Boiolismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa



Data e Local[editar]

O local do surgimento desta milenar seita fica entre as regiões da Patagônia e Bueno Aires, no país dos Los Hermanos.

A data de nascimento desta milenar seita emo/boiola, gera alguma controvérsia, mas acredita-se que ela surgiu no período entre 1835 a 1845 d.C. Curiosamente, nesse mesmo período acontecia a Guerra dos Maus Vestidos (aquela guerra que surgiu no sul, por que havia uma discussão sobre quais eram as melhores situações para se usar Gola Rolê), mas isso já é outro assunto.

O Boiolismo é parte profundamente enrraizada dentro do interior da cultura tuning.

Arquivo:Fonsequinha.jpg
Um seguidor da seita tentando te converter com seu olhar femme fatale...

O Criador e grande mestre[editar]

Mestre Mahatma Fungo, usando os trajes tradicionais da seita.

O grande fundador foi o Gran Mestre Mahatma Fungo. (1810-1900) Mestre Mahatma Fungo filho de pai americano, e mãe argentina.

Abandonado pelos pais, que fugiram com um circo paraguaio, foi criado desde pequeno pela sua avó paterna. Com medo de isso voltasse a acontecer novamente, Vovó Fungo vestia o pequeno Mahatma Fungo de menina, pois ela acreditava que foi por influência de sua mãe argentina, que seu pai lhe abandou. A Vovó Fungo não queria que quando o pequeno Fungo crescesse se apaixonasse por qualquer uma, e fugisse novamente como fizera Papai Fungo.

Chegando a puberdade de Mahatma Fungo, Vovó Fungo acreditava que o menino criado sobre seus rígidos modos, estava preparado para encontrar uma futura esposa perfeita, e tentou em vão fazer com que menino abandonasse os vestidos de rendinha. O estrago já estava feito. Mahatma Fungo, já era uma um adolescente revoltado, ouvia músicas emos todos os dias, tinha franginha, vivia aos gritinhos com suas MiGUlllXXXAXXXXXXXXXXXXX.

Nasce uma nova seita[editar]

Expulso de casa pela avó que já não aguentava tanta viadagem, Mahatma Fungo sem lugar para ficar começou a viajar pelo mundo em navios cargueiros, onde passava semanas e semanas a fio navegando com marinheiros solitários. Passou um tempo na Europa, onde dizem teve um caso com Adolfinho. Voltou para o Brasil, passou algum tempo no Rio de Janeiro, onde começou a trabalhar como dançarino em boates noturnas. Voltou para Argentina quando soube da morte da avó

Um dia cochilando sobre a sombra de uma bananeira nanica, caiu em sua cabeça uma banana, neste momento veio um estalo em sua mente: "Ele deveria criar uma nova seita para arrebanhar para o lado rosa da força novos bofes, assim foi criado o Boiolismo ou zen-boiolimos.

O Boiolismo crescia de forma vertical vertiginosa, o Mestre Mahatma Fungo se estabeleceria no sul da República das Bananas, eram cada vez mais e mais seguidores. Rapidamente o Mestre Mahatma Fungo enriquecia o que lhe gerou vários processos, por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, mas como ninguém ia preso "naquela" época na República das Bananas os casos foram esquecidos.

Filosofia[editar]

O pau de Peroba. Adotado como símbolo MAIORRR.

O Boiolismo é uma seita filosófica baseadas nos ensinamentos do Mestre Mahatma Fungo, que prega a paz e doação, onde seus membros devem dar dar dar muito, sem nunca esperar nada em troca-troca. Como símbolo do movimento foi adotado a Peroba, em homenagem a seus tempos de dançarino de casa noturna, pois usava muito óleo de peroba para besuntar seu corpo, a árvore de Peroba é muito comum na República das Bananas.

O Boiolismo, se caracteriza pela entonação de MãoAtrás (do boiólancrito Mão muitas muitas mãos grandes e suadas + Atrás dedo no orifício). MãoAtrás são entoados como orações, durante orgias gays.

Vejamos um exemplo dessa milenar tradição:

Os "Cinco S"

  • 1 - Senteiiiii...
  • 2 - Sentiiiiii...
  • 3 - Sofriiiiii...
  • 4 - Sueiiiiiii...
  • 5 - Sorriiiiii...

Atualidade[editar]

Atualmente o Boiolismo, é uma das seitas mais populares ao redor do mundo, com milhões de seguidores, o seu comando está nas mãos do Mestre Clodovil.

Boiólogos Famosos[editar]

Mestre Mahatma Fungo, demonstrando uma dança típica de acasalamento.