Bom Jesus de Goiás

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Eu tenho medo Cquote2.svg
Regina Duarte sobre Bom Jesus de Goiás

Bom Jesus de Goiás, nome curioso para um vilarejo tão medonho, localizado 1.325Km à esquerda do Fim do Mundo, é uma aldeia constituída em 40% de barro, 40% de cana-de-açúcar, 10% de barracos e 10% de roceiros. No interior de Goiás, a aldeia fica próxima a outras aldeias abandonadas como Goiatuba e Itumbiara.

História[editar]

Centro da cidade onde é possível observar a enorme quantidade de gambiarras e um jardim toscamente mal cuidado.

Cidade que surge em 1925 quando Dona Nevis doou da igreja 336 alqueires de terras para construção de estábulos, galinheiros e plantações de grãos. Para atrair mão de obra caipira, foi oferecido durante 1 ano pamonha grátis em Bom Jesus de Goiás, e assim chegavam os primeiros habitantes do local, pois é claro que a população faminta de Itumbiara não podia perder uma boquinha..

Já em 1927 haviam casas, ranchos, igrejinhas, brejos. Já era um povoado quando João Goulart foi assassinado por Jô Soares e Getúlio Vargas. Os especuladores da teoria da conspiração acreditam que ambos tiveram que fugir de Brasília e o local escolhido foi uma triste vila chamada "Bom Jesus de Goiás". Os advogados construíram a sede de uma seita secreta nas ruínas de uma pequena igreja de São Sebastião.

Em 1950 a vila foi elevada a categoria de roça onde os caipiras plantavam a mandioca nas caboclas e as caboclas chupam sorvete nas pracinhas. Só em 1963 é elevado à status de município graças à prefeita Maria Mulambo que fez isso enquanto buscava chamar a atenção do povinho besta de Itumbiara que é uma outra vila perdida que faz divisa com Bom Jesus de Goias. Aliás, os bom-jesuenses criaram essa rivalidade unilateral com Itumbiara quando na prática os itumbiarenses nem sabem da existência deles.

Atualmente é uma bostinha de cidade qualquer que quer ser como Itumbiara quando crescer, ou seja, uma merda bem grande.

Geografia[editar]

Localizado no meio do cerrado, a cidade só existe até hoje graças à BR-452 que liga cidades importantes como Uberlândia, Araxá, Rio Verde e Machu Picchu. Essa localização faz de Bom Jesus de Goiás um razoável ponto de parada para dar uma mijada em seus postos de gasolina imundos. Bom Jesus de Goiás é tão pequena quanto este artigo, e ainda por cima tem um bairro inteiro que pertence a Itumbiara (Olímpia).

População[editar]

Bom Jesus de Goiás possui uma pequena população total de 20 peões, 3 donas de casa e muitos imigrantes de Itumbiara, além de uma infestação crescente de retirantes nordestinos (empregados das usinas de cana Goiaza e Panurama), que já se reproduzem localmente a ritmo acelerado como ratos devido ao precoce início de sua vida sexual ativa (geralmente aos 7 anos) e aos 13 anos já aprender a comer cabras e bodes no curral.

Economia[editar]

A pequena aldeia de Bom Jesus de Goiás é altamente especializada em produção massiva de cana-de-açúcar, o que garante aos moradores locais a possibilidade de sobreviverem como boia-fria nas lavouras onde trabalham como semi-escravos cortando cana prestando serviço para as usinas de cana-de-açúcar que estão impregnadas nas redondezas. As Usina Goiaba e Usina Paunocu dominam o setor agricultor da região.

Um exclusivo destaque é necessário ser dado para a Usina Goiaba que gera as grandes queimadas de de palha de cana que fazem a cidade inteira sazonalmente ficar embaixo de cinzas deixando os cidadãos ainda mais sujos que o normal e impregnando toda a vinhaça com seu delicioso cheiro de bosta de vaca que consegue perfumar e deixar a cidade mais agradável. As canas plantadas pela Goiaza são fundamentais para girar a economia local e permitir a população poder fazer festas, sexo, assassinatos e até Tráficos compra e venda de drogas.

Enquanto a Usina Paunocu tem fama de só fazer cagadas e gerar serviços escravos oferecendo ótimos salários de 1/4 do salário mínimo para jornada de 20 horas diárias de corte de cana com direito a transporte em pau-de-arara de última geração equipados com bancos de cimento, suspensão dura e uma turbina capaz de atropelar tudo, inclusive pessoas (Já houve várias vítimas).

Infraestrutura[editar]

Saúde[editar]

De altíssima qualidade são os serviços de saúde de Bom Jesus de Goiás, assim como no restante do país. A cidade tem uma inusitada tendência de reduzir os serviços de saúde enviando seus doentes mais graves para Itumbiara ou as vezes até mesmo para Goiânia.

O único hospital público que possui é menos aparelhado que um postinho de saúde qualquer de Itumbiara. A população, na falta de algo melhor pra fazer, costuma frequentar o hospital por motivos sempre urgentes e salutares como assistir TV, ver se o coitado acidentado da vez é o Zé da Padaria ou dar um escândalo tipo Programa do Ratinho na recepção porque seu tio, que possui uma micose nojenta na unha do dedão há 6 anos, está esperando há eternos 40 minutos ser atendido.

Transportes[editar]

O trânsito local também é outra trágica peculiaridade de Bom Jesus de Goiás. Os motoristas circulam sem obedecer a qualquer sinalização, como se estivessem nas estradas de suas fazendas. Sem ter o que fazer ou pra onde ir, eles desfilam a 5Km/h na Avenida Goiás tumultuando o trânsito dos 9 carros que existem na cidadela, e estes ainda se sentem ofendidos quando alguém (que tem o que fazer) buzina ou dá sinal de luz.

Os pedestres têm o hábito de andar em família no meio das ruas, enfileirados lado a lado, e os motoristas que buzinam ou reclamam costumam ouvir a seguinte resposta: "A rua é púbrica".

Cultura[editar]

Idioma[editar]

A população nativa de Bom Jesus possui um dialeto próprio no qual se destacam verbetes oriundos do mineirês, como "toró", que é uma espécie de palavra curinga que designa grande quantidade, grande volume, muito tempo, muita chuva, ou qualquer outra coisa que se queira. Por exemplo os diálogos: "Já malhou hoje? - iiiiiiii,toró"; "Já estou te esperando, toró"; "Vai chover, toró".

Lazer[editar]

A aldeia possui como principal opção de lazer um maravilhoso esgoto que é chamado de "clube" de nome "Morada do Sol". O clube é uma extensão do esgoto municipal, é repleto de características de deixar qualquer indivíduo de boca aberta, as águas da piscina são cristalinas de coloração verde, além de possibilitar relaxamento em suas águas quentes por conta da urina dos banhistas. Para frequentar o clube é necessário utilizar protetor solar de fator 350 ou superior, além de se vacinar contra cólera, raiva, leishmaniose e hanseníase para se prevenir das diversas doenças que o clube transmite.

Há de se ressaltar a importância do distrito de Brejo Bonito, um povoado pertencente ao Bom jesus que é símbolo de lazer e turismo da população, é um excelente lugar para relaxar e se divertir. Lá é possível se aproveitar a sorte de ser devorado por um jacaré ou alguma serpente maligna. A situação da população que reside no Brejo Bonito é crítica pelo fato do local não possuir mercado, lojas, farmácias, hospitais ou empresas para trabalho, portanto estima-se que a expectativa de vida da população do Brejo Bonito é de 15 a 17 anos ou menos. O local é marcado por diversas visitas de famosos como a Anitta que usou o local para gravar o clipe Is That For Me (e depois dizer que o clipe foi gravado no Pantanal).