Brasão de Armas da China

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
China, a Comunista
Brasão da República Popular da China.png

Brasão de Armas da República Impopular da China é o grande símbolo da China, criado em 1949 após um concurso que elegeu o brasão que mais parecesse comunista e que usasse arroz no lugar de algodão, e utilizasse no máximo duas cores incluindo o vermelho (que era muito fácil de tingir, já que sangue nunca faltou no regime), pois os preceitos maoístas destacam a economia de recursos para tudo. De alguma forma este brasão representa a luta anti-imperialista, anti-burguesa, anti-capitalista, anti-feudal, anti-direitos humanos e anti-fabricação de produtos originais de boa qualidade e duráveis, a qual a China travou em 1949.

Descrição[editar]

O centro do brasão exibe a imagem da entrada do Mausoléu de Mao Tse Tung que foi construído bem antes da morte do mesmo, exatamente como os faraós faziam, é totalmente em dourado como símbolo de prosperidade.

O enorme círculo vermelho representa o socialismo soviético ao qual a China fazia parte em 1949, tom este que não foi mudado em 1991 porque a Constituição passou a considerar o vermelho no brasão uma referência ao sagrado molho agridoce, invenção chinesa usada até no McDonalds para melar Nuggets de tão bom. Neste fundo vermelho estão a reunião de cinco estrelas douradas que simbolizam a união pacífica e harmoniosa dos povos integrantes da República Popular da China, que são os chineses no centro, os tibetanos no sul, os manchus no norte, os curdos no oeste e os japoneses no leste.

A moldura do brasão são alguns ramos de arroz e cebolinhas harmoniosamente entrelaçadas em simbologia ao yakimeshi, a base alimentar do chinês médio, que está em dourado porque os camponeses plantam esses temperos com louvor.

Na base há algumas cortinas vermelhas, porque na China cortinas vermelhas são consideradas bonitas, presas por um broche do China in Box que é colado na geladeira para ser ligado em caso de emergência.

No topo está um Red Flag Linux, o sistema operacional, browser e navegador oficial chinês onde digitar "Tibete", "protesto" ou "governo é uma droga" no Google faz seu próprio computador prender você em nome do governo infalível chinês.