Bob Dylan

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota musical22.gif PROJETO HITS
Este artigo está incluído no Projeto Hits, e recebeu a classificação A pela comissão do projeto. Se quiser contribuir neste projeto, contate a Comissão do Projeto Hits e ajude-nos a crescer com bom humor aos nossos ouvidos, organismos e palatos!!
AHits.jpg



Synagogue Plzen 087.jpg
Catástrofe em Israel.jpg

Bob Dylan é Judeu.

Enquanto você lê isto, o dono deste artigo deve estar cuidando da lujinha e tomando um ar...

(Lembrete: Evite ler a Desciclopédia durante o Shabbat.)

Klapaucius.gif
Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Bob Dylan.
Bob Dylan num visual "Outlaw Blues"

Cquote1.pngVocê quis dizer: Peregrin TukCquote2.png
Google sobre Bob Dylan
Cquote1.png Você traiu o movimento folk, véio! Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Bob Dylan
Cquote1.png Ele continua queimando tudo até a última poooontaaa! Cquote2.png
Marcelo D2 sobre Bob Dylan
Cquote1.png No peito dos desafinados também bate um coração!!! Cquote2.png
João Gilberto sobre Bob Dylan
Cquote1.png Se você disser que eu desafino amor, saiba que isto em mim provoca imensa dor... Cquote2.png
Bob Dylan sobre João Gilberto
Cquote1.png Já fumei um com ele! Cquote2.png
Todos os artistas fumantes sobre Bob Dylan
Cquote1.png Esse cara mostrou a chave do sucesso aos Beatles Cquote2.png
John Lennon sobre Bob Dylan
Cquote1.png Uma das minhas grandes inspirações. Cquote2.png
Kurt Cobain sobre Bob Dylan
Cquote1.png Bob Dylan, uma palavra para os fãs... Cquote2.png
Reporter sobre Bob Dylan
Cquote1.png Ahn... Astronauta. Cquote2.png
Bob Dylan sobre Comentário acima

Os mortos-vivos do rock continuam levantando de suas tumbas milionárias para se apresentar no Brasil. O zumbi que chegou desta vez foi o Bob Dylan, o Niemeyer do pop-folk. A última vez em que o matusalênico Dylan esteve no Brasil foi para fazer um show na chegada da Família Real ao Brasil.

Naquela época remota, as multidões ainda não ligavam isqueiros nem celulares para iluminar a plateia: usavam tochas, lamparinas e archotes. Naquele show histórico quem abriu para Dylan foi o Caetano Velhoso. Nunca esquecerei o momento inesquecível quando o poeta Dylan cantou "Blowing the Job in the Wind" e "Fucking Like Stone". Como é comum no show business, Bob Dylan fez várias exigências aos produtores do evento. Centenas de fraldas geriátricas brancas, uma tonelada de comida pastosa, 200 litros de soro fisiológico e uma lata de Corega para ele cheirar antes do show e ficar doidão. Apesar do seu temperamento recluso e misantrópico, Bob Dylan fez questão de conhecer a night carioca, mas só se deslocou pela cidade numa cadeira de rodas blindada, com medo da criminalidade do Rio.

Tabela de conteúdo

[editar] Quem é?

Bob Dylan, o "Rei do Blasé"

Roberto Allien Zziimmeerrmmaann, ou Bob Dylan, é um cantor, compositor, pintor, escritor e produtor yankee, que aprendeu a escrever, tocar violão, guitarra, baixo, gaita e piano sozinho porque era autista e que, aos 14 anos, fez um MySpace e estourou na Internet, tornando-se assim o ídolo invariável de qualquer músico indie que se considera intelectual. Ele cantou do folk, country, rock, blues, reds, greens até samba, axé e pop, e passou grande parte do resto da sua vida cantando músicas de revolta contra qualquer coisa, como dizia "sempre há alguem revoltado esperando uma trilha sonora adequada, por isso sou cantor de protesto". É sempre visto chapado de maconha fedendo a fumaça, fumando pontas de cigarros que ele encontra na rua, e carregando cartazes com mensagens políticas. Ele tem um filho, Felipe Dylan.

[editar] História Resumida

[editar] Anos 60

Bob Dylan aos 16 anos no MySpace
Irmão gemeo de Bob Dylan : Adam Sandler

Bob Dylan começou a carreira como um cantor independente nerd, fanho e caipira, que foi para universidade e supreendeu-se com a vida urbana, foi precursor do movimento folk-country-indie norte-americano, e era famoso na turma apenas por ser chará do cantor Bob Marley, e vivia a sombra do primo popstar, Bob Esponja, lá ganhou o carinhoso apelido de "Roberto Alien", porque sempre estava "autistando" no mundo da lua e desenhando no caderno, ou levando bolinhas de papel dos colegas.

Na faculdade aos 18 anos, Bob começou a andar no meio dos jovens "engajados" politicamente, e começou a cantar músicas de protesto para ver se pegava umas nerds... Nisso ele conheceu a "rainha" do folk, Joan Baez, que pagava um pau para ele, e também tocou no Festival de Folk Music em Newport. Numa destas apresentações Dylan foi vaiado por usar uma guitarra, Dylan se revoltou e debandou, começando a se distanciar um pouco da música de "revoltas clichês de jovem" e voltando a ser o garoto autista de violão que era quando criança.

Dylan com um cartaz politicamente incorreto

Com o autismo, Dylan mudou de rumos artísticos, voltando-se para canções mais surreais, ligadas a sua visão muito particular de um mundo que criou em sua imaginação. Nesta época Dylan começou a se tratar com ervas exóticas dos Andes, e suas músicas abordavam temas como vagabundos errantes, viagens oníricas e surrealistas, embaladas pela influência dos movimentos hippies. Dylan então começa a se "eletrificar" e ficar "ligado" no cenário do rock, nesta época ele conhece John Lennon e os outros Beatles, encontro que marcaria profundamente a carreira dos dois, e a história mundial dos entorpecentes. Desta mistura (Dylan, guitarra e ervas) surgem músicas como: "Subterranean Homesick Purple Have", "Mister M Man", "Fucking Like Stone", "Just Like a Bitch", entre outras, lançadas em seus álbuns mais inspirados: Bringing All the Money Back Home e Highway 666 Revisited de 1965 e o duplo Blondes with Blondes: Porn Colection, de 1966. Em maio de 1966, após uma tumultuada turnê pelo Afeganistão, devido ao formato rock dos shows, muito criticado pelo Talibã, Dylan sofreu um grave acidente com aviões que o afastou dos palcos e gravações até 1968. Em seu retorno, surpreendeu o público e a crítica com o álbum John Wesling Easyin, fortemente influenciado por Johnny Cash, tendência que acentuou-se no trabalho seguinte, Nashville Hell Lines, que trouxe o clássico "Go Lady! Go! Yes! Yes! Ooooohhhh" para as paradas.

[editar] Anos 70

O que produziu no início dos anos 70 não foi bem recebido pela crítica, considerado muito abaixo de seus melhores momentos. Apenas algumas canções destacam-se: "I Want Knock on Heaven's Door, But I am Still in the Hell"... E... É, só essa...

[editar] Conversão

Bob Dylan em turnê no Egito

Em 77 não mais que de repente, Dylan vira mulçumano. Nesta nova fase, surprendeu seus antigos fãs e se aproximou de músicas folclóricas árabes, influência perceptível no álbum So You Wanna Go Back to Egypt, com canções como "Tunak Tunak Tun", primeiro lugar nas paradas do Oriente Médio.

Dylan passa a cantar somente em árabe, se casa com 18 mulheres e vai morar em Dubai. Lá ele ainda fez uma grande turnê que terminou com dois grandes show em Meca e Medina. Porém após ir para pro hospital e quase morrer no jejum do Ramadã, Dylan larga o Islamismo em 79.

[editar] Anos 80

Com Infidels of Six Days, de 1983, Dylan afasta-se da fé mulçumana e volta-se inesperadamente para as suas raízes judaicas e parece reencontrar certo equilíbrio artístico - segundo muitos, Dylan também é um agente da Mossad. Em 1985 participa do especial "Ui are Di Ordi" com outros 40 grandes nomes da música estadunidense - entre eles Michael Jackson, Tina Turner, Ray Charles, Stevie Wonder pela campanha contra a fome na África, patrocinados pela BBB Solange.

[editar] Hoje

Bob Dylan tocando Bezerra da Silva no Rio de Janeiro

No início dos anos 90, Bob Dylan parece dar uma "parada" na carreira. Para comemorar e fazer um balanço de seus 30 anos de trajetória, ele volta a gravar folk tradicional, acústico, sem importar-se com o pouco apelo comercial deste gênero nos dias atuais, até porque Dylan nada em dinheiro na segunda-feira, treina tiro esportivo com moedas feitas de ouro em seu rancho no Kentucky na terça-feira, faz churrasco com dólares na quarta feira, joga caixas de barras de ouro no mar na quinta-feira, e brinca de caça ao tesouro nas sextas-feiras. Em 1992 é realizado um show-tributo em grande estilo, com a participação de vários nomes do rock, country e do soul cantando suas músicas: Eric Clapton, Stevie Wonder, Neil Young, Willie Nelson, Lou Reed, Eddie Vedder entre outros.

Dylan ainda gravou um CD acústico na emoTV em 1994, com versões de samba de suas músicas, Dylan só voltaria com um CD de inéditas em 1997 com Time Out Of Mind - With Lucy and the Diamonds in the Sky, depois veio Love and Grand Theft Auto (2001) e Modern Times, com Charles Chaplin (2006). Atualmente Dylan gasta sua grana pelo mundo enquanto faz shows - não, não é uma turnê, apenas passeio...

Dylan atualmente é tema de no mínimo 42 filmes.

[editar] Influências Musicais

Dylan é tão velho que não há infulências musicais anteriores a ele. O apóstolo de Cristo, João, escreveu em seu Evangelho: "Antes Dylan era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus" (Jo 1/2:3,14), portanto, podemos tratar os conceitos de sua música. Dylan é tão inspirado que ele só precisava tocar Dó e Sol o tempo inteiro, que todo mundo gostava, para disfarçar ele tocava um Ré de vez em quando, isso o fez também pai do movimento Punk, e também do Samba por tabela. É o mestre do método milenar da gaita-desafinada, um instrumento inventado pelo próprio Bob Dylan, mas que nem ele mesmo sabe como tocar. A vida musical de Dylan mudou também quando ele descobriu Woody Guthrie, um pedinte que andava pelos E.U.A com seu violão, que tinha uma singela inscrição: "Máquina de Matar Dentistas". Alguns dizem que a influência de Woody foi essencial para que ele cantasse tão mal, e tocasse apenas dois acordes, características que ele manteve por toda sua carreira. Inclusive o chapéu, objeto essencial do seu armário, vem da velha prática de Woody de passá-lo para ganhar uns trocados...

[editar] Discografia

Dylan lançou inúmeros discos, ninguém sabe quantos discos ele gravou, nem ele mesmo. Ao todo é praticamente 1 disco por ano, isso dá uns 110, por alto... Cada cigarro que ele fumava era mais uma música que criava, portanto ninguém sabe ao certo, já que ninguém sabe quantos ele fumou em toda sua carreira. Ele também deve ter uns milhares de EP por aí, como o "Basement Tapes", A seguir os albúms de Dylan:

1962 - Bob Dylan(álbum com o nome dele para iniciar o fracasso)
1963 - The Freewheelin' Bob Dylan(em homenagem á baleia)
1964 - The Times They Are A-Changin´(os tempos estão os mesmos)
1964 - Another Side Of Bob Dylan(melhor álbum dele)
1965 - Bringing It All Back Home(lixo sem graça)
1965 - Highway 61 Revisited(estrada 666 revisitada)
1966 - Blonde on Blonde("loira na loira" que fala sobre a tara que dylan tem por loiras)
1967 - John Wesley Harding(WTF?)
1969 - Nashville Skylin(WTF?)
1970 - Self Portrait(auto-retrato fala sobre a foto dele no álbum)
1970 - New Morning(manhã nova para bater punheta)
1973 - Pat Garrett & Billy the Kid(fala sobre o velho oeste)
1973 - Dylan(WTF?)
1974 - Planet Waves(WTF?)
1975 - Blood on the Tracks(fala sobre a fase suicida dele)
1975 - The Basement Tapes(fitas de porão e banda de garagem)
1976 - Desire(desejo, ui!)
1978 - Street Legal(rua legal, mano)
1979 - Slow Train Coming(este álbum fala sobre o holocausto)
1980 - Saved(WTF?)
1981 - Shot of Love(WTF?)
1983 - Infidels(WTF?)
1985 - Empire Burlesque(WTF?)
1986 - Knocked Out Loaded(WTF?)
1988 - Down in the Groove(WTF?)
1989 - Oh Mercy(fala sobre o kratos)
1990 - Under the Red Sky(WTF?)
1992 - Good as I Been to You(WTF?)
1993 - World Gone Wrong
1997 - Time Out of Mind(tempo fora da mente? estou confuso)
2001 - Love and Theft
2006 - Modern Times
2009 - Together Through Life
2009 - Christmas in the Heart
2012 - Tempest
E INFINITO, POIS ESSE VELHO É IMORTAL

Bob Dylan "apedrejando", na gíria que ele mesmo criou

[editar] Principais Feitos

Bob fumava mais maconha cigarros do que os quatro Beatles juntos e foi ele quem ofereceu o primeiro baseado cigarro aos Beatles, em 1964. Ainda investigam o fato de George Harrison ter batido as botas por causa de um câncer no pulmão ter alguma ligação com Dylan. Pelos idos dos anos 60 e 70, Dylan viciou vários nomes da música como Jimi Hendrix, Janis Joplin, Elvis Presley, Cazuza, Raul Seixas, Freddie Mercury, e Renato Russo (e todos esses aí foram pro colo do capeta).

[editar] Gente Influênciada por Dylan


[editar] Ver Também


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas