Bryophyta

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Zetsu rosto.PNG Este artigo faz parte do incrível mundo Vegetal Folhoso

Este vegetal foi certificado pelo Greenpeace sendo livre de agrotóxicos e outras pragas nocivas.


Bryophyta
Briófitas no Rio Amazonas
Briófitas no Rio Amazonas
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantinhas
Subreino: Embriofita
Superdivisão: Bryophyta nonsense late
Divisões

O Filo das Briófitas são constituídos por plantas carnívoras simples que conseguiram sair do fundo do mar para dominar boa parte dos rios e cachoeiras da Terra. Tem como características marcantes o tamanho minúsculo, presença de antena, clorofila verde, sede por água e reprodução sexuada, ou seja, o papai coloca a sementinha na mamãe e germina uma briofitazinha. São constantemente confundidas com os fungos pelo fato dos dois gostarem de lugares úmidos, escuros e fazerem bolor verde. De fato, o que separa as briófitas dos fungos é a habilidade que estes últimos tem de causarem alucinações prazerosas, enquanto com as briófitas você conseguirá, no máximo, um lindo tapete derrapante que (com toda a certeza) lhe fará ter uma grande dor de cabeça.

Estrutura[editar]

As briófitas são compostas por raiz, caule e folhas. São plantas como qualquer outra, e espero que você não tenha pensado que com elas seria diferente. As briófitas de modo geral não se mexem, são são azuis nem são menores que o seu pênis. Além disso, possuem um poderoso imã na parte superior das suas antenas que sugam água e sais minerais (césio, frâncio e hélio) e distribuem através do caule a partir de um complicado sistema circulatório, bombeado pelos cloroplastos. Por estes motivos que as briófitas geralmente não atingem tamanhos exorbitantes: são econômicas na medida do possível e tendo menos de 10 cm evitam que sejam cortadas por um lenhador alcoólatra (fodam-se angiospermas).

Formas Conhecidas[editar]

Hepáticas

São briófitas de formato de canudinho, pequenas (às vezes agressivas) e aversivas a álcool. Costumam viver em um conglomerado que as fazem digerir qualquer coisa viva que ande por aí, sendo extremamente perigosas para ursos e cavalos, além de retardados de modo geral. Versáteis, crescem em qualquer canto, e costumam ser comestíveis em algumas partes do mundo, por alguns bichos esquisitos, como os alces. Especula-se que tenham vindo de Marte do século XV após uma grande queda de meteoro que atacou o Oceano Pacífico e possibilitou a migração das mesmas até chegar num clima mais agradável nos Estados Unidos do Sul e assim, lançar a moda dos chapéus de palha no Nordeste.

Hepática sendo usada na culinária oriental


Musgos

Os musgos são as briófitas mais conhecidas e por isso tiveram destaque na cadeia alimentar, não estando em lugar nenhum dela. São pequenos pauzinhos verdes que se agrupam em verdadeiras colônias, fazendo uma fotossíntese especial que libera vaselina como subproduto. Costumam ser bons estrategistas e dominam locais especificamente projetados para se colocar o (e logo depois, bater a cabeça). Os musgos são exclusivamente hermafroditas e a qualquer momento podem ficar exitados e botarem seus esporófitos para fora. Pense nisso na próxima vez que você tiver com aquelas fantasias de querer transar em uma cachoeira com uma linda ninfeta loura dos lábios de mel (assim como eu tenho). Reflita durante um tempo que, enquanto você bota pra funcionar sua geração duradoura, milhões de musgos estão ejaculando debaixo de você, na esperança de que a vaselina liberada na fotossíntese entre em seu ânus e ajude na meiose dos esporos.