Brachiopoda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Braçofora
Parecem ostras, mas não se engane, dentro das conchas ao invés de pérolas, há um pequeno anão dançante de funk, por isso nunca abra um Brachiopoda
Parecem ostras, mas não se engane, dentro das conchas ao invés de pérolas, há um pequeno anão dançante de funk, por isso nunca abra um Brachiopoda
Classificação científica
Domínio: Cara idiota
Reino: Animal
Filo: Ostra sem braço

Brachiopoda é o nome de um grupo de moluscos dissidentes, invejosos das amêijoas que todo mundo cata nas praias enquanto nunca catam uma concha de brachiópodes, decidiram fundar seu filo próprio, embora na prática sejam como qualquer bivalva qualquer.

Existem atualmente 120 gêneros vivos desses animais, sendo que mais de 8000 já foram extintos, provando que sobrevivência, adaptação e evolução nunca foi o forte desse filo.

Anatomia[editar]

São animais formados por duas valvas (conchas em formato de tampa de privada), que se abrem e fecham através de um ligamento formado por uma gosma similar a meleca mas que na verdade é jujuba processada na pressão atmosférica das altas profundidas oceânicas que dá todo o ligamento necessário para o encaixe das tampas exatamente como uma tampa de privada ao ser fechada num vaso sanitário fica confortavelmente encaixada ao assento.

Estes animais são diferenciados devido à presença marcante de um longo, esguio e sexualmente duvidoso lofóforo, nome dado a um órgão primitivo de animais que não desenvolveram boca como nos animais mais pensantes. Este órgão é um filamento prolongado que simula um pênis gelatinoso atraindo presas de sexualidade duvidosa, que findam sua vida sendo comidas pelo brachiopoda. Outro destaque é também a existência de um proeminente pedúnculo, nome pomposo dado ao cu de animais que não possuem sistema digestivo, mas que para sanar suas necessidades homoafetivas possuem um pequeno brioco alegórico para se aliviarem.

Estes animais, como todo molusco renegado, são formados por um corpo gosmento mascável cuja fragilidade inútil se vê revestida por uma concha que pode ser tanto fosfatada, carbonatada, platinada ou diamantada, variando conforme o poder aquisitivo do animal.

Estes animais são desprovidos de quaisquer estruturas complexas. O seu cérebro, por exemplo, é formado por dois únicos neurônios situados no pâncreas que se encarregam de não gerar qualquer sentimento de tristeza ou tédio no animal, do contrário este filo seria tomado por animais deprimidos, e isso é sempre ruim para a preservação da vida.

Já a respiração não é realizada, afinal eles vivem embaixo da água e ninguém precisa respirar embaixo da água, eles apenas ficam lá, prendendo a respiração pelo tempo que suportarem.

Comportamento[editar]

São animais solitários e assexuados, que vivem isolados no mundinho de dentro de suas próprias conchas. Tem extrema inveja das amêijoas e das ostras que possuem conchas bonitinhas e são até alvos de coleções, enquanto as conchas dos brachiopodas são feias, quebradiças e a mais numerosa, do limuro, parece mais um casco de barata morta.

Estes organismos são sésseis, ou seja, preferem evitar a fadiga e permanecem imóveis cimentados onde nasceram, povoando corais pelo mundo. Ficam enterrados também quando sofrem muito preconceito, e são normalmente encontrados nas areias das praias mortos.

A reprodução é uma taradice só, eles esporram na água, gozam na água, e quando os gametas se encontram em algum lugar formam os filhotes que começam a cagar petrificado e constroem sua concha do zero.

Classes[editar]