagem também é reconhecida intermunicipalmente em todo o estado do Ceará por suas caridosas adolescentes, que prestam serviços gratuitos e/ou em troca de luxo para homens de todo o estado, principalmente aqueles chegam de Fortaleza. Este fato redeu à cidade de Boa Viagem o codinome Boa Viçagem, orgulhosamente citado por todos os moradores de lá.

História[editar]

Tudo começou quando o Tóin Domingues (vulgo Fagner) roubou a filha de um fazendeiro do Piauí (que se chamava Agostinha, mas ele insistia em chamar de Madalena). Na fuga levaram uma escrava (que morreu) um cavalo com a mudança (que morreu também), e outro cavalo que levava os dois. Hoje tem um monumento na praça da matriz chamado "lagoa do cavalo morto", prova de que eles mataram o outro cavalo também, e ainda secaram a lagoa. A água que tem lá no chafariz da praça hoje vem do açude Vieirão (que homenageia o ex-prefeito Mazinho, que também morreu). Quando o "Fagner" e a "Madalena" se viram a pé, resolveram apelar pra Nossa Senhora da Boa Viagem, e prometeram construir uma igreja naquele local, caso não fossem alcançados pelos capangas dos pais dela. Pelo jeito foram atendidos, pois a capangada morreu tudo também.

Boa Viagem passou um tempão sem maiores destaques, desenvolvendo uma família que se denominava "do Vale". Lá tem a maior concentração de pessoas com o sobrenome "do Vale" no Brasil, e também a maior concentração de pessoas que têm a bunda pertinho do chão, devido às pernas curtas. Após os anos 70, passou a ter também a maior concentração de paraibanos fora da Paraíba, principalmente das famílias Fragoso e Vieira, e alguns gatos pingados da família Soares que foram pro Japão (o único lugar fora da terra dos zói miúdo que tem esse nome). Ali perto, na Serra da Ramadinha, fica a mansão do Alemão, que liderou o roubo ao Banco Central, camuflada em uma tapera (casa de taipa). Não há dúvidas que Boa Viagem seja uma cidade conhecida, visto que 90% da criminalidade do estado vem de lá. Entre as proezas feitas pelos boa-viagenses, podemos identificar: o assalto ao banco central (que virou até filme), o atentado ao papa, o assassinato do Mar Morto, o aumento absurdo da criminalidade carioca nos últimos 20 anos. Dizem que a prefeitura é tão rápida para resolver as cagadas, que é comparada a um computador encontrado no lixo tentando acessar o Facebook no Internet Explorer com o torrent aberto e funcionando a todo vapor numa internet lixo de menos de 300kb.

Nos anos 80, os ladrãozinho da família Laurindo, e alguns "do Vale" migraram pra São Paulo, e outros pra Brasília, com a desculpa que eram retirantes da seca. Ao chegar no Tietê, pegaram o Metrô, e caíram direto em Diadema, onde se especializaram, e fizeram pós-graduação na matéria roubo. Alguns foram trabalhar na Mangels, em São Bernardo, só pra disfarçar o seu verdadeiro ofício, e pra comprar um Ray-ban e um Gravador. Em Diadema, se uniram com "us manu" da quebrada, e implantaram a Favela Getúlio Vargas, lá não se sabe se o cara é de Boa Viagem, ladrão, ou ambas as coisas. Já os "do Vale" resolveram investir no outro ramo: justiceiro. Quando estavam formados, resolveram voltar pra Boa Viagem, pra se matar uns aos outros. Isso explica a redução da mortalidade em Diadema, e a Prefeitura dizendo que foi obra da lei seca deles. Político é tudo mentiroso mesmo!

Geografia[editar]

O nome da cidade, "Boa Viagem", foi dado como forma irônica e bem humorada a um desolado setor geográfico do estado do Ceará pelos comandantes cearenses das EETIE-CE (Expedições Exploratórias de Territórios Inóspitos do Estado Ceará), quando surgiu a idiota ideia de explorar o então chamado Deserto Cearense, hoje intitulado de Sertão Central do Ceará.

Naquela época, quando foi decidido ir até a região crítica 12 (hoje chamada de Crede 12), nos terrenos do norte do pé da serra do cú seco (hoje chamada serra da pedra branca), os comandantes disseram aos exploradores: "- Boa Viagem" (com expressão de tristeza), batendo continência honrosamente para aqueles que estariam prestes a irem a um dos piores torrões cearenses, onde a chuva evapora antes de chegar no chão, onde a vida animal só se manisfesta por meio de esqueletos de vacas e cadáveres de calangos. Chegando lá, os exploradores desolados se olhavam entre si e se perguntavam: "- Boa Viagem eles disseram para nós?", "- Boa Viagem?", "- Boa Viagem?", "-ahhhhh", e isso deu o nome da cidade quando fundada.

Todas as casas da cidade possuem encanamento de água, mas há 50 anos atrás, a última coisa que saiu das torneiras boa viagenses foi uma lama fedorenta a merda, com a qual todos tomavam banho e lavam suas roupas.

Registro antigo do buraco seco, antigo açude de Boa Viagem, quando ainda havia lama por lá.

Para quem é de Boa Viagem é preciso explicar que hidrografia é um substantivo feminino usado para se referenciar um ramo da geografia física que trata das águas correntes, paradas, oceânicas e subterrâneas, já que lá não existe água e os habitantes portanto não conhecem nada a respeito disso. O único aparato hidrográfico da cidade é um buraco com fundo rachado que por muitos anos foi chamado de açude, mas com o passar do tempo o sentido dessa palavra foi se perdendo entre os nativos que hoje só chamam tal aparato de buraco seco.

O relevo da cidade é classificado como: morros, ladeiras, grotas e fundas. O solo é composto basicamente de terra seca, muitos pedaços de pedra e barro vermelho-amarelo.

Clima[editar]

Temperatura média de 154ºC e a noite cerca de 100ºC, um clima muito normal pra região. Seus 3 dias de chuva durante todo o ano apresentam-se na estação do Mormaço (a região do deserto cearense possui apenas duas apenas duas estações no ano: Quentura e Mormaço).

Seu clima dificulta a vida do povo boa viagense, que já possuem um corpo geneticamente adaptado para a escassez de água.

Quem dera que a vegetação de Boa Viagem fosse ao menos seca, mas ao longo dos anos dessa imensa história de sofrimento com a seca, sua vegetação foi sempre registrada nos estudos geográficos como "vegetação tostada", situação acontecida principalmente pela falta de água na cidade. Estudos realizados pela Ematerce (única entidade agrícola da cidade, mesmo sem existir agricultura por lá) comprovam que esse fato é verídico e água limpa para beber só pode ser encontrada em bodegas da cidade, engarrafadas de torneiras de Fortaleza e vendida em Boa Viagem como água mineral.

Economia[editar]

Atualmente, a economia de Boa Viagem sobrevive às custas do Fome zero, dos aposentados, e do dinheiro do Banco Central que a polícia não conseguiu surrupiar dos "Laurindo". Lá não tem feira livre, e se tivesse, também não teria o que vender, a não ser uma erva que cura qualquer ressaca em 1 minuto (vulgo cannabis), e que os mané fuma pra criar coragem de chegar nas "mina 1001", aquelas que têm 2 dente e 2 zero na boca. Em compensação, tem uns 300 mercados só na Agronomando Rangel, cada um com três cadernos de 20 matérias pra marcar os "fiado", e esperar o fome zero cair pra receber pelo menos a metade.

Distritos[editar]

  • Águas Belas - Um distrito que não tem absolutamente nada a ver com o nome; Há apenas um açude em toda a região, e o mesmo tem água tão suja, que até os animais se recusam a contaminar-se com ela. Nem peixes tem, é apenas um monte de lodo flutuando por toda a extensão do açude. Águas Belas tem uma das serras com maior altitude da região, que chama-se Serra do Camará. Mas ninguém liga. Foda-se.
  • Boqueirão - Um distrito de Boa Viagem, simplesmente porque o idiota do prefeito queria 12 distritos, não menos. Não há indícios de que Boqueirão seja mais evoluído do que os lugarejos ao redor (vulgo Santa Terezinha). O nome Boqueirão se deve ao fato que o lugar é rodeado de boqueirões, aquelas cercas que os pobres fazem para atravessar as grotas e os riachos. Boqueirão foi palco da guerra sangrenta entre boa-viagenses e madalenenses, que estão sempre discutindo por posse de lotes de terras estéreis que ninguém mais quer.
  • Guia - É o distrito de Boa Viagem que mais chegou perto da emancipação, mas já que é um dos distritos mais calmos, isso não pôde acontecer. Parece que o percentual de ladrões do distrito não chega nem perto de formar um partido político, portanto, não haveria política. O nome é em português mesmo, e significa "guia", o que é estranho já que lá não existe cão-guia, nem enguia. Um dos pontos turísticos que tem lá, é a Igreja de Nossa Senhora da Guia, que de ano em ano leva um devoto ou dois pra igreja. É o terror dos protestantes, é tipo o Vaticano de Boa Viagem.
  • Ibuaçu - É o segundo distrito mais antigo do município, e o segundo mais criminalmente conhecido. O nome provém do chinês: 'Ibu', significa "embu", uma pequena fruta comestível (ou não). 'Açu' significa "grande". Mas como não tem embu grande, o nome ficaria ilógico, então a ideia mais aceita é que 'açu' é abreviação de "açude". O nome voltaria a ter sentido, significaria "embu do açude" (WTF?). Em épocas sombrias, o distrito tentou, por meio de guerras civis e plebiscitos, a emancipação de Boa Viagem, o que fracassou, graças a falta de infra-estrutura do distrito, que não lhe permitia ser nem mesmo uma cidadela sem nome. Os ibuaçuenses ficaram putos com isso, mas quem liga?
  • Ipiranga - ERROR 404 - File not found
  • Jacampari - É uma comunidade que fica em cima da serra de maior altitude da região, o que leva a muitos estrangeiros chamar a cidade de Potosí (WTF?). Fica numa altitude tão elevada, que as pessoas se acostumaram a viver sem respirar. O nome provém do latim 'ja', que traduzindo ao bom português significa "já", e 'campari', que é um tipo de bebida. Então Jacampari, significa literalmente "Já, Campari!". Se você não entendeu, esforce mais o seu cérebro de minhoca, seu verme!
  • Massapê dos Paés - Também chamado de B13, Massapê é um distrito-favela em que a maioria da população é gente da pior espécie, que não tá nem aí se você morre ou não. São aqueles negões que andam armados com um rifle maior que eles. O nome provém do grego 'massa', que quer dizer "massa", e 'apê', que quer dizer "apê", abreviação de apartamento. Significa "apartamento da massa" (que significativo não?). É onde fica mais de 90% da criminalidade do pacato município de Boa Viagem. É sem dúvida, um bairro sem lei, que o gabinete do prefeito nem sabe que existe, e não dá a mínima. Nem eu.
  • Olho d'Água dos Facundos - É um distrito escroto que não serve para nada. Longe de todos os outros. O nome vem de um antigo olho d'água (vulgo nascente), coisa que nem existe mais, visto que não chove na região a mais de 5 anos. Olho d'Água tem uma grande guerra civil em seu território entre duas antigas facções religiosas. A primeira é protestante, e dizem que Deus, simplesmente se esqueceu deles, por isso não manda chuvas abundantes. A segunda é católica, e defendem a teoria de que Deus nunca nem soube que eles existiam.
  • Poço da Pedra - É um dos distritos mais recentes do município de Boa Viagem, e, assim como os outros, só tem gente da pior espécie. Na sua grande maioria, a população é de assassinos, estupradores, ladrões, estupradores, assaltantes, estupradores e estupradores de galinha. O nome vem do português mesmo, e significa um poço que pertence a uma pedra (?). Fica imprensado entre Ibuaçu, Guia, Boqueirão e outros, e é, sem dúvida, o menor dentre os distritos boa-viagenses.

Transportes[editar]

Desce dessa merda e vem comprar logo sua moto!

Há apenas uma mera concessionária de motos Honda, responsável por roubar parte do bolsa família dos boaviagenses que vão comprar uma moto, e o restante quando vão fazer manutenção...

A rodoviária é aonde acontece o entra-e-sai de Boa viagem, tem mais lanchonete do que agência de passagem, mais motoboy do que gente. Boa Viagem é o único lugar do Brasil que motoqueiro leva multa se usar capacete. É também o único lugar que tem pau-de-arara fazendo transporte escolar, com direito a faixa amarela e tudo. Uma particularidade: todas as empresas que fizeram linha de Boa Viagem pra Fortaleza, e algumas pra São Paulo e Brasília, ou fecharam ou saíram: Redenção, Redentora, Expresso Asa Branca, Rápido Crateús, Transcrateús, Vipu, Penha (até ela?)... faltam a Gontijo, a Itapemirim, a Guanabara e a Princesa dos Inhamuns.

Lazer[editar]

O principal ponto de lazer da cidade é a festa do Forró do Real. Fruto do Programa Fome Zero, o Forró do Real foi criado com o intuito de oferecer diversão de qualidade nenhum pouco duvidosa (todo mundo sabe que é uma merda), pra poderem se divertir (encher a cara) e aumentar o seu cardápio (de barangas, e mulheres 1001). Muitas delas são frequentadoras também do Posto Texaco.

Há também o clube da AABB (Associação Atlética Banco do Brasil). Reduto dos mais ou menos riquinhos da cidade, e daqueles que no Réveillon querem não se misturar com a peãozada dos sítios que vem pro forró da virada da Associação Atlética Boaviagense (AABV). A banda costuma ser uma porcaria, o ingresso caro, mas é o preço da "exclusividade".

Já a Associação Atlética Boaviagense (AABV) é o maior (pode ser o melhor ou pior) réveillon de Boa Viagem, depende do ponto de vista. Aqui tem de tudo, as mais bonitinhas, as mais feinhas, os que dançam forró mais ou menos, os que não dançam porra nenhuma... aqui acontece também os demais bailes da cidade quando não tem vaquejada, formatura, ou quando a banda é fuleira mesmo.

Turismo[editar]

Placa do Japão, um dos principais pontos turísticos de Boa Viagem-CE.
  • Praça Antônio Queiroz - Praça central da cidade, onde a rapaziada fica a ver as mina (ou a ver navios, se não tiver ao menos uma moto). De um lado fica em frente à feirinha, onde fica a banca do Eridan, o 2º lugar onde dá pra comprar CD e DVD pirata com nota fiscal (o 1º é no Shopping Popular, ou camelódromo de Diadema). E do outro lado, a Rádio Liberdade, aonde o povo vai se refrescar no ar condicionado (e onde antigamente aconteciam os comícios do Dr.Sérgio, com 1/2 hora de forró de graça, e 2 horas político falando o que o gato enterra). Foi tanto conteúdo descendo pro rio, que entupiu tudo, e deu a maior enchente da história da cidade. Nesse dia, até a Lagoa do Cavalo Morto encheu.
  • Posto Texaco - Localizado na BR-020, é o lugar perfeito pra encontrar as "muié freidimão", que se usa na emergência (a maioria mulher 1001) É lá que se pede informação pra ir pra Fortaleza e pra São Paulo.
  • Igreja Matriz - Nos tempos áureos, era lá que o falecido Padre Paulo saía com uma trave na mão pra pegar os casais que ficam se agarrando atrás da igreja. Hoje é o reduto de um bando de petistas que não tiveram a mesma sorte de Lula & Cia. que ficam arrebanhando a pouca juventude que vai à missa pra virar comunista, vestir vermelho e deixar a barba por fazer.
  • Cachoeirão das Almas - Local que leva esse nome por dois motivos: Cachoeirão por ser um, de fato, durante o inverno (inverno, no Ceará, é a temporada de chuvas). Durante o verão, vira um balneário bastante frequentado, que se acessa por uma trilha. E das Almas, porque, de vez em quando, mergulha um peão naquela água, e só a alma sai de dentro. Aí já viu: precisa que outros peões arrisquem perder sua alma lá dentro pra resgatar o corpo do cara.
  • Placa do Japão - Tornou-se ponto turístico devido à grande quantidade de bobocas que passam lá, e ao ver a placa, dão ré pra tirar foto com a placa, pra depois mostrar pros otários dos amigos deles, e dizer: "Olha, eu fui no Japão!" Lá, você não vai encontrar os homi-dus-zói-miúdo não, mas vai encontrar alguns exemplares do homi-da-bunda-perto-do-chão, na Vargem do Japão. Tem um quarteirão do Paranoá, DF, que já é chamado de Vargem do Japão, de tantos ex-moradores do Japão que migraram pra lá.
  • Lages dos Rogérios - Lugar onde se encontram aquilo que eles chamam de pinturas rupestres, feitas por antigos habitantes do lugar. Não sei por que esses arqueólogos ficam se matando pra ver essas porcarias. Nada mais é do que os ancestrais dos homi-da-bunda-perto-do-chão, que fizeram desenhos porque seus filhos não conseguiam ler nem a cartilha do ABC.
  • Parque de Vaquejada - Todo mês de julho tem vaquejada lá, onde "us vaqueiro com cavalo derruba us boi de dia, e us pião de moto derruba as vaca de noite, depois vai tumá banho no açude Capitão Mor". É por isso que não se bebe mais água de lá, e sim do Vieirão.