Bruxelas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Bruxelas é a atual capital da União Europeia e consequentemente da Bélgica também. É uma cidade amada pelos alemães porque foi Bruxelas quem primeiro abriu as portas do Império Romano para as invasões dos alemães, foi Bruxelas quem derrotou Napoleão em Waterloo e libertou a Alemanha, foi Bruxelas que deixou o Reich caminhar nas calçadas de Bruxelas duas vezes para que os alemães tentassem conquistar a França, e foi Bruxelas que confiou o futuro da União Europeia aos alemães.

História[editar]

Bruxelas em seus primeiros dias era apenas uma pequena igreja construída por monges no meio de um pântano. A primeira igreja foi rapidamente engolida pelo terreno. Os monges fervorosos reconstruíram outra igreja que foi engolida por sua vez. Somente na décima tentativa, quando aquele pântano já estava completamente preenchido por escombros, que os monges foram capazes de construir uma igreja permanente. Infelizmente, na hora da inauguração do edifício em sua primeira missa oficial, uma pequena anã vermelha saiu correndo da floresta e chutou o prédio com força, que desabou e matou todos os monges. A pequena anã ficou conhecida como "bruxa da bicuda", dando origem ao apelido neerlandês da região de "Brussel".

Só com a coroação de Carlos Magno em Aix-la-chapelle-en-Provence no ano 1000 que, para garantir a segurança do estabelecimento, houve a erradicação das anãs vermelhas (e mesmo as verdes) e por isso nãos e ouve mais falar desses seres na atual Bruxelas. A partir desse momento, Bruxelas pode começar a se desenvolver, até porque turistas japoneses e chineses já começavam a chegar mesmo não havendo nada para ver ali.

Em determinado momento no século XX Bruxelas se tornou realmente megalomaníaca. De repente, alguém (provavelmente um político) surgiu com essa ideia maluca de integrar todos os estados da então conhecida Europa em um único estado chamado Eurolândia, algo que Napoleão e Hitler tentaram no passado, mas coube à lábia belga a capacidade de tornar esse sonho realidade. Bruxelas imediatamente se autoproclamou capital da Europa e sede da OTAN.

População[editar]

Na Bélgica não se realiza censo porque eles tem vergonha de admitir o quão pequenos são, mas qualquer idiota consegue deduzir que Bruxelas tem mais ou menos uns 147.853 habitantes, chegando talvez a 1 milhão de pessoas caso sejam contabilizados os parlamentares de outros países que vem morar em Bruxelas para se aproveitar do neoliberalismo local vivendo às custas do governo belga.

Política[editar]

Embora seja normal acreditar que uma cidade tão pequena não seja muito ativa, na verdade Bruxelas é o centro de diversas decisões importa que ditam os rumos do mundo. Centenas de decisões políticas muito importantes são tomadas todos os dias nesta capital, como que tipo de comida os moradores locais querem comer no jantar, se o sal deve vir em saleiros ou em sachês, se pedofilia é crime ou doença, se estupro é crime ou manifestação cultural de estrangeiros, ou mesmo se devem ou não revogar uma lei sobre o número de peixes que as pessoas podem pescar nos pântanos da região. A Bélgica é realmente tão pequena que esta lei de pesca é a única lei do municipal além daquela lei que obriga saber falar neerlandês e francês. Funcionários do governo se divertem alterando a lei de pesca a cada cinco segundos. "É o único problema que temos aqui, mas é um assunto muito discutido", disse uma vez o prefeito de Bruxelas "Quero dizer, ontem, tivemos um orador convidado que veio à cidade. Ele era tão bom em fingir que se preocupava com essa lei que eu quase fiquei convencido. Quase."

Bruxelas acaba sendo então sede de diversos organismos internacionais, como o Instituto Europeu para a Prostituição Legalizada (IEPL), o Instituto Internacional para o Protecionismo Econômico (IIPE), a Organização dos Tributos do Atlântico Norte (OTAN), a Agência Europeia de Alimentos e Excrementos (AEAE) e a União Europeia do Trabalho de Pilotos de Helicóptero (UETPH).

Economia[editar]

Turismo[editar]

Mais um dentre os tantos prédios gigantescos que existem em Bruxelas e a população não sabe explicar exatamente para que servem.

Visitantes de todas partes do mundo visitam Bruxelas somente para descobrir que Amsterdã é melhor. A única coisa que existe em Bruxelas como opção de diversão é ler as placas bilíngues da cidade e nas refeições consumir sempre apenas cerveja, batata frita e mexilhões. Outra opção é em todo canto da cidade observar estátuas de um moleque mijando, um símbolo da falta de vergonha belga.

O único ponto "mais ou menos" turístico é o Atomium, o único prédio do mundo em formato de chiforínfola, uma composição até agora inexplicável de bastonetes e esferas que, segundo relatos científicos, deveria fazer sentido. Ou talvez visitar o famoso Parque do Cinquentenário, lugar visitado por mulheres que possuam esse estranho fetiche japonês de serem estupradas, porque toda semana ocorre um estupro no local ermo e sem câmeras de vigilância ou segurança.

Educação[editar]

Bruxelas tem um sistema educacional de alto nível porque todo mundo ali precisa saber quatro idiomas e isso requer várias horas de sala de aula. Com 5 universidades, Bruxelas é a cidade belga com mais universidades e a taxa de matrícula é correspondentemente alta, cujo valor da matrícula depende da nacionalidade do aluno. Estudantes belgas pagam 0 euros graças à bolsa integral paga com a contribuição dos outros países da Europa, estudantes franceses ou neerlandeses pagam uma taxa simbólica de 10 euros mensais, enquanto alemães precisam pagar 100 euros. A mensalidade para austríacos da casa Habsburgo são de 1000 euros, enquanto para espanhóis são de 5000 euros Latino-americanos precisam pagar uma mensalidade de 10.000 euros. Quanto aos refugiados muçulmanos o valor que eles tem que pagar sempre vai variar de acordo com o nível de fascismo da população que as vezes está baixíssimo (os árabes ganham bolsas) e as vezes altíssimo (os árabes são expulsos).

Transportes[editar]

Apesar do tamanho bastante moderado da cidade, Bruxelas tem uma rede de autoestradas megalomaníaca que dificilmente é necessária para os residentes, mas que se mostra bastante útil para os membros do Parlamento da Eurolândia. Os políticos da Eurolândia costumam dirigir limusines largas, Mercedes ou BMWs, que foram pagos pelos residentes de Bruxelas e por isso precisam daqueles enormes viadutos e avenidas. Bruxelas tem até um metrô, no entanto, está quase sempre vazio porque aquele monte de deputados europeus preferem ir para o trabalho (férias) no seu próprio carro.

O sistema de transporte público é altamente eficiente na cidade. Você pode pegar um ônibus em qualquer ponto de Bruxelas e ele te leva por toda cidade em poucos segundos. Claro, você poderia andar pela cidade em segundos. O uso de carros é incentivado para aliviar o tráfego de pedestres nas calçadas e respeitar os direitos dos moradores de rua.

Por questão de conscientização climática, autoridades de Bruxelas propuseram unificar a aparência dos carros e tornar todos carros da cidade verdes para assim serem mais ambientalmente corretos. Desde 1 de janeiro de 2008, todos os carros novos na UE devem ser verdes e os veículos antigos foram todos repintados até 30 de junho de 2008. Além disso, os cadáveres não são mais queimados em crematórios, mas em salas de caldeiras especiais, aquecendo assim sua metrópole durante os invernos. Com uma alta taxa de políticos idosos, a queima de corpos de políticos falecidos, em vez de combustíveis fósseis, trouxe autossuficiência energética para Bruxelas.

Cultura[editar]

Idioma[editar]

Bruxelas é oficialmente uma cidade bilíngue (as línguas faladas são o holandês e uma variedade do francês chamada inglês). Devido a este fato, Bruxelas tem quatro prefeitos diferentes, um que fala holandês, um que fala inglês, um que fala francês e um tradutor altamente qualificado que fala todas essas línguas ao mesmo tempo, que a maioria dos habitantes de Bruxelas acredita ser na verdade um agente infiltrado do Mossad.