Braze

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Cuidado: Ä qualquêr mumento, Napolião podə quirer-tə invədir


Loirastupidaaaa.jpg Hello, Honey! Este artigo é fashion!!

Este artigo é algo que eu e minhas amigas pink adoramos! Se você for nerd ou pobre, tipo, é melhor passar longe daqui, e se vier aqui pra arranjar confusão, nós vamos chamar a galerinha popular para humilhar você!

Braze
Origens estilísticas: Cascais, Ericeira
Contexto cultural: Cascais, Portugal
Instrumentos típicos: Cabelos longos, descolorante, calças brancas, sapatilhas de montanha e telemóvel.
Formas derivadas: {{{derivatives}}}
Exemplo de uma rapariga Braze.
Cabelo de sonho de qualquer rapariga Braze (já que o nível de inteligência é equivalente).

Cquote1.png Você quis dizer: Beto Cquote2.png
Google sobre Braze
Cquote1.png Experimente também: Pita Cquote2.png
Sugestão do Google para Braze
Cquote1.png Ah!? Cquote2.png
Pessoa que desconhece o termo sobre Braze
Cquote1.png A Morangos com Açúcar Braze assiste. Cquote2.png
Mestre Yoda sobre Braze
Cquote1.png Já comi. Cquote2.png
Mitra Son Goku sobre Braze
Cquote1.png Roubaram os meus óculos de sol, esses seres desprezíveis! Cquote2.png
Indie sobre Braze
Cquote1.png Não somos iguais, tá? Cquote2.png
Beto sobre Braze
Cquote1.png Mas eu não vejo diferenças entre vocês! Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre citação acima
Cquote1.png Quero esse estilo! É winduuhh!!! <33 Cquote2.png
Pita sobre Braze
Cquote1.png Você só está invejoso por eu ser mais popular que você e ter mais visitas no profile do Hi5! Cquote2.png
Braze sobre editor deste artigo
Cquote1.png É impressão minha, ou essa moda toda é um bocado chunga? Cquote2.png
Eu sobre Braze
Cquote1.png Gostosa! Cquote2.png
Mitra sobre Braze


Braze foi uma moda parva, criada na zona de Cascais, Portugal, que teve o seu auge entre a pitalhada portuguesa desde 2007 a 2010: depois disso, tornou-se moda os putos vestirem-se como o Justin Bieber e as pitas como a Miley Cyrus.

Você quis dizer "Beto"?[editar]

A moda "Braze" (até hoje ainda se está para perceber quem inventou esta porra de nome) espalhou-se por Portugal mais depressa do que DSTs: bastante comum entre pessoal dos 13 aos 17 anos, ou seja, entre a pitalhada beta do Ensino Secundário português, era encontrada em todo o lado do país, especialmente nas "grandes cidades", como Lisboa, Porto ou Coimbra.

O Braze é um seguimento da Pita e do Puto, sendo um subgénero do Beto: a grande preocupação dos Brazes é serem populares e a sua grande ocupação é vestirem-se todos de igual, sendo impossível distinguir "quem é quem" num grupo, o que também não é necessário, já que o seu cérebro funciona em manada e são todos uns carneiros amestrados que papam toda a bosta que lhes é impingida; individualidade e identidade própria não significam nada para o Braze.

Os Brazes só se relacionam com pessoas "bonitas": não segundo os padrões simétricos da Natureza, mas segundo quem usa a cara mais entupida de maquilhagem e que se veste mais igual a eles. O Braze é, por natureza, fútil, convencido e burro, todas as suas notas escolares são cabuladas, pois têm de entrar em Medicina, Direito e outros cursos aceites e pré-destinados pelos seus papás. Desprezam pessoas feias, pobres (claro que os pobres do grupo têm de fingir que são ricos) e que não sigam o seu "estilo de vida" popular e social, por consequente, gozam com todas as pessoas que são "antissociais", que no fundo não o são, simplesmente não se querem relacionar com montes de merda andantes com a mania que são relevantes.

Há uma fracção nos Brazes (e nos Betos, em geral) que é uma anedota: aqueles que se julgam muito "diferentes" e "alternativos", apesar de se vestirem igual a todas as pessoas num raio de 50 quilómetros, mas acham que tirar "fotos fixes" para o Instagram faz deles fotógrafos ou ter um Tumblr cheio de fotos da Lana del Rey e de frases de pseudo-crises existenciais faz deles "profundos" ou "poetas" ou o caralho que os foda. É do género que espeta com "a frase do Bob Marley" no Facebook: Vocês riem-se de mim por ser diferente, eu rio-me de vocês por serem todos iguais. Bitch, please. Estes conseguem ser mais ridículos do que todos os outros, pois, ao menos, os restantes Brazes admitem que querem ser iguais a toda a gente, estes são apenas uns Posers de primeira, mas que ainda gozam sempre que veem algum Gótico ou Punk.

Comportamento[editar]

Ficar bêbado cada vez que sai à noite é o auge existencial para o Braze.

Como referido anteriormente, o cérebro do Braze só funciona em manada: todo o Braze necessita de um grupo de outros Braze para conseguir sobreviver, caso contrário entra em choque psicológico: mas quem é que eu vou copiar? Vestir-me como bem me apetecer? O que é isso de gosto próprio!? Um Braze necessita de um grupo, e move-se sempre em manada, essencialmente porque depende sempre da aprovação alheia e quer estar constantemente nas "bocas do mundo". Frequentadores assíduos de centros comerciais, é onde os Brazes se costumam encontrar depois das aulas (especialmente se a sua Secundária tiver um shopping perto), para passearem pelos corredores a fazer a gritaria do costume, gozarem com eventuais "pessoas feias" que encontrem pelo caminho e irem tirar fotografias para os provadores das lojas.

No fundo, ninguém gosta dos Brazes: nem eles gostam uns dos outros, e há sempre grupos rivais que se gladeiam para ver quem é que vai comer o gajo ou a gaja mais popular lá do sítio, ou quem vai beber Whiskey-Cola primeiro, ou quem faz as "figuras mais tristes" enquanto está "podre de bêbado" no sábado à noite, depois de ter bebido um shot de vodka com sumo. Claro que ser um aluno de mérito ou fazer algo de socialmente relevante, nunca é uma das prioridades destas criaturas: o que interessa na vida de um Braze é ser "giro/a", magro/a e popular, o resto é coisa de atrofiado que "ninguém conhece". Claro que todo o Braze tem de andar no ginásio, e, de preferência, no mais caro da cidade.

A Braze é a Pita mais azucrinante de todas: puxa o cabelo comprido e louro-descolorado (que está mais para cor-de-palha, todo seco), enquanto fala mal de todas as outras raparigas (ou porque são mais populares, ou porque usam mais maquilhagem, ou porque come mais gajos, ou porque o soutien push-up tem mais qualidade, ou porque é "gorda",...). O Braze, por seu lado, vive a puxar o seu cabelo lambido para o lado ou para cima, gabando-se de quão boa era "aquela gaja" que comeram na sexta à noite na *inserir nome da discoteca da moda*.

Os Brazes irão sempre gozar com tudo aquilo que não é popular, mas se algum Braze (mais popular do que eles) começa a usar, lá vão todos correr atrás: isto verifica o nível de carneirice e retardamento desta gente, que não tem qualquer tipo de personalidade. Por exemplo, antes dos Ray Ban Wayfarer serem feitos moda por algum Braze (entretanto, eram os Aviator que bombavam na cara de toda a betalhada), quem usava este tipo de óculos de sol eram os Indies, e eram gozados por causa disso, diziam que eram "óculos de avô". Entretanto, deu na gana de algum começar a usar, e, de repente, já eram óculos "fixes" e "in", que todos os Brazes tinham.

  • Ser popular: Óbvio: afinal, é a única coisa em que as suas cabecinhas limitadas pensam. O Braze tem de ser sempre o centro das atenções, estar na "boca de toda a gente" e tem de haver sempre rumores sobre eles. Claro, que fazem sempre questão de armar algum escândalo de propósito, mas depois fingem-se muito ofendidos quando toda a gente descobre que a Madalena andava a ter sexo com o Salvador, enquanto namorava com o António!
  • Presença marcada nas "discotecas da moda": Como ainda são bebés do Secundário, estas saídas, para demonstrar a sua rebeldia, só acontecem à sexta ou ao sábado à noite. E só ficam acordados até às 4 da manhã, hora em que já se estão a "vomitar de bêbados", devido às bebidas que o Barman lhes serviu, que tinham 99% de Pepsi e 1% de Whiskey. Ficar bêbado na noite é o auge existencial destas criaturas, para, na segunda-feira de manhã irem contar aos seus amigos Braze o "quão fixe" foi a "bebedeira" que apanharam e as figuras de otário que fizeram. Quanto mais figuras de idiota fizeram, mais popularidade ganham.
Em 2007, era esta porra que se via em todos os pés...
...em 2009, veio isto...
...e no Verão de 2010 veio isto!
  • Facebook: O mundo desta gente também gira em torno das redes sociais: sem Facebook não és pessoa! As fotografias (mais de 1000) são sempre iguais, com a mesma expressão idiota de "mandar beijinho" (a designada Duckface), a puxar o cabelo para trás com a mão, fotos em frente ao espelho, a empinar o rabo, na praia, com a língua de fora, nos "locais populares", em discotecas e, claro, num estado embriagado. Claro que tem de ter mais amigos do que o Mark Zuckerberg, o mural cheio de comentários de outros Brazes mais e 3000 amigos. O Braze tem de ser activo na Internet e todos os dias tem de publicar fotos da sua vida inútil, que tirou, obviamente, com um selfie stick comprado na Martim Moniz.
  • Usar "linguagem Braze": Boneca, pensas o quê? Isto do cenário é algo que não se manda, ele já nasce connosco. E nós abusamos no estilo, tá? És-me essencial, bebé! Oh Meu Deus! Já viste bem aquela? Que nojo! É mesmo um degredo! Que sapatos são aqueles?
  • Ser modelo fotográfico: Este é outro standart destas criaturas: o litro de base com que cobrem a cara já não basta, têm de ir pedir ajuda ao Photoshop. Todo o Braze popular que se preze tem de ter um "book" fotográfico tirado por um fotógrafo profissional... Talvez o "fotógrafo profissional" seja só o gajo que tira fotos-passe na Loja da esquina. Seja como for, todos os Brazes vão querer ser Modelos. Ser modelo numa agência reles parece ser quase que obrigatório; é quase como uma espécie de declaração da sua beleza.
  • Histeria: Todo o Braze sofre desta condição, que implica gritar, rir alto e berrar, talvez para vincar a sua presença no meio da manada de clones em que se encontram, é uma incógnita. Além da paixão de gozarem com as outras pessoas não-Brazes, adoram rir porque são criaturas muito felizes e que não têm problemas nenhuns na vida. Ah, desculpem... O António acabou com a Madalena na semana passada e ela agora está muito deprimida. Então, mas o Salvador? Ah, pois, ainda andam a ter sexo, mas o António era rico. O nível de retardamento desta gente é tão elevado que problemas, para eles, é não terem Namorada ou o namorado ter acabado com eles.
  • Compras: Logo após as noitadas, este é o auge das Brazes. A sua cabecinha limitada, além de conter descolorante ou tinta para cima, também tem futilidade e materialismo. Elas "adooooooooooram" compras e passam o seu tempo enfiadas em centros comerciais, especialmente os que são considerados mais populares e "chiques", a ver as lojas. Experimentar roupa igual com as amigas é um "must"! Depois de comprarem roupa igual, gostam de combinar um dia para irem todas vestidas a combinar para a escola, com o objectivo de parecerem uma irmandade, amigas forever! Não é raro encontrar fotos desta gente nas redes sociais, em provadores de roupa, a fazerem poses idiotas e acompanhadas pela "Best", ou a usarem qualquer acessório "tão cómico" e "tão parolo" que encontraram na Primark, demonstrando a sua veia satírica (Ou não).
  • "Estudar" nas escolas populares (que sejam antros de Brazes): Para entrar na agitada vida social de um Braze, tem de se movimentar no interior das entranhas da vida adolescente: a escola. Fica sempre melhor quando estão a falar acerca dele: "Ah, aquele, o X, que estuda na Y!" Claro que os Brazes estão sempre batidos em Ciências, Economia ou Humanidades. Contudo, há uns quantos idiotas que vão para Artes, fazer número. Mas Braze que é Braze quer sempre seguir uma profissão que o torne rico e o faça seguir o exemplo dos seus pais descendentes de Condes: talvez o "Conde" seja o apelido da família e a "mansão" seja um T2 no Barreiro.
  • Passar o Verão em festivais de música e nas praias: Todo o Braze "adoooora" o Verão e a praia, talvez por ser aquela altura do ano em que podem andar descascados sem sentir frio (como acontece no Inverno). Esta é uma paixão tão avassaladora que se vê logo toda a gente deste Portugal com a frase mais batida do que a Punheta: Verão, volta! Porque já se viu, esta gente e seus seguidores não são reconhecidos pela sua originalidade. Mas a "praia", não podem ser qualquer uma: tem de ser uma praia que esteja na moda e que seja um antro de Brazes e que tenha "altas ondas", porque os Brazes "adoooooram" Surf e Bodyboard.
  • "Música": Braze ouve aquilo que lhe dão a ouvir, basicamente. O que povoa os iPhones e os iPods (menos do que produtos da Apple só se for imitações da Huawei para os pobretanas como Você) destas criaturas revolve em torno de House comercial e qualquer outra "música" que estiver na moda. A maior parte dos Brazes dizem ouvir "eletrónica", mas nem isso: apenas ouvem a bosta que passa nas discotecas que frequentam. Claro está, esta gente não percebe um cu de música e ouve aquilo que lhe dizem que é "fixe" e "popular". Alguns querem dar numa de pseudo-alternativos e começam a ouvir Indie, que está mais para Paramore e Muse só porque está na banda sonora do Twilight.
  • Telemóvel: Claro que os avanços tecnológicos e com a Internet a invadir os telemóveis trouxe uma revolução à vida dos Brazes. Passam dia e noite agarrados ao telemóvel, nas redes sociais e a enviar SMS aos seus amigos populares Braze. Já várias redes possuem serviços de SMS grátis, contudo os Brazes gostam de ser manter Old School e fiéis à Vodafone. Braze que é braze tem de estar sempre a par das últimas tecnologias, tem de ter sempre o último telemóvel topo de gama, afinal ele vive para as aparências e dar numa da rico. Agora, os Brazes estão todos em torno de uma mesa, cada um colado ao seu iPhone, o que é um serviço público, pois já ninguém é obrigado a ouvir a bosta de lhes sai da boca.

Habitat[editar]

Sair de pantufas à rua também virou moda.
A típica Braze delira com tudo o quanto é pseudo-étnico.
Ser Braze é ser "peace & love". Ou não.

Como referido anteriormente, o habitat natural destas criaturas são as Escolas Secundárias e os centros comerciais, para ser mais específico é uma invasão nacional, já que o Braze se encontra distribuído por todo o Portugal Continental e Ilhas.

  • Zona Sul:

Desde a Ericeira até ao Barreiro, toda a Margem Sul e Norte encontra-se povoada por Brazes, apesar de no Verão migrarem todos para o Algarve, São Martinho do Porto ou São Pedro de Moel. A maior concentração verifica-se em Cacilhas e Almada, enquanto Lisboa mantem o seu alto nível de chungas, essencialmente por causa dos bairros sociais.

Claro que muitos se mantêm sempre fiéis ao seu local de origem: Cascais. Se bem que o Betinho Pullover continua a reinar no clássico antro do "Jet7" português, habitado por quarentonas desocupadas e queques (as chamadas "Tias de Cascais"), cheias de cirurgia plástica e que passam as noites a abanar a carcaça velha na Lux e noutras discotecas frequentadas por pseudo-VIPs.

  • Zona Centro:

Com grande concentração na zona de Coimbra, os Brazes estão distribuídos pelas várias escolas da cidade, contudo com maior concentração na Escola Secundária Infante Dona Maria (Solum) e na Escola Secundária José Falcão (Celas). Dolce Vita é onde esta gente pára toda.

Também existe uma grande concentração em Aveiro (que é uma cópia reles de Coimbra), com maior incidência na Escola Secundária Doutor Mário Sacramento, Homem Cristo e José Estevão - em todas as secundárias, pois claro (e nas Básicas, também). Para ver esta comunidade em acção é só ir ao Fórum, ao Loft ou ao Caffé da Praça.

Na época balnear do Verão junta-se na Figueira-da-Foz, Praia da Barra ou no Algarve, para se reunirem com os Brazes da Zona Sul.

  • Zona Norte:

Com abundância no Porto. A maior parte situa-se na Foz do Porto ou então na zona da Boavista. Frequentam escolas como a Escola EB 2,3 Francisco Torrinha, a escola Garcia de Orta ou a Clara de Resende. Têm todas o cabelo comprido e loiro ou então são morenas (provavelmente por causa do solário).

Os rapazes têm a mania que andam todas as raparigas da Foz e normalmente chamam-se Tomás, Lourenço ou Bernardo. No Norte, mais precisamente no Verão, também há uma grande concentração de Brazes falidos reunida em Moledo ou no Algarve. À noite saem para discotecas como o Estado Novo, para mostrar que têm aquele toque de rebeldia (O estado novo é a discoteca com maior concentração braze do Porto).

Mesmo assim este novo estilo tem-se vindo a alastrar ainda mais para o Norte chegando a regiões como Viana, Cerveira ou Valença onde a moda pegou muito mais rapido que uma peste se espalha. É frequente ouvir os Brazes a comentarem as suas "loucuras" em pseudo-discotecas como a Industria ou a Queen.

Com abundância no Funchal e Câmara de Lobos. Passam tardes na Avenida do Mar e as "noitadas" no Molhe e Yacht Bar, ansiosos por chegar a casa para postarem as suas fotos no Facebook e no Hi5 e escrever estados como "(Amigos tagados) Alta noite com os melhores @' $: a repetir" e em um minuto após o upload das fotos recebem dezenas de comentários a dizer "fotão", "só cenário", "é só estilo!!!", "amor dmv :'$ @", "forte foto [email protected]", etc.

Atribuem um ranking aos seus amigos, sendo o #1 o Best (ou BeZz'[email protected]), o #2 second, o #3 third (frequentemente mal escrito), e por aí em diante. As "gajas" tiram fotos idênticas, onde usam sempre umas skinny jeans, um top, e umas timberland ou saltos altos da mãe com uma perna ligeiramente dobrada e as mãos na bacia, a não esquecer o beicinho. Essas fotos também costumam ter como fundo uma parede branca e o rodapé e chão de madeira, e muitas com efeitos abusados para não ser notado o acne. Os "gajos" tiram fotos a fazer musculação (ex. de "apanhado desprevenidohh :'[email protected]", com as mãos nos bolsos e terços, sem t-shirt com uns boxers foleiros e como descrição "dedicado à M.A $':", e embora façam grandes esforços para dar impressão de machos, sem o seu "pessoal braze" não tocam em ninguém.

Timberlands são mais frequentes na Escola da APEL, já que é para onde os riquinhos todos vão, e onde quer que hajam pessoas da Nazaré ou do Estreito, encontram-se os brazes com as calças abaixo dos joelhos e dentro das sapatilhas/botas do chinês. Quando têm tempo, vão a festas apenas para tirarem fotos com bebidas na mão a chupar a palhinha ou a fumar, e nunca se esquecem de passar a fotografia por 95478959 efeitos e textos chungas ou as suas iniciais seguidas de arrobas e apóstrofos antes de a postarem em qualquer lado.

Com abundância em Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. Frequentam escolas como as Domingos Rebelo, Antero Quental e Tomás de Borba. À noite andam nas Portas do Mar, Porto Pipas e vão a algumas festas no Karamba. Depois das aulas passam a maior parte do tempo a ter explicações. Muitos têm microcar ou aixam.

Na escola falam mal de toda as gente e olham para todos com desprezo. Falam mal uns dos outros, odeiam-se mas no entanto são grandes amigos. Sempre que podem vão a Lisboa ter com os amigos que andam na faculdade. Os carros dos pais são BMW, Volvo, Mercedes, Range Rover..

Grande parte até aos 9 anos andou no Colégio São Francisco Xavier, Passarada ou na Colmeia.

Indumentária[editar]

É no vestuário que os Brazes se distinguem dos restantes subgéneros do Beto: não era necessário muito para identificar a espécie, bastava ir a uma Escola Secundária e olhar à volta, já que todos se vestiam de igual. Em resumo, ser Braze é isso mesmo: ser igual aos outros.

Rapariga[editar]

Típica fotografia Braze para o Facebook.
  • Cabelo loiro (descolorado) ou castanho, puxado para trás com a mão;
  • Cabelo o mais comprido possível (para esvoar como se estivesse no Titanic);
  • Calças skinny brancas ou de ganga clara, e largas "indianas";
  • Sapatilhas de montanha Timberland ou Merrel (para as mais pobres é Quechua ou Berg);
  • Botas Timberland amarelo-torrado;
  • Botas Ugg;
  • Adidas Adicolor;
  • Sandálias de cunha Fly London;
  • Estampados pseudo-étnicos (florais e padrões "indianos");
  • Casacos "cardigan" de malha fina (mesmo durante o Inverno);
  • Cachecóis-gola e casacos de lã grossa (com uma túnica por baixo era visual de Inverno);
  • Óculos de sol da Ray Ban ou gigante-arredondados (o estilo vulgo "mosca");
  • Malas XXL e malas tiracolo da Gola, Adidas, Nike, ...;
  • Bijuteria pseudo-étnica prateada (colares, brincos e pulseiras gigantes);
  • Quantidade ridícula de argolas pseudo-étnicas nas orelhas, e de pulseiras nos pulsos;
  • Arsenal de lenços pseudo-étnicos;
  • Corrente fina prateada em torno do pescoço é obrigatória
  • Quantidade abusiva de perfume/maquilhagem/cremes e andar a retocar durante o dia inteiro;
  • Soutiens push-up e almofadados;
  • Camisolas de lycra de gola alta (para o Inverno)
  • Pele sempre bronzeada (Inverno? Auto-bronzeador ou solário)

Rapaz[editar]

Exemplo de um rapaz Braze, sempre fashion.
  • Cabelo franjinha-capacete puxado para o lado (também conhecido como "cabelo à fodasse") ou "á Son Goku" (ver: Mitra);
  • Pontualmente, pode haver um boné (desde que não estrague o penteado do menino);
  • Usar marcas de Surf e de Skate ao mesmo tempo (mesmo que não pratique nenhum destes desportos);
  • Mala tiracolo da Gola, Adidas, Nike, etc...;
  • Sapatilhas de montanha e botas da Timberland ou Merrel (mais Quechua ou Berg) ou ténis Adidas Adicolor ou de alguma marca de Skate;
  • Óculos de sol Ray-Ban Aviator ou aquelas imitações baratas dos óculos "ás riscas" usados por Kanye West;
  • Usar calças de ganga clara meio-largas com o boxer da Throttlemann à mostra;
  • Presença ridícula de um cinto de cabedal que não está a segurar as calças;
  • Usar pulseiras de cabedal e "power balance";
  • T-shirts justas, de manga cava ou com botões na gola (usados desapertados, claro está);
  • Usar correntes finas prateadas ao pescoço ou colares pseudo-étnicos com contas de madeira;
  • Casacos desportivos ou parkas com pêlo na gola;
  • Gorros com pêlo (à lá Rússia);
  • Usar 1 argola prateada (grande) numa orelha;
  • Uso abusivo de perfume e de base para esconder o Acne;

Métodos de Comunicação[editar]

As Brazes mais "putinhas" podem optar pelo look de "barriga à mostra".

Uma típica conversa entre Brazes gira em torno de merda e futilidade: quem é que comeu quem, quem é que ficou mais bêbado na sexta ou no sábado à noite, quem é que já provou Whiskey-Cola, desdenhar a roupa alheia, coscuvilhar a vida dos outros... Enfim, só paleio de grande relevância existencial.

Para elas todas as pessoas são apelidadas de "amor", "boneca", "babe" ou "baby", e "bebé".

Para eles todas as pessoas são apelidadas de "puto" e "meu", mas com os nomes enumerados anteriormente para se dirigirem ás "bonecas", para serem rebeldes e cools.

Acabam todas as palavras em "-ão" e usam expressões da moda como "juro-te", "(qualquer coisa) impossível", "Looool", "Seriamente?", "literalmente", e afins.

Cquote1.png Boneca, vamos sair logo á noite? Cquote2.png
Braze para sua amiga Braze

Cquote1.png 'Tão, puto? Tudo fixe? Cquote2.png
Braze cumprimentando seu amigo Braze

Cquote1.png Adoro-te, babe! <3 Cquote2.png
Braze para seu namorado Braze

Cquote1.png Sorrisão! Cquote2.png
comentário de uma Braze no hi5 de outra Braze

Cquote1.png Foi um noitão impossível! Cquote2.png
descrição da sua vida nocturna

Cquote1.png És-me essencial, baby. Cquote2.png
Braze para todos os rapazes

Cquote1.png Amo-te bebé. És a minha Best <33 Cquote2.png
Braze para sua melhor amiga Braze

Cquote1.png És vida, baby +.+ Cquote2.png
Braze para Braze

Cquote1.png Sabes beeem! <3 Cquote2.png
Braze para Braze

Cquote1.png E esse cabelo, babe? <3 Cquote2.png

Cquote1.png Adooooro! Cquote2.png

Cquote1.png Eu, no *nome de café popular*! Tarde espectacular com eles <3 Cquote2.png
Braze na sua descrição de fotografias do Facebook

Cquote1.png Sentimento puro! <3 Cquote2.png
Braze para os amigos todos

Cquote1.png Nós, lindas! Cquote2.png
Braze na sua descrição de fotos com as miguxas

Desporto[editar]

Claro que um Braze tem de ter uma vida desportiva activa, pois para ser modelo tem de ser magro e musculado. E há uma série de desportos que esta gente gosta de praticar, pois são o cúmulo do fixe e são altamente, puto!.

Rapazes[editar]

  • Surf e Bodyboard - Há o fascínio com os desportos de água, porque o Verão é o auge do comportamento Braze, e é quando se assiste à invasão das praias por parte da juventude. Ter um bronzeado de sonho é o objectivo, se tiveres pele branca ou és Gótico ou Copinho de Leite, porque esta gente é uma imensidão de fixe, não nos podemos esquecer. Portanto, Braze que é Braze tem de ser do Surf ou de algum desporto que envolva mar.
  • Rugby - Aqui é quando os Braze demonstram a sua rebeldia e agressividade. O Futebol já é demasiado "do povo" para estas pessoas da elite - além do mais, está demasiado povoado pelos Mitras, mas ainda assistem aos jogos, só para irem frequentar a zona VIP dos Estádios. O Rugby é então o desporto escolhido para demonstrar que são agressivos e corajosos, mesmo que passem o jogo a cair na lama, as Braze continuarão a ir aplaudir para os jogos.

Raparigas[editar]

  • Surf e Bodyboard - Mas elas também são fãs de água e do mar! E especialmente do bronzeado. Portanto, as Braze sempre vão adorar desportos aquáticos deste género. Mesmo que estejam sempre a ser socorridas pelo Nadador-Salvador ou que gritem sempre que vem uma onda, elas continuaram a dizer que praticam Surf ou Bodyboard, se não forem elas - será o Namorado ou o irmão. O que importa é que estejam afiliadas com alguém que pratique.
  • Voleibol - Mostrar as pernas e o rabo com os calções curtos é o rubro! Melhor do que desfilar na praia, é desfilar no campo de jogos, para demonstrarem o quão desportivas elas são. Geralmente não jogam absolutamente nada, limitam-se a correr aos saltinhos, a gritar quando a bola lhes bate nas mãos e a puxar o cabelo para trás quando os rapazes babados as vão ver a desfilar pelo campo. Porque voleibol, nem vê-lo.

Afiliados[editar]

Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Braze no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg