Brasópolis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Galinhacaipira.jpg Enxada-1.png Esti artigu é caipira, sô!! Enxada-2.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


60px-Bouncywikilogo.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Brasópolis.

Cquote1.png Você quis dizer: Barsópolis? Cquote2.png
Google sobre Brasópolis

Cquote1.png Você quis dizer: Morrópolis? Cquote2.png
Google sobre Brasópolis

Cquote1.png A festa da banana bomba Cquote2.png
Brasopolense sobre festa da Bananay.gif

Cquote1.png Humm... Boiola Cquote2.png
Qualquer pessoa de fora sobre comentário acima

Cquote1.png Noís sedia JEMG Cquote2.png
Brasopolense sobre JEMG

Cquote1.png Mas nunca ganham Cquote2.png
Itajubense sobre comentário acima

Visitante de Brasópolis pensando no suicídio.

Brasópolis é a cidade que representa toda a raça brasileira, uma vez que foi construída no último lugar do mundo onde uma pessoa lúcida construiria uma cidade. Assim além de representar a raça brasileira, representa também toda a burrice de um povo. Antigamente rolavam pela região falsos rumores de que Brasópolis seria o “cú do mundo”, o que claramente não é verdade, o relevo de Brasópolis está bem mais para montanha do que para depressão o que leva a cidade a parecer mais com as hemorróidas do mundo. Devido a seu relevo acidentado e cheio de desníveis, Brasópolis frequentemente é procurada por esportistas a fim de praticar rapel e bungee jumping. E também suicidas que querem terminar sua vida espatifando-se no chão. Além disso é a cidade da Banana e produz a fruta em um nível maior do que o consumo local, sendo necessária uma festa anual para que se acabe com a fruta, para onde ela vai?... ninguém sabe.


Localização[editar]

Embora não seja nenhum pólo industrial, a região fica entre vários outros pólos, sendo considerada o primo pobre destes, mas mesmo assim, Brasópolis é um importante lugar de passagem para as pessoas que saem de Itajubá e vão em direção a São Paulo, 95% das pessoas que passam pela cidade estão realizando tal percurso, do resto, 4,99% se perderam radicalmente nas rodovias federais e vieram parar por aqui e somente 0,01% são os realmente insanos que tinham como destino planejado o município.

É um dos municípios de mais dificil localização no Brasil, uma vez que a cordilheira que cerca o município impede o funcionamento de qualquer aparelho de GPS, o que já impediu até mesmo que ajudas internacionais para a ONG Bananinha na Ladeira chegassem. Além disso para se chegar ao município por indicações populares tem-se de parar em Paraisópolis e perguntar, mas os paraisopolenses com sua vontade imensa de fazer com que seu município passe Brasópolis em todos os quesitos inclusive em população, falam: -"É aqui mesmo", embora tenha um enorme letreiro indicando o nome da cidade logo na entrada.

Geografia :[editar]

Nossa avenida

Localizado perto do litoral mineiro, Brasópi é uma megamicrocidade da região do sul de Minas (há quem diga que como a cidade não pode ser menor do que já é, a tendência é crescer e se tornar megalópole).

Construída numa região totalmente inóspita para tal, Brasópolis fica em um mar de morros, onde se é possível usar aquela velha piada: "Se não está subindo, está descendo", o que fez com q todas as pessoas da cidade passassem a ter panturrilhas superdefinidas por realizarem escaladas até em 90 graus diariamente. A única área plana da cidade foi destinada para a construção do campo de futebol, e como o campo fica em uma área baixa nos municípios vizinhos rolasse a piada de que toda bola que é solta em qualquer lugar da cidade chega ao campo de futebol, o que não é verdade, pois quando os moradores resolveram implantar o futebol na cidade no começo do século XX já se precaveram e passaram a importar massivamente a tecnologia da bola quadrada, sendo a redonda só utilizada em jogos dento do campo.

História :[editar]

O que a conteceu com os primeiros exploradores da região.

Os primeiros a chegarem na região foram os bandeirantes que se perderam radicalmente de sua expedição em direção ao Mato Grosso, que ao se encontrarem com um grupo de baianos cujo objetivo era chegar a São Paulo, mas ficaram ali mesmo por preguiça, os bandeirantes resolveram acampar tamanha já era a preguiça que já estava os contagiando. E ao fazerem isso deram origem a um dos atos mais burros de toda a história mineira, pois seria construída posteriormente uma cidade ali, cidade que começou somente no pau-a-pique, uma vez que este é um tipo de construção que não exige muito trabalho (coisa em que os baianos não estavam interessados). E nunca migraram daquelas ladeiras inóspitas que existiam na região pois queriam evitar a fadiga de tal ato, e mais burros ainda foram os que caíram na mesma tolice a passaram a habitar a pequena vila, sempre se segurando para não rolarem ladeira abaixo.

A cidade se desenvolveu e depois de 50 anos, já tinha uma delegacia, uma vendinha de pinga e rapadura na praça, uma prefeitura e um postinho de saúde (frequentado pelo delegado e pelo prefeito). Mas o município teve sua verdadeira explosão econômica após a implantação da cultura de banana, principal fonte de renda e divertimento do brasopolense. A cidade é praticamente um morro, administrada por "ótimos" prefeitos, e conhecida pelas grandes bananas e os melhores milhos verde.

- Já que estamos perdidos, vamos fundar uma vila aqui! (fala de um bandeirante ao fundar a cidade)

Economia :[editar]

Brasopolense e sua fixação por bananas

Como já foi dito a economia de Brasópolis é baseada na banana. Outra atividade que se destaca são os bares. Quase todo mundo na cidade cuida da plantação de banana, quem não planta banana, toca um bar. E há quem além de tocar um bar ainda planta banana. A tendência é que a preferência por bares supere a por bananas, pois depois de plantar a Banana, pode-se tomar umas, mas depois de tomar umas não pode-se plantar a Banana.

Há em Brasópolis também o observatório Pico dos Dias, o observatório que ganha em altura de todos os outros da América Latina (sabemos que a América Latina não é tão grande coisa, mas já é uma vitória), cuja posse tenta ser conseguida desde a fundação pela prefeitura de Itajubá. Para eles um recado: “Vocês podem até ganhar JEMG, mas quem tem os morros e picos, somos nós brasopolenses”.

Política :[editar]

Prefeitura da cidade, que como todo o resto da cidade fica em local íngreme.

Fazer comícios na cidade não é difícil, de tão pequena que é, com um simples home theather um político faz-se ouvir pela cidade inteira, o que fez com que cada vez mais a população passasse a se interessar por política. Já houve um candidato a prefeito mais ousado que prometeu que, se uma vez eleito acabaria, de vez com todos os morros da cidade. A população, na época desinformada, achou tal proposta maravilhosa e o prefeito foi eleito com 100% dos votos, mas quando terminou seu mandato não conseguiu acabar com os morros e a desculpa era até plausível: falta de verbas.

Outro assunto, que envolve saúde pública e saneamento básico é o bosteiro da cidade, por onde passa todo o esgoto sem nenhum tipo de encanamento, que nada mais é do que uma herança baiana, e de onde até brotaram criaturas misteriosas. Diz-se desde que o mundo é mundo que nosso filho mais ilustre o presidente Venceslau Brás (é Brasópolis já criou um presidente, um dos menos conhecidos, mas criou) iria mandar verbas para o governo municipal para a construção de manilhas, o que não passava de um rumor do nosso então candidato a prefeito (e não, não é o mesmo que prometeu acabar com os morros... mas era o filho dele). Esse político devia mesmo ir fazer um churrasco perto de onde eram pra ficar as manilhas pra ele vai ver o que é bom, ver o que é mais fedido do que política.

Turismo[editar]

Morador e sua vida agitada por eventos

Como o resto de Minas Gerais, Brasópolis é importante economicamente e também uma verdadeira droga em pontos turíticos e eventos. Os principais pontos turísticos, para se ter uma ideia são o Bosteiro e o observatório. E de eventos da pra se falar da Festa da Banana, festa que poderia facilmente contar com cantores de calibre nacional, mas que privelegia a merda o talento a regional. Por muitos anos a cidade não conseguiu acabar com o mito de que na cidade bom era só o carnaval, tanto que antigamente se procurassem "Brasópolis" no google aparecia como busca relacionada "Brasópolis carnaval", mas a partir do mumento em que houve um empenho de ONGS e do governo local para o melhoramento genético da banana, a festa com o nome da fruta passou a ser mais conhecida do que o carnaval municipal e anualmente pessoas de vários locais vem a região para provar da Fruta Brasopolense e ainda saem dizendo que ela tem um gosto especial. Aproveite e vá visitar o Tche Tche na sua casa.E também outros pequenos pontos "interessantes" dessa droga de cidade são seus becos e lugares escondidos onde a "folha" rola solta.

Veja também:[editar]