Césio

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Césio
Cesio-2.png
Símbolo, número Cs, 55
Série Metal pilha alcalina
Principal isótopo 133Cs (ou não)
Propriedades atômicas
Massa atômica 132,9 cu
Dureza 0,2 (bem levinha)
Nível de radioatividade Absurda
Nível de toxicidade Imagine
Propriedades físicas
Comestível? Sim, com ovo
Inalável? Pode sim
Posso passar na pele? sim, mas só uma vez
Onde encontrar ferros-velhos
ponto de fudição 301,6ºK
ponto de rebuliço 944ºK
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói sim (Fera)



Cquote1.png Experimente também: Não mexer com esse troço Cquote2.png
Sugestão do Google para Césio
Cquote1.png Olha, mamãe, meu braço brilha! Cquote2.png
Criança goianense depois de passar césio na pele
Cquote1.png Olha que lindo, filho... Agora coloca o braço de volta no ombro Cquote2.png
Mãe sobre citação acima.
Cquote1.png Um dia você... bom, você não entende... Cquote2.png
Shakespeare

Césio é o mais phoderoso dos metais alcalinos daquela tabela periódica nefasta, de símbolo Cs e isótopo mais relevante Cs-137 utilizado para a cura do Câncer. Em seu estado sólido mais comum é um pozinho muito bonito, utilizado com 1001 utilidade pelas moças menos favorecidas (principalmente as goianas).

História[editar]

Uma porção de césio, fazendo pose heroica para a foto.

O césio foi descoberto por Robert Wilhelm Bunsen e Gustav Kirchhoff, dois espiões soviéticos infiltrados na Alemanha, pelo método secreto da análise sintática. ele não gosta de tomar banho por isso é fedorento e quanto tocar na água fica com nojinho que nem justin biber quando vê mulher sem roupa.

Características[editar]

O césio é um metal de vários espectros, pode ser azul, vermelho, amarelo ou verde. Ou seja, é um metal lisérgico. É o mais eletropositivo, mais alcalino e mais bonitinho dentre os metais, mas ninguém se importa.

O césio é um metal pouco abundante. Foi altamente explorado pela indústria dos cosméticos. Vem logo atrás do frâncio, descoberto na caverna de Lascou-se, por franceses enrustidos. Ainda não saiu do armário, visto que há apenas trinta gramas em toda a Terra.

É altamente explosivo em água fria. Por isso, após passar isso no rosto, se você for tomar banho ligue o aquecedor da banheira, especialmente se você for goiano.

Aplicações[editar]

O césio tem diversos usos inúteis, como relógios atômicos e getter (?) em tubos de vácuo. Também é usado no catalisador do carro e como forma de tratar o cancro mole. O povo do centro-oeste brasileiro também usa o césio como maquiagem.

Há também o hidróxido de césio (CsOH), tão macho que ataca o vidro. Mas isso nem é vantagem, visto que a maioria dos cientistas usam óculos feitos de vidro de fundo de garrafa e perdem 101% da visão sem essas lentes.

Acidente com césio[editar]

Um homem do ferro velho de Goiânia sentindo os efeitos do césio, 3 minutos após passá-lo no corpo.

Antigamente o césio era considerado um metal muito seguro. Devido a sua eficiência na fabricação de armas nucleares, tal segurança fez com que começasse a ser utilizado no tratamento do câncer.

Em 1987, um hospital de Goiânia teve que mudar de endereço. Até aí tudo bem, mas a gerência era tão burra que esqueceu uma máquina hospitalar abandonada para Deus e o mundo. Então se aproximaram catadores de papel ultrapobres que viram que podiam ganhar alguns trocados vendendo a máquina para o ferro-velho. Eles abriram a máquina e encontraram uma caixa de chumbo lacrada, com pó brilhoso.

Cquote1.png Sô, isso deve ser maquiagem de rico! Cquote2.png
Catadores de papel ao encontrar o césio

Como eram primatas, conseguiram abrir o chumbo, e como eram mais caipiras ainda, começaram a passar o pó no corpo. Resultado: 7 mortes, inclusive de uma menina chamada Leide das Neves que comeu césio com ovo, uma grande fonte de nutrientes. Em virtude disso, foi construída a primeira cidade no mundo com a finalidade de ser um lixão nuclear: Abadia de Goiás.

No mais, tudo isso serviu apenas para tornar a cidade de Goiânia mais conhecida, entrando para a história como um dos episódios mais fail pelo qual a ciência já passou.