Buritinópolis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Buritinópolis é uma localidade desconhecida nos confins de Goiás. Por ser o pior lugar goiano de se viver, foi classificada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Gente Estúpida) como a cidade mais pobre do estado.

História[editar]

Habitantes locais indo passear na praça.

Em 1950, invasores sem-terra de uma fazenda moribunda que tinha o infeliz nome de Martinópolis, que ficava às margens do rio Corrente, onde boias-frias podiam pescar, construíram uma ponte de madeira para poder ir ao bar mais próximo, que ficava em Alvorada do Norte. Acontece que toda vez que chovia ou o rio dava cheia, a ponte era destruída. Os moradores locais, que tinham paciência como a de , reconstruíram a ponte mais de 8000 vezes, até que enfim se cansaram daquela vida e se mudaram para terras doadas carinhosamente por fazendeiros próximos. Lá foi construída uma singela capelinha em homenagem a Virgem Maria, o que fez um monte de trouxas correrem para lá, principalmente romeiros que se perderam de Trindade e armaram suas redes ali.

Os muitos barracos de tábua que ali haviam se proliferaram com rapidez (pobre reproduz mais que coelho). Com isso, se tornaram um município em 1992, apenas a nível eleitoral mesmo.

Hoje é apenas uma cidade desconhecida que ninguém conhece.

Economia[editar]

Como metade da população é desempregada, a subdesenvolvida economia de Buritinópolis é baseada no cultivo de soja e milho.

A maioria dos jovens não acha qualquer trabalho decente e se muda para Alvorada do Norte para trabalhar no tráfico, muito mais lucrativo que a agricultura.

Infra-estrutura[editar]

Infra-estrutura em Buritinópolis é algo que não existe. Lá não existe bancos, nem restaurantes nem hotéis, e os dois supermercados são apenas uma mercearia e um verdurão. Nem bar dá renda nesse lugar... Ô coitado...