Bolsa esmola

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Politicagem aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa com sua opinião sobre a maconha, as armas de fogo ou o aborto. Seja engraçado e não apenas idiota.

Cquote1.png Você quis dizer: Bolsa Esmola Cquote2.png
Google sobre Bolsa Família
Cquote1.png Você quis dizer: Bolsa Vagabundo Cquote2.png
Google sobre Bolsa Família
Cquote1.png Você quis dizer: Mensalão pra pobre Cquote2.png
Google sobre Bolsa Família

60px-Bouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Bolsa Esmola.

Cquote1.png Tô cum mai di otcho anus qui ressebu Bolsa Família i u dinheru nunka aumentou! Só ganhu R$134 reais, nun tá dandu nem pra comprá uma calssa pra minha filha qui tem 16 anus! pruquê uma calssa pruma jovem de 16 anus é mais di R$300 reais Cquote2.png
Beneficiada sobre Bolsa Famíla
Cquote1.png Dá pra comer Cquote2.png
Beneficiado sobre Bolsa Famíla
Cquote1.png Deus vai me ajudar a ter outro filho pra aumentar mais 15 real no Bolsa! Cquote2.png
Miserável sobre Bolsa Familia
Cquote1.png O Brasil é um país que proíbe a extração de pele de Jacaré para fazer bolsas; mas não proíbe a extração de pele da classe média para fazer o bolsa família Cquote2.png
IBAMA sobre Bolsa Famíla

O Programa Mais de 40 Milhões de Votos,[1] também conhecido como Bolsa Família, é um repasse financeiro que ajudou manter vivo miseráveis (ou não) e garantiu a reeleição dos "irmãos petralha" (Luís Inácio e Dilma Roubself da Silva). Até 2016, foi a principal fonte de apoio e militância do desgoverno petista, garantindo a eles ao mínimo de 40 milhões de votos nas eleições presidenciais.

História[editar]

Imagem para campanha publicitária não aprovada.

Muitos dizem que a origem de bolsas com dinheiro vêm desde às eras primordiais, quando representantes dos homo-eretus (sim, o pau), dava dinheiro aos civís em troca de votos e garantir, então, mais quatro ânus (para comer) de mandato.

Embora encontradas algumas variações ,como cuecas recheadas de dinheiro, que vez ou outra invadem os noticiários nacionais.Este programa de dependência assistência social, surgiu com o ditador Fernando Henrique Cardoso como Bolsa Escola, no seu segundo ano de mandato, da qual ao perceber que esta esmola ajuda financeira aumentou sua popularidade, resolveu criar outros programas sociais para emplacar um sucessor do seu partido, ao criar o Vale Gás, Bolsa Alimentação, Vale Cerveja, Vale Transporte, entre outros tipos de ajuda financeira para garantir uns votos. Tudo isso foi implementado pela primeira vez no município de São José da Tapera em Alagoas, e os resultados hoje são visíveis, a cidade que em 2000 era a mais pobre do Brasil, precisou de apenas 16 anos para que a população inteira se tornasse um bando de desocupados que não trabalham e se sustentam com a esmola do governo se tornasse uma megalópole super-desenvolvida, sem pobreza, sem desemprego, sem infelicidade.

Até que na eleição para presidente, o Lula prometeu criar o Bolsa Família, que nada mais é que a unificação de todos estes programas sociais citados anteriormente em um só cartão, ou seja, a receita de cada "ajuda social" foi somada, na qual o miserável cidadão não precisa ter falta de gás ou luz para receber estes benefícios, acrescentando isso na sua renda para investir em som automotivo e churrascão com a galera num final de semana regado a muita cerveja barata, ou pensando mais ao longo prazo, investir em uma piscina de 1000 litros ou ainda numa caixa d´Água FORTLEV também de mil litros.

O presidente e Dilma Rosbife, durante um encontro de trabalho íntimo, perceberam a necessidade de criarem um novo programa social para preservar os objetivos e benefícios políticos do Bosta, digo, Bolsa Família: o Vale Motel porque, afinal, pobre também faz amor! Este programa deve ser lançado no início de 2010 com a distribuição de tíquetes no valor de R$3,75 nos motéis da futura empresa estatal, provisoriamente denominada VÃO-PRO-SAL.

A estatal VÃO-PRO-SAL fomentará ainda mais a economia brasileira produzindo filhos, angariando votos e gerando mais de 428.791 cargos comissionados para a base aliada do governo.

Quem paga?[editar]

Muitos mentem que quem está por trás disso é a Rede Globo, SBT e Record (quem pagava, na verdade, eram os ricos do Brasil, até os mesmos saírem do purgatório e alcançarem a emancipação e ascenção). Enfim, voltando à falar da pobreza, para poder manter seus principais consumidores em casa, sem tanta fome, vendo jogos de futebol, o descarrego do Edir Macedo e ver a vovó vender o netinho na novela Páginas da Vida. Mas na verdade quem paga é a patética classe média, com as tarifas altíssimas dos impostos, taxados na compra do carro zero, nas despesas do cartão parcelado, no financiamento vitalício da casa própria, e no consumo de qualquer porcaria como qualquer brasileiro, inclusive você patético leitor da Desciclopédia, que ao ler esta página paga a Bolsa Família no consumo de luz e nas despesas com o seu provedor de internet, está pagando impostos para que o governo dê esmolas para os pobres e se manter no poder. A menos que você tenha a sorte de morar no Paraíso Separado, é claro.

Valor[editar]

O valor varia entre 22 a 200 reais, dependendo do número de filharada que o sujeito tem, mas o custo de sustentar um filho é maior que o valor da esmola, então não adianta ter vários filhos que você vai continuar pobre. Quanto mais filho tiver, maior o valor do dinheiro. E não adianta querer fazer 20 filhos para aumentar a esmola grana, porque o máximo que esse programa paga é por até 5 filhos. Nessas horas é que percebe-se que o sexo é tão bom, e o nosso país é conhecido internacionalmente como a terra do oba-oba.

Pode ver na internet o quanto é distribuido roubado de para uma pessoa no portal da transparência.

Recomendação da ONU[editar]

Foi recomendado pela ONU, para governantes como George Bush e Tony Blair para garantirem-se no poder, pois esse benificio serviu para o aumento da popularidade do governo.

Notas